Uzbequistão | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos do Uzbequistão

Uzbequistão | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos do Uzbequistão

UZBEQUISTÃO -  ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIAIS DO UZBEQUISTÃO

Geografia – Área: 447.400 km². Hora local: +8h. Clima: árido frio. Capital: Tashkent. Cidades: Tashkent (2.300.000) (aglomeração urbana), Namangan (400.600), Samarqand (390.300) (2017).

População – 27 milhões (2016); nacionalidade: uzbeque; composição: uzbeques 71%, russos 8%, tadjiques 5%, cazaques 4%, outros 12%. Idiomas: uzbeque (oficial), russo. Religião: islamismo 76,2%, sem religião 18,1%, ateísmo 3,5%, outras 2,3%. Moeda: sum.

Relações Exteriores – Organizações: Banco Mundial, CEI, FMI, ONU. Embaixada: 1746, Massachusetts Avenue NW, Washington D.C. 20036, EUA; e-mail: emb@uzbekistan.org, site na internet: www.uzbekistan.org.

Governo – República presidencialista. Div. administrativa: 13 regiões e 1 república autônoma (Karakalpakstan). Presidente: Islam Karímov (KDP) (desde 1990, reeleito em 1991 e em 2000). Partidos: Democrático do Povo (KDP), Nacional Democrático Fidokorlar, Progresso da Pátria (VT), da Unidade (Birlik) (na ilegalidade desde 1991). Legislativo: unicameral – Assembleia Suprema, com 250 membros. Constituição: 1992.

País do centro-oeste da Ásia com população majoritariamente muçulmana, o Uzbequistão tem grande parte de seu território ocupada por desertos e estepes secas. Ao contrário de outros povos da região, os uzbeques possuem longa tradição sedentária, ligada ao comércio da Rota da Seda (caminho secular que ligava a Europa à China) e à agricultura. A irrigação transforma o país num dos maiores produtores mundiais de algodão e, ao mesmo tempo, provoca uma catástrofe ambiental no mar de Aral. Ex-república soviética, sua transição para a economia de mercado traz aumento do desemprego e da pobreza. Politicamente, a nação continua sendo uma ditadura.

UZBEQUISTÃO -  ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIAIS DO UZBEQUISTÃOHistória do Uzbequistão

Durante o primeiro milênio antes de Cristo, a região é berço da Civilização Bactriana. Desenvolve-se aí uma cultura original, síntese de elementos indianos, persas e gregos. É conquistada pelos persas (século VI a.C.), pelos macedônios (século IV a.C.) e pelos turcos (século VI d.C). No século VIII, o Uzbequistão é incorporado ao Império Árabe, retornando mais tarde ao controle turco. O conquistador mongol Tamerlão invade o território no século XIV. No século XVIII e no XIX fica dividido entre os canatos (reinos) de Bukhara, Khiva e Kokanda. Entre 1868 e 1876, a Rússia domina o país. Vitoriosos na Revolução Russa de 1917, os bolcheviques têm dificuldade em impor o poder soviético à região. A República Socialista Soviética do Uzbequistão é criada somente em 1924, com a divisão do Turcomenistão, e incorporada à União Soviética (URSS) no ano seguinte.

Independência – Em 1985, o início do governo reformista do dirigente soviético Mikhail Gorbatchov abre espaço para o movimento nacionalista no Uzbequistão. Em 1989 é criado o Partido da Unidade (Birlik), que impulsiona a campanha vitoriosa pela adoção do uzbeque como língua oficial em lugar do russo. O Soviete Supremo (Parlamento) do Uzbequistão proclama a independência em 1991 e o Partido Comunista, renomeado Partido Democrático do Povo (KDP), permanece no poder, aliado a Moscou. Em dezembro, o país adere à Comunidade dos Estados Independentes (CEI). Nas eleições presidenciais do mesmo mês, o Birlik e o Partido da Renascença Islâmica são impedidos de concorrer. O presidente, Islam Karímov, elege-se e persegue a oposição.

