O Cancioneiro | Francesco Petrarca


O Cancioneiro | Francesco Petrarca

O Cancioneiro | Francesco Petrarca
"Lastimo ainda não haver louvado,
Dona, tua beleza em nobre rima.
Para encontrar a canto que te exprima,
Recordo o tempo em que te vi pasmado.

Mas a meu braço o encargo é tão pesado,
Este lavor não é de minha lima,
Por isso o engenho que sua força estima
Sente que o seu afã é mui baldado.

Quantas vezes em vão tentei louvar-te;
Pois permanece a voz dentro da peito.
Que voz pudera ter tão alto efeito?

É vão a meu esforço, vã minha arte;
O plectro rude e o pouco nobre engenho
Coem vencidos ao primeiro empenho.

A alma minha gentil que agora parte
Tão cedo deste mundo à outra vida,
Terá certo no céu grata acolhida,
Indo habitar sua mais beata parte.

Ficando entre o terceiro lume e Marte,
Será a vista do sol escurecida,
Virá depois, muita alma ao céu subida,
Vê-la – portento de natural e arte.

E se pousasse entre Mercúrio e Luz,
Brilhara mais do que eles nossa bela,
Como só se espalhara a fama sua.

A Marte certo não chegara ela.
Mas se mais alto o seu vulto flutua,
Vencera Jove e qualquer outra estrela."


www.megatimes.com.br

www.klimanaturali.org