Aprendizagem, Tipos de aprendizagem

Aprendizagem, Tipos de aprendizagem

#AprendizagemEm psicologia, aprendizagem é o processo de modificação da conduta por treinamento e  experiência. Varia da simples aquisição de hábitos à  de técnicas mais complexas. Como característica essencial do psiquismo humano, o ato de aprender difere do adestramento animal pelo seu caráter criador, dinâmico e intencional. A motivação, a inteligência e a hereditariedade influenciam a aprendizagem, cujos elementos básicos são o estímulo, a resposta, o impulso e o reforço. A psicologia vem emprestando ao assunto singular importância, mesmo em relação a problemas como a neurose, considerada uma aprendizagem defeituosa, cujo tratamento consistiria em um verdadeiro reaprendizado.

A capacidade de aprendizagem é comum ao animal irracional e ao ser humano, criança ou adulto. Representa uma adaptação ao meio e é necessária à sobrevivência de todo o ser vivo.

Tipos de aprendizagem. A lista dos comportamentos que se aprende inclui a aprendizagem associativa ou condicionada, tanto a clássica como a operante; a aprendizagem por discriminação, em que o indivíduo  aprende a reagir diante de uma esfera limitada de características sensoriais, como certo tom de cor; por hábito, que consiste na cessação de resposta a estímulos repetidos; por formação de conceitos, caracterizada pelo processo de classificar experiências em função de traços comuns. Abrange também a aprendizagem perceptiva; a de solução de problemas; e a psicomotora, isto é, a formação de comportamentos neuromusculares, que reagem a sinais dos sentidos. A imitação, o insight e o imprinting ("estampagem") constituem outros tipos de aprendizado.

Do século XVII até meados do século XX, a preocupação dos teóricos era demonstrar cientificamente que determinados princípios universais regiam todos os processos da aprendizagem e explicavam as formas e causas de seu funcionamento. Uma rigorosa e objetiva metodologia visava enfeixar o comportamento de todos os organismos em um sistema unificado de leis semelhantes às das ciências naturais. A partir da década de 1970, porém, os psicólogos, tendo em vista as lacunas das teorias gerais da aprendizagem, começaram a ver que a questão não podia ser abarcada por um único sistema.

A última tentativa de integrar todo o saber psicológico em uma teoria abrangente ocorreu na década de 1930. Três pensadores foram Edwin R. Guthrie, Clark L. Hull e Edward C. Tolman. Guthrie argumentava que as respostas (não as percepções ou os estados mentais) formavam em última instância os componentes mais importantes da aprendizagem. Hull sustentava que a força do hábito, resultado de  sequências de estímulo e resposta suscitadas pela recompensa, constituía o aspecto essencial da aprendizagem, concebida como um processo gradual. Tolman defendia o princípio de que o objetivo visado pelo sujeito é a base do comportamento. Diversos temas abordados por esses pensadores continuam tendo a máxima relevância no estudo da aprendizagem.

Um desses temas é a associação. Ela reside em sua essência na observação de que o sujeito percebe algo em seu meio (sensações) e o resultado é uma tomada de consciência de que há alguma coisa no mundo exterior (ideias). As associações que levam às ideias incluem: a proximidade dos objetos ou ocorrências no espaço e no tempo, a similaridade, a frequência, a proeminência e a atração.

Uma questão que não ficou resolvida reside em saber o que se associa. Um grupo liderado por Guthrie e Hull sustentava que as associações se davam entre estímulos e respostas passíveis de observação. A aprendizagem associativa, a capacidade que o animal tem para associar um estímulo anteriormente irrelevante a uma determinada resposta,  ocorre sobretudo pelo processo de condicionamento, em que o reforço cristaliza novas formas de conduta. A mais recente experiência de condicionamento que se conhece foi realizada pelo fisiólogo russo do século XIX, Ivan P. Pavlov, que condicionou cães para salivarem ao som de campainhas.

As teorias de estímulo e resposta não explicaram, porém, muitos dos fenômenos da aprendizagem e pareciam francamente reducionistas, não levando em conta os processos interiores do indivíduo. Tolman encabeçou um outro grupo, cuja tese era que as associações abarcavam um estímulo e uma impressão sensorial subjetiva. Outro tema atual é o reforço, noção que decorre da descoberta de que é possível reforçar um padrão de comportamento com recompensas ou punições. Persiste, porém, um debate teórico acalorado no que se refere aos mecanismos do reforço.

Muitos psicólogos contestam a validade universal da teoria da associação e afirmam a importância de outros fatores na aprendizagem. Os gestaltistas, por exemplo, acreditam que os processos mais importantes da aprendizagem envolvem uma reestruturação das relações com o meio e não simplesmente uma associação das mesmas. Os psicolinguistas (isto é, os que estudam os aspectos psicológicos da linguagem) sustentam que a aprendizagem de uma língua abarca um número de palavras e locuções muito grande para ser explicado satisfatoriamente pela teoria associacionista. Afirmam esses pesquisadores que a aprendizagem da língua radica em alguma estrutura básica de organização, talvez uma "gramática" inata e geneticamente herdada.

Outras questões que se avultam nas atuais teorias da aprendizagem incluem o papel da motivação; os estágios da aprendizagem; os processos e a natureza da evocação, do esquecimento e da recuperação de informações (memória). A genética do comportamento ajuda a elucidar questões importantes como a distinção entre comportamento aprendido e herdado. Outros cientistas estudam conceitos não passíveis de quantificação, como a imagem, os processos cognitivos, a conscientização e a vontade.

Base fisiológica da aprendizagem. Os mecanismos da aprendizagem e da lembrança parecem depender de mudanças algo permanentes no sistema nervoso. Os efeitos da aprendizagem são inicialmente retidos no cérebro, mediante um processo reversível sucedido por uma mudança neural mais duradoura. Foram assim propostos dois tipos de processos neurológicos. A função da memória a curto prazo, temporária e reversível, talvez decorra de um mecanismo fisiológico (como uma transformação sináptica, elétrica ou química), que mantém vivo o traço da memória por um período limitado de tempo. A memorização mais permanente (a longo prazo) pode depender de transformações na estrutura física ou química dos neurônios; as mudanças sinápticas parecem ser de uma importância primordial. As lembranças ou imagens avulsas parecem ter uma localização definida.

Guardam certa afinidade com o problema da   aprendizagem os processos algo complexos do raciocínio, da solução de problemas, e do comportamento articulado e expresso pela linguagem, que vêm sendo estudados principalmente nos casos de lesão cerebral. No homem, o tecido cerebral pode ser grandemente destruído sem nenhum prejuízo aparente para esses processos. Já as lesões que ocorrem em áreas específicas e restritas do córtex cerebral, (especialmente os lobos temporal, parietal e occipital) podem provocar problemas em áreas relacionadas com a linguagem, como a leitura e a fala.

www.klimanaturali.org