Métodos Anticoncepcionais

Métodos Anticoncepcionais

Métodos AnticoncepcionaisOs métodos anticoncepcionais ou contraceptivos destinam-se a evitar a gravidez. Variam desde o simples coito interrompido, por certo o mais antigo de todos os meios já utilizados, até as modernas pílulas anovulatórias (que inibem a ovulação) de reduzidos efeitos colaterais.

Pretendidos e ensaiados desde a antiguidade, os métodos anticoncepcionais evoluíram com o progresso tecnológico e o crescimento demográfico. Modernamente, abrangem variado leque de alternativas, algumas muito seguras, mas todas com alguma desvantagem.

Na escolha do método os dados mais importantes a considerar são: a plena aceitação por parte do homem e da mulher; a eficiência; a facilidade de emprego; o grau de inocuidade (não exercer efeitos negativos sobre a saúde) e a reversibilidade (poder ser suspenso, em favor da gravidez, se esta passar a ser desejada).

O emprego de métodos anticoncepcionais, que a rigor deveria ser uma opção puramente pessoal, está ligado a questões de caráter econômico, social e político, como controle da natalidade e planejamento familiar. São problemas que só se apresentaram a partir do final do século XVIII, pioneiramente apontados pelo economista inglês Thomas Robert Malthus. Naquela época, o crescimento populacional começava a se tornar maior que o crescimento dos meios de subsistência. Dali até meados do século XX, a ameaça foi praticamente debelada nos países desenvolvidos, cujas populações se estabilizaram ou diminuíram. Alguns passaram mesmo a estimular a concepção.

Nos países subdesenvolvidos, ao contrário, a tendência se manteve e se agravou, o que provocou a interferência do estado no controle da natalidade, por meio de campanhas, em alguns, até pela esterilização em massa das populações, em outros.

Métodos femininos - Os meios anticoncepcionais próprios para a mulher podem ser classificados como naturais, mecânicos, químicos e cirúrgicos. Entre os considerados naturais o mais conhecido é o chamado Ogino-Knauss, ou da tabela. Baseia-se na determinação dos dias férteis do ciclo menstrual da mulher. Se o casal prevê a data da próxima ovulação, que ocorre do oitavo ao vigésimo dia do ciclo, evita a gravidez abstendo-se de relações sexuais durante esse período. Os 12 dias de abstinência constituem a desvantagem do método, que também é inadequado para mulheres de ciclo irregular.

Outro método natural, o das temperaturas, consiste em determinar o período fértil por meio da temperatura do corpo, que sobe durante a ovulação. Esse método, que também implica abstinência, pode sofrer a interferência de doenças e febres. O terceiro método natural é o do muco, ou método Billings, baseado na observação da secreção vaginal, que aumenta durante o período de ovulação. Sua segurança e desvantagens são semelhantes às do método das temperaturas.

Os meios mecânicos são o diafragma e os vários tipos de DIU (dispositivo intra-uterino). O diafragma é um objeto arredondado de borracha, composto de um anel e película flexíveis, que a mulher coloca no fundo da vagina, sobre o colo do útero: com isso, ele bloqueia a entrada dos espermatozoides. Pode ser utilizado em combinação com um espermicida e tem como inconveniente a necessidade de previsão da relação sexual, pois deve ser colocado duas horas antes dela e retirado de seis a oito horas depois. O DIU é um dispositivo de plástico em forma de T, recoberto por um fio de cobre, que é implantado por um especialista dentro do útero. Em vez de impedir a fecundação, inibe o desenvolvimento do óvulo fecundado, pois altera as reações da mucosa uterina. Tem como principais desvantagens o risco de expulsão espontânea, incrustação na parede uterina ou inflamação, além de provocar aumento do fluxo menstrual e exigir consultas médicas periódicas.

Já no antigo Egito empregavam-se métodos químicos, como unguentos de ação espermicida. Existem hoje diversas substâncias, comercializadas em cápsulas ou cremes, que devem ser aplicadas ao fundo da vagina imediatamente antes da relação sexual. Há também o tampão de esponja impregnada de um desses produtos. A eficiência desses meios é variável e tende a aumentar pela associação com outro método, como o diafragma.

As pílulas anticoncepcionais difundiram-se a partir da década de 1960, quando foram sintetizados esteroides de ação estrogênica ou progesterônica (os hormônios estrogênio e progesterona, produzidos pelo ovário, regulam a menstruação). Criaram-se assim as pílulas de inibição do processo ovulatório, tomadas durante vinte, 21 ou 22 dias do ciclo menstrual. A eficiência é praticamente absoluta. Os inconvenientes são as contra-indicações para mulheres diabéticas, hipertensas ou fumantes com mais de 35 anos, pelo risco de doença circulatória. A injeção trimestral de progesterona sintética tem maiores desvantagens, pois quase sempre acarreta aumento de peso.

O método cirúrgico para a mulher consiste na laqueadura ou ligação das trompas, pela qual o cirurgião obstrui o caminho que deve ser percorrido pelo óvulo a fim de ser fecundado. A inconveniência maior é a irreversibilidade, absoluta ou relativa, conforme a técnica adotada.

Métodos masculinos - O coito interrompido consiste na retirada do pênis do interior da vagina antes que ocorra a ejaculação. O método exige absoluto controle do parceiro e, se empregado continuamente, pode causar tensão e ansiedade. O anticoncepcional masculino mais empregado é o preservativo (camisa-de-vênus ou camisinha), usado desde tempos remotos,  quando era feito de membranas animais. O preservativo é prático, eficaz e higiênico, já que previne doenças sexualmente transmissíveis, inclusive a AIDS. Algumas pessoas, no entanto, acham que o preservativo provoca diminuição da sensibilidade.

A vasectomia é uma cirurgia que obstrui os canais deferentes, por onde devem passar os espermatozoides a fim de serem eliminados pelo sêmen. A desvantagem do método consiste principalmente na irreversibilidade, já que não causa dano à saúde nem transtornos ao desempenho sexual masculino.

www.klimanaturali.org