Mostrando postagens com marcador Biologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Biologia. Mostrar todas as postagens

Zoonose | Doenças de Animais Transmissíveis ao Homem

Zoonose | Doenças de Animais Transmissíveis ao Homem

Zoonose | Doenças de Animais Transmissíveis ao Homem
A abertura de estradas através da floresta e a construção de novas cidades no interior leva o homem a invadir o ambiente natural de numerosas zoonoses, como a leishmaniose e a febre amarela silvestre. A intromissão tem como conseqüência a inclusão do homem no ciclo de desenvolvimento da doença.

Zoonoses são doenças de animais transmissíveis ao homem. Os agentes que desencadeiam essas afecções podem ser microrganismos diversos, como bactérias, fungos, vírus, helmintos e rickéttsias. O termo antropozoonose se aplica a doenças em que a participação humana no ciclo do parasito é apenas acidental, ou secundária, como ocorre na hidatidose. Nessa parasitose, o ciclo se completa entre cães, que hospedam a forma adulta do parasito, e carneiros, que abrigam a forma larvária. O homem, ao ingerir os ovos provenientes do cão, passa a comportar-se como hospedeiro intermediário, no qual só se desenvolve a forma larvária. O termo zooantroponose se aplica a parasitoses próprias do homem, que acidentalmente podem transferir-se para animais. É o exemplo da amebíase causada pela Entamoeba histolytica, que acidentalmente pode manifestar-se em cães.

Existem, no entanto, muitos parasitos que não causam doenças em animais, mas que, transmitidos ao homem, encontram nesse novo hospedeiro melhores condições de desenvolvimento e multiplicam-se ativamente, aproveitando-se das insuficiências defensivas desse último e acarretando graves lesões. As variantes dessa situação, envolvendo o homem, o agente etiológico e os animais reservatórios, são muito freqüentes na natureza.

Nas comunidades selvagens, o parasito ocupa seu lugar hospedado em animais e transmitido por artrópodes hematófagos. A esse ambiente dá-se o nome de nicho ecológico da doença. A leishmaniose cutâneo-mucosa, doença causada por um protozoário, a Leishmania braziliensis, tem seu ciclo de desenvolvimento entre os roedores (hospedeiros), a Leishmania (parasito) e os flebótomos (transmissores), pequenos insetos hematófagos que vivem na copa das árvores. A doença se mantém dessa forma na natureza até a chegada do homem que, para construir estradas, derruba árvores e permite que o flebótomo possa alcançá-lo e lhe transmita o parasito.


Aves | Ilustração

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes
Peixe, qualquer uma das mais de 30.000 espécies de animais vertebrados (filo Chordata) encontrados nas águas doces e salgadas do mundo. As espécies vivas vão desde as lampreias e gaivotas primitivas e sem mandíbula, passando pelos tubarões, patins e raias cartilaginosos até os abundantes e diversos peixes ósseos. A maioria das espécies de peixes é de sangue frio; no entanto, uma espécie, a opah (Lampris guttatus), é de sangue quente.

O termo peixe é aplicado a uma variedade de vertebrados de várias linhas evolutivas. Descreve uma forma de vida e não um grupo taxonômico. Como membros do filo Chordata, os peixes compartilham certas características com outros vertebrados. Essas características são fendas branquiais em algum momento do ciclo de vida, uma notocorda ou haste de apoio esquelética, um cordão nervoso dorsal oco e uma cauda. Os peixes vivos representam cinco classes, que são tão distintas uma da outra quanto as quatro classes de animais que respiram ar - anfíbios, répteis, pássaros e mamíferos. Por exemplo, os peixes sem mandíbula (Agnatha) têm brânquias em bolsas e não possuem cintas dos membros. Os agnathans existentes são as lampreias e os hagfishes. Como o nome indica, os esqueletos de peixes da classe Chondrichthyes (de chondr, “cartilagem” e ichthyes, “peixe”) são feitos inteiramente de cartilagem. Peixes modernos dessa classe não têm bexiga natatória, e suas escamas e dentes são feitos do mesmo material placoide. Tubarões, patins e raios são exemplos de peixes cartilaginosos. Os peixes ósseos são de longe a maior classe. Os exemplos vão desde o minúsculo cavalo-marinho até o marlim-azul de 450 kg (1.000 libras), das solas achatadas e solhas aos puffers quadrados e aos peixes-lua marinhos. Ao contrário das escamas dos peixes cartilaginosos, os peixes ósseos, quando presentes, crescem ao longo da vida e são constituídos por finas placas sobrepostas de osso. Os peixes ósseos também têm um opérculo que cobre as fendas branquiais.


Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Os peixes existem há mais de 450 milhões de anos, durante os quais evoluíram repetidamente para se adaptarem a quase todos os tipos de habitats aquáticos. Em certo sentido, os vertebrados terrestres são simplesmente peixes altamente modificados: quando os peixes colonizaram o habitat da terra, eles se tornaram vertebrados terrestres tetrápodes (quadrúpedes). A concepção popular de um peixe como um animal aquático escorregadio e aerodinâmico que possui barbatanas e respirações por brânquias se aplica a muitos peixes, mas muito mais peixes se desviam dessa concepção do que se conformam a ela. Por exemplo, o corpo é alongado em muitas formas e grandemente encurtado em outras; o corpo é achatado em alguns (principalmente em peixes de fundo) e comprimido lateralmente em muitos outros; as barbatanas podem ser elaboradamente estendidas, formando formas complexas, ou podem ser reduzidas ou mesmo perdidas; e as posições da boca, olhos, narinas e aberturas de guelras variam muito. Respiradores de ar apareceram em várias linhas evolutivas.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

O estudo dos peixes é a ciência da ictiologia, é de grande importância. Os peixes são de interesse para os seres humanos por muitas razões, sendo a mais importante a sua relação com a dependência do ambiente. Uma razão mais óbvia para o interesse em peixes é seu papel como uma parte moderada, mas importante, do suprimento mundial de alimentos. Esse recurso, outrora considerado ilimitado, agora é percebido como finito e em delicado equilíbrio com os fatores biológicos, químicos e físicos do ambiente aquático. A sobrepesca, a poluição e a alteração do meio ambiente são os principais inimigos do manejo adequado da pesca, tanto em águas doces quanto no oceano. (Para uma discussão detalhada da tecnologia e economia da pesca, veja a pesca comercial.) Outra razão prática para o estudo de peixes é seu uso no controle de doenças. Como predadores de larvas de mosquitos, eles ajudam a combater a malária e outras doenças transmitidas por mosquitos.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Os peixes são valiosos animais para estudo de laboratório em muitos aspectos da pesquisa médica e biológica. Por exemplo, a prontidão de muitos peixes para se adaptarem ao cativeiro permitiu que os biólogos estudassem o comportamento, a fisiologia e até mesmo a ecologia sob condições relativamente naturais. Os peixes têm sido especialmente importantes no estudo do comportamento animal, onde a pesquisa sobre peixes forneceu uma ampla base para a compreensão do comportamento mais flexível dos vertebrados superiores. O peixe-zebra é usado como modelo em estudos de expressão gênica.

Há razões estéticas e recreativas para um interesse em peixes. Milhões de pessoas mantêm peixes vivos em aquários domésticos pelo simples prazer de observar a beleza e o comportamento de animais que de outra forma não lhes eram familiares. Os peixes de aquário são um desafio pessoal para muitos aquaristas, permitindo que eles testem sua capacidade de manter uma pequena parte do ambiente natural em suas casas. A pesca esportiva é outra maneira de desfrutar do ambiente natural, também aproveitado por milhões de pessoas todos os anos. O interesse em peixes de aquário e pesca esportiva apoia indústrias multimilionárias em todo o mundo.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Muitos peixes são coloridos e formados de forma enigmática, combinando com seus respectivos ambientes; outros estão entre os mais brilhantemente coloridos de todos os organismos, com uma ampla gama de matizes, geralmente de intensidade impressionante, em um único indivíduo. O brilho dos pigmentos pode ser melhorado pela estrutura da superfície do peixe, de modo que quase parece brilhar. Um número de peixes não aparentados possui órgãos produtores de luz. Muitos peixes são capazes de alterar sua coloração - alguns para camuflagem, outros para o aprimoramento de sinais comportamentais.

