Tratado da Terra do Brasil | Pêro de Magalhães Gândavo

Tratado da Terra do Brasil | Pêro de Magalhães Gândavo

Tratado da Terra do Brasil | Pêro de Magalhães GândavoTítulo: Tratado da Terra do Brasil
Autor: Pêro de Magalhães Gândavo
Arquivo: PDF
Tamanho: 57 KB

Baixar (Download)

Trechos:
“Esta província Santa Cruz está situada naquela grande América, uma das quatro partes do mundo. Dista o seu princípio dois graus da equinocial para a banda do sul, e daí se vai estendendo para o mesmo sul até quarenta e cinco graus. De maneira que parte dela fica situada debaixo da zona tórrida e parte debaixo da temperada. Está formado esta província à maneira de uma harpa, cuja costa pela banda do norte corre do oriente ao ocidente e está olhando diretamente a equinocial; e pela do sul confina com outras províncias da mesma América povoadas e possuídas de povo gentílico, com que ainda não temos comunicação. E pela do oriente confina com o mar oceano Áfrico, e olha direitamente os reinos do Congo e Angola até o cabo da Boa Esperança, que é o seu oposto. E pela do ocidente confina com as altíssimas serra dos Andes e fraldas do Peru, as quais são tão soberbas em cima da terra que se diz terem as aves trabalho em as passar. E até hoje um só caminho lhe acharam os homens vindos do Peru a esta província, e este tão agro, que em o passar perecem algumas pessoas caindo do estreito caminho que trazem, e vão parar os corpos mortos tão longe dos vivos que nunca os mais vêem, nem podem que queiram dar-lhe sepultura.

Destes e doutros extremos semelhantes carece esta Província Santa Cruz: porque com ser tão grande não tem serras, ainda que muitas nem desertos nem alagadiços que com facilidade se não possam atravessar. Além disto, é esta província sem contradição a melhor para a vida do homem que cada uma das outras da América, por ser comumente de bons ares e fertilíssima e, em grande maneira, deleitosa e aprazível à vista humana. O ser ela tão salutífera e livre de enfermidades, procede dos ventos que geralmente cursam nela: os quais são nordestes e suis, e algumas vezes lestes e leste-oestes. E como todos estes procedam da parte do mar, vêm tão puros e coados, que não somente não danam, mas recreiam e acrescentam a vida do homem.” (Tratado da Terra do Brasil).

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org
lumepa.blogspot.com

Arquivo