Cerco ao extremismo islâmico – Em 1998, o Parlamento impõe restrições ao funcionamento de grupos religiosos, e centenas de ativistas islâmicos são presos. Atentados em Tashkent matam 15 pessoas em 1999. O principal acusado é o Movimento Islâmico do Uzbequistão, apoiado pela milícia fundamentalista Taliban, que detém o poder no vizinho Afeganistão. Por sua vez, Karímov dá suporte ao general da etnia afegã-uzbeque Abdul Rashid Dostan, um dos líderes da Aliança do Norte, grupo de resistência ao Taliban. O Uzbequistão anuncia, em 1999, sua saída do acordo de segurança da CEI em protesto contra o aumento da presença de tropas russas no Tadjiquistão. Nesse mesmo ano, assina tratado de cooperação militar com os Estados Unidos (EUA). Em 2000, o presidente Islam Karímov é reeleito, com 91,9% dos votos.

UZBEQUISTÃO -  ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIAIS DO UZBEQUISTÃO
 Tashkent
Em 2001, amplia-se a presença militar dos EUA, que utilizam bases militares do Uzbequistão na guerra contra o Afeganistão. No ano seguinte, Karímov estende seu mandato de cinco para sete anos, em referendo cuja legitimidade é contestada pelos EUA e por grupos de direitos humanos. Uma onda de atentados, em março e abril de 2004, causa pelo menos 47 mortes. O governo responsabiliza extremistas islâmicos pela violência. Em novembro, uma nova lei que restringe o tradicional comércio em bazares causa protestos inéditos, com milhares de pessoas, no leste do país. Em dezembro ocorrem eleições parlamentares, consideradas antidemocráticas por observadores europeus, já que a oposição não pôde concorrer.

Desastre no Mar de Aral na Ásia Central

Situado na Ásia central, o Mar de Aral serve de fronteira entre o Cazaquistão e o Uzbequistão. Em 1960 o Aral ocupava uma superfície de 68.000Km2, com um volume de 1.060km3, mas em 1987 estava reduzido a 41.000Km2. Sua profundidade era baixa, em média de 21m, mas a margem ocidental alcançava um máximo de 68m. O nível de salinidade variava de 10 a 11 por mil.

O "mar de ilhas" (Aral-denghiz, em quirguiz), quarto lago salgado do mundo em tamanho, vem despertando preocupação pelo aumento de sua salinidade, que se espalha sobre as áreas circundantes.
Um dos maiores desastres ambientais e humanos da atualidade está em curso no mar de Aral. Nas últimas quatro décadas, esse grande lago, situado na fronteira entre Uzbequistão e Cazaquistão, perdeu mais de 60% de sua área, de 66,5 mil quilômetros quadrados, e 80% do volume de água.Na origem do problema está a política da antiga União Soviética de irrigar extensas áreas para a agricultura ao longo dos principais rios que deságuam no mar de Aral: o Amu Dária e o Sir Dária. O projeto de maior impacto desviou o leito do Amu Dária para a construção do canal de Karakumskiy (1,1 mil quilômetros), que passou a fornecer água às lavouras uzbeques de algodão. Entre outras consequências, o recuo da superfície do lago ampliou as áreas desérticas e diminuiu a flora e a fauna. O aumento da salinidade e a escassez de água conduziram a enorme degradação das regiões próximas.

Mar de Aral na Ásia Central

O mar de Aral é alimentado por apenas dois rios, o Amu Daria e o Sir Daria, procedentes dos pequenos planaltos orientais. Considerável parte da água desses rios é, porém, empregada para irrigação e não chega até ele, o que representa o principal fator de redução de sua área. As moderadas contribuições fluviais, aliadas ao escasso volume anual de precipitações, inferiores a cem milímetros, explicam as estepes salinas que rodeiam o mar, originadas pela progressiva evaporação.

As margens são muito pouco povoadas e a cidade mais importante, Aralsk, fica a nordeste. A região dispõe de instalações industriais (fosfato e sal) e pesqueiras. O nome em quirguiz, "mar de ilhas", deve-se ao fato de ser a margem oriental orlada por uma profusão de pequenas ilhas, enquanto outras, de tamanho considerável, encontram-se afastadas da costa, ao norte e oeste.

http://www-geografia.blogspot.com.br/
www.klimanaturali.org