Os peixes variam em comprimento adulto de menos de 10 mm (0,4 polegadas) a mais de 20 metros (60 pés) e em peso de cerca de 1,5 gramas (menos de 0,06 onças) a muitos milhares de quilos. Alguns vivem em fontes termais rasas a temperaturas ligeiramente superiores a 42 ° C (100 ° F), outros em mares árticos frios alguns graus abaixo de 0 ° C (32 ° F) ou em águas profundas frias mais de 4.000 metros (13.100 pés) abaixo a superfície do oceano. As adaptações estruturais e, principalmente, fisiológicas para a vida nesses extremos são relativamente pouco conhecidas e proporcionam aos cientistas curiosos com grande incentivo ao estudo.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Distribuição e abundância
Quase todos os corpos naturais de água têm vida de peixes, com exceção de lagos térmicos muito quentes e lagos extremamente salgados e alcalinos, como o Mar Morto na Ásia e o Grande Lago Salgado na América do Norte. A distribuição atual de peixes é um resultado da história geológica e do desenvolvimento da Terra, bem como a capacidade dos peixes de sofrer mudanças evolutivas e de se adaptarem aos habitats disponíveis. Os peixes podem ser vistos como distribuídos de acordo com o habitat e de acordo com a área geográfica. As principais diferenças de habitat são marinhas e de água doce. Na maior parte, os peixes em um habitat marinho diferem daqueles em um habitat de água doce, mesmo em áreas adjacentes, mas alguns, como o salmão, migram de um para o outro. Os habitats de água doce podem ser vistos de vários tipos. Peixes encontrados em torrentes de montanhas, lagos do Ártico, lagos tropicais, córregos temperados e rios tropicais serão todos diferentes, tanto na estrutura bruta óbvia quanto nos atributos fisiológicos. Mesmo em habitats próximos, onde, por exemplo, uma torrente de montanha tropical entra em um riacho de várzea, a fauna de peixes será diferente. Os habitats marinhos podem ser divididos em profundos oceanos (bentônico), médio-oceânico (batipelágico), superficial oceânico (pelágico), costa rochosa, costa arenosa, encostas lamacentas, baías, estuários e outros. Além disso, por exemplo, as costas costeiras rochosas em regiões tropicais e temperadas terão diferentes faunas de peixes, mesmo quando tais habitats ocorrem ao longo da mesma costa.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Todos os aspectos da vida de um peixe estão intimamente correlacionados com a adaptação ao ambiente total, físico, químico e biológico. Em estudos, todos os aspectos interdependentes do peixe, como comportamento, locomoção, reprodução e características físicas e fisiológicas, devem ser levados em consideração.

Correlacionado com a sua adaptação a uma variedade extremamente ampla de habitats está a variedade extremamente grande de ciclos de vida que os peixes exibem. A grande maioria eclode de ovos relativamente pequenos, alguns dias a várias semanas ou mais, depois que os ovos são espalhados na água. Jovens recém-nascidos ainda são parcialmente subdesenvolvidos e são chamados de larvas até que estruturas do corpo como barbatanas, esqueleto e alguns órgãos estejam completamente formados. A vida das larvas é muitas vezes muito curta, geralmente menos de algumas semanas, mas pode ser muito longa, algumas lampreias continuam como larvas por pelo menos cinco anos. Os peixes jovens e larvais, antes de atingirem a maturidade sexual, devem crescer consideravelmente, e seu pequeno tamanho e outros fatores frequentemente ditam que eles vivem em um habitat diferente daquele dos adultos. Por exemplo, a maioria dos peixes marinhos tropicais tem larvas pelágicas. O alimento larval também é diferente, e os peixes larvais geralmente vivem em águas rasas, onde podem estar menos expostos a predadores.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Depois que um peixe atinge o tamanho adulto, a duração de sua vida está sujeita a muitos fatores, como taxas inatas de envelhecimento, pressão de predação e a natureza do clima local. A longevidade de uma espécie no ambiente protegido de um aquário pode não ter nada a ver com o tempo que os membros dessa espécie vivem na natureza. Muitos pequenos peixes vivem apenas um a três anos no máximo. Em algumas espécies, no entanto, os indivíduos podem viver até 10, 20 ou até 100 anos.

Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes
Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes
Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes
Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes
Peixe | Aspectos Biológicos dos Peixes

Origem dos Seres Vivos

Origem dos Seres Vivos


Acredita-se que o planeta Terra tenha se formado há aproximadamente 4,6 bilhões de anos, e que naquela época a Terra não tinha condições de abrigar nenhum tipo de ser vivo.

À medida que o tempo foi passando, o planeta foi passando por várias transformações e criando condições para o surgimento da vida, mas a pergunta que é feita desde a Antiguidade é: “Qual a origem dos seres vivos?”.

Muitas pessoas acreditavam que um “princípio ativo” ou “vital” teria a capacidade de transformar matéria bruta em seres vivos, e a partir dessa interpretação eles elaboraram a Teoria da geração espontânea, também chamada de Teoria da abiogênese, na qual todos os seres vivos originavam-se espontaneamente da matéria bruta.

Origem dos Seres Vivos

Essa teoria foi contestada por muitos cientistas, que através de experimentos comprovaram que um ser vivo só se origina de outro ser vivo pré-existente, nascendo então a Teoria da biogênese. Assim, surgiram vários questionamentos de como teria surgido o primeiro ser vivo. Muitas são as teorias e as hipóteses sobre esse assunto, mas as principais teorias modernas sobre a origem do primeiro organismo vivo são a Panspermia e a Evolução química.

A panspermia defende que o surgimento da vida na Terra teve início a partir de seres vivos ou substâncias precursoras da vida, provenientes de outros locais do universo. Em outras palavras, a vida teria se originado em outros planetas e foram trazidas para a Terra através de esporos ou formas de vida resistentes, aderidas a meteoritos que caíram sobre a Terra e que ainda continuam caindo. Nos meteoritos que caem sobre a Terra foram encontradas algumas moléculas orgânicas, indicando que a formação dessas moléculas é comum no Universo, e levando a crer que realmente há vida em outros planetas e que o espaço interestelar não é um ambiente tão hostil à vida como pensávamos.

Outra teoria muito defendida por cientistas é a Teoria da evolução química ou Teoria da evolução molecular, proposta inicialmente pelo biólogo inglês Thomas Huxley e aprofundada anos depois pelo também biólogo inglês John Burdon S. Haldane e pelo bioquímico russo Aleksandr I. Oparin. Segundo essa teoria, a vida teria surgido a partir de um processo de evolução química, onde compostos inorgânicos combinaram-se originando moléculas orgânicas simples (açúcares, aminoácidos, bases nitrogenadas, ácidos graxos etc.), que se combinaram produzindo moléculas mais complexas como proteínas, lipídeos, ácidos nucleicos etc., que deram origem a estruturas com capacidade de autoduplicação e metabolismo, dando origem aos primeiros seres vivos.

As duas teorias não entram em conflito, pois tanto os defensores da panspermia quanto os da evolução química concordam que, onde quer que a vida tenha se originado, o processo deve ter ocorrido por evolução molecular. Outro ponto que os defensores de ambas as teorias concordam é que para que tenha surgido vida na Terra, as condições ambientais foram fundamentais, como água em estado líquido, moléculas orgânicas e fonte de energia para as reações químicas.

Hipótese de Oparin e Haldane

Hipótese de Oparin e Haldane

Hipótese de Oparin e Haldane
Em 1920, os cientistas Oparin e Haldane, desenvolvendo paralelamente trabalhos correlacionados, propuseram a hipótese sobre o surgimento da vida na Terra. Apesar das diferenças, em síntese, concordavam que esse fenômeno teria iniciado a partir de moléculas orgânicas presentes na atmosfera primitiva, posteriormente percoladas ao oceano, combinando-se a substâncias inorgânicas.

Segundo eles, ocorriam na Terra primitiva, intensos processos vulcânicos, emitindo grande quantidade de gases (moléculas): metano – CH4, amônia – NH3, gás hidrogênio – H2 e água H2O. Suspensos na atmosfera, por ação da força gravitacional, aumentavam proporcionalmente a concentração, conforme as frequentes erupções que ocorriam.

Acredita-se que o ambiente era bastante redutor, consequente da inexistência ou baixa concentração do gás oxigênio (O2).

Após as constantes oscilações térmicas, passou a Terra por estágio de resfriamento ocasionando as precipitações (chuvas), acumulando água nas depressões da crosta terrestre, surgindo os quentes e rasos mares primitivos.

A atmosfera do planeta, desprovida de camada de ozônio (O3), era constantemente bombardeada com radiação ultravioleta (UV) e descargas elétricas. Essas condições intempestivas propiciaram agitação e energia suficiente para as moléculas suspensas, iniciarem arranjos mais complexos.

Pela ação da chuva, as moléculas orgânicas eram então arrastadas para os mares, que pela ação do tempo, transformou-se em uma imensa “sopa nutritiva”, rica em compostos orgânicos, eventualmente formando os coacervados (junção de moléculas circundadas por água).

Os coacervados, sistemas semi-isolados, além das reações químicas em seus interiores, intercambiavam substâncias com o meio. A hipótese de Oparin e Haldane equipou o surgimento de sistemas semelhantes aos coacervados, evolutivamente mais elaborados, provavelmente constituídos por lipídios, proteínas e ácido nucleico.

Investigação Científica em Biologia

Investigação Científica em Biologia

Investigação Científica em Biologia

A Investigação Científica em Biologia é uma ciência que busca explicações para os fenômenos da natureza, estabelecendo relações entre os fatos observados.

A observação é o primeiro passo para as investigações e é a partir dela que o cientista buscará respostas a perguntas como “porque tal fenômeno ocorre?” ou “que relação este fenômeno tem com aquele?”. Para estas perguntas, o estudioso da ciência deverá formular possíveis respostas, as chamadas hipóteses. Estas últimas deverão estar baseadas em diversas informações já conhecidas e, para tal, uma boa pesquisa é imprescindível.

Estas suposições devem ser testáveis e, a partir delas, são feitas deduções, que preveem o que pode acontecer se a hipótese estiver correta. Assim, testes experimentais e/ou novas observações são feitas para testar as hipóteses e averiguar se as deduções podem ser confirmadas ou refutadas.

Uma vez que uma hipótese é aceita, esta é divulgada, auxiliando em trabalhos posteriores de outros cientistas. Geralmente, essa divulgação se dá por meio de publicações, apresentações em eventos, como congressos e, inclusive, comunicações pessoais.

Uma hipótese confirmada por inúmeras experimentações, por muito tempo irrefutável, pode-se tornar uma teoria - conjunto de leis, conceitos e modelos - que busca explicar diversos fenômenos. Entretanto, mesmo uma teoria bem consolidada, como a Teoria da Evolução ou a Teoria da Gravitação Universal são passíveis de mudanças, na medida em que novas teorias e observações são realizadas, de modo que haja possibilidades de novas descobertas.

A Origem da Vida

A Origem da Vida

A Origem da Vida

A origem da vida, também denominados evolução química, constituem um ramo pluridisciplinar da ciência, que envolve, além da Química e da Biologia, conhecimentos de Física, Astronomia e Geologia. Seu objeto de interesse são os processos que teriam permitido aos elementos químicos que compõem os organismos atingirem o grau de organização estrutural e funcional que caracteriza a matéria viva. O fato de que estes processos requerem condições determinadas, que só podem ocorrer em locais específicos do universo, conecta o estudo da origem da vida à Astrobiologia.

Quem somos, de onde viemos, a que viemos e para onde vamos são questionamentos que permeiam a nossa espécie desde os tempos mais remotos, sendo retratados, inclusive, em pinturas rupestres e mitos bem antigos. 

Muitos filósofos e cientistas dedicaram suas vidas a estudos que buscavam compreender algumas dessas questões ou, pelo menos, trazer respostas mais adequadas e que melhor confortassem nossas mentes.

Atualmente, a teoria do Big Bang é a que melhor contempla, na ciência, essas nossas indagações sobre a origem do universo. Ela postula que o universo foi formado a partir da explosão de um grão primordial muito denso e quente e que permanece em constante expansão desde que tal evento ocorreu.

Quanto à origem da vida, há muito tempo acreditava-se que todos os seres vivos surgiam por abiogênese, ou seja: a partir da matéria bruta. Essa teoria, chamada de abiogênese, possuía muitos adeptos, como Aristóteles, mas deixou de ser aceita em meados do século 19, graças a experimentos como o de Redi, Joblot, Neddham, Spallanzani e Pasteur.

Com a derrubada da abiogênese, surgiram duas novas explicações para o surgimento da vida em nosso planeta, sendo que, para muitos cientistas, elas se complementam. Uma delas, chamada de Teoria da Panspermia Cósmica, diz que a vida teve origem a partir de seres vivos e/ou substâncias precursoras da vida, oriundos de outras regiões do universo. A outra é a Teoria da Evolução Química ou Molecular, que postula que a vida surgiu a partir do processo de evolução química de compostos inorgânicos, dando origem a moléculas orgânicas e, depois, às primeiras e mais simples formas de vida.

Atualmente, a hipótese melhor aceita é a de que os primeiros seres vivos eram autotróficos e não heterotróficos. Isso porque, para diversos estudiosos, não havia moléculas orgânicas em quantidade suficiente para que os primeiros seres vivos tivessem condições de sobreviver até que surgisse a autotrofia. Assim, estes seriam quimiolotoautotróficos, tal como algumas archeas, retirando seu alimento a partir da energia liberada em reações químicas entre compostos inorgânicos. Hoje, acredita-se que todos os seres vivos surgiram por meio de processos evolutivos, a partir de espécies preexistentes, e continuam sujeitos a transformações.