Madeira, Estrutura e Indústria da Madeira

Tags

Madeira, Estrutura e Indústria da Madeira

#Madeira, Estrutura e Indústria da MadeiraAs singulares propriedades físicas, químicas e mecânicas da madeira tornaram-na de emprego obrigatório em diversos campos. Utilizada desde sempre como combustível e na construção de moradias, móveis, embarcações e outros veículos, a madeira atende assim a três necessidades primordiais do homem: combustível, casa e transporte. Posteriormente ela se converteu também em matéria-prima para a indústria química, na produção de celulose e pastas hidráulicas, mecânicas, físico-químicas e químicas.

Madeira é a matéria fibrosa, de natureza celulósica, que constitui o tronco, os ramos e as raízes das árvores, arbustos e demais tipos de plantas lenhosas. O tronco arbóreo compõe-se de duas porções fundamentais, uma viva e externa, o alburno, outra morta e interna, o cerne. Do ponto de vista prático e comercial, porém, a madeira propriamente dita é apenas o cerne, muito mais procurado que o alburno, para os trabalhos de carpintaria e marcenaria, por sua resistência, durabilidade e beleza.

Estrutura - As plantas formadoras de madeira são perenes, de caules permanentes dotados da propriedade de sofrer espessamento secundário ininterrupto. O tronco de uma planta lenhosa compõe-se de dois tecidos condutores especializados: lenho ou xilema e floema. O primeiro, por sua riqueza em componentes mecânicos lenhificados, converte-se em madeira. O crescimento em altura do tronco e ramos de uma planta lenhosa ocorre apenas nas extremidades. Quando parte do tronco ou ramo cessa de alongar-se, conserva a capacidade de espessar-se pela produção de novas camadas de madeira.

Essa aptidão é mantida pela atividade de uma camada geradora própria, o câmbio vascular, situado entre a casca e o lenho, que deposita novas capas de elementos lenhificados por fora da madeira preexistente. Nos climas frios e temperados, o câmbio só produz madeira durante a primavera e parte do verão, de modo que permanece inativo no restante do ano. O corte transversal do tronco revela uma nítida anelação concêntrica. O número de anéis corresponde à idade do tronco, pois cada um equivale a um ano de crescimento. Com base nessa verificação, pesquisam-se as variações climáticas de épocas muito remotas, graças ao exame dos troncos de árvores milenares. Tais estudos constituem a dendrocronologia.

As espécies tropicais arbóreas de copa perene (sempre verdes) em geral não exibem anéis de crescimento distintos. Várias espécies de árvores apresentam, depois de certa idade, nítidas  diferenças de colorido em suas partes. A interna, que já não se presta à circulação da seiva, torna-se escura e constitui o cerne ou durame, enquanto a parte externa, o alburno, é mais clara. Só o alburno, ou seja, a madeira que está junto à casca, participa diretamente da vida da árvore. É através dele que ascende a seiva mineral absorvida do solo pelas raízes. O centro do tronco, o cerne, serve apenas para sustentar a árvore e dar-lhe solidez.

Composição química - Distinguem-se na substância lenhosa, responsável pelas paredes dos elementos estruturais ocos que se unem para dar à madeira sua textura sólida, dois constituintes básicos: a lignina e a celulose. Em menor concentração, há outras substâncias, como óleos, resinas, taninos, gorduras, corantes, glicídios, substâncias minerais e gomas.

A lignina, apesar do grande número de pesquisas dedicadas ao esclarecimento de sua natureza química, continua insuficientemente conhecida. A celulose é de natureza glicídica e pode ser convertida em glicídios de composição simples, como a glicose. Sob tratamento adequado com ácido nítrico ou acético, a celulose produz compostos solúveis que, precipitados, servem ao preparo da seda artificial, colódio e explosivos. A lignina pode ser removida da madeira por ação do vapor ou soluções ácidas a quente (processo da indústria de papel), e a celulose permanece.

Classificação - As madeiras classificam-se em dois grandes grupos: brandas e duras. As brandas provêm de árvores da ordem das coníferas (da divisão das gimnospermas) e as duras provêm da classe das dicotiledôneas (da divisão das angiospermas). As coníferas possuem folhas em forma de agulha, escamiformes ou em fita estreitada, e ocorrem, na maioria, em regiões temperadas e frias. São coníferas produtoras de madeiras os pinheiros verdadeiros (do gênero Pinus), os cedros verdadeiros (do gênero Cedrus), os abetos, lariços, ciprestes e araucárias.

As árvores de madeira dura costumam ter folhas largas, que nos trópicos duram o ano todo (árvores perenifólias) mas, nas zonas temperadas, caem durante o inverno (árvores caducifólias). São espécies típicas de madeira dura das zonas temperadas: carvalho, faia, bordo, pinho, nogueira e álamo. Entre as importantes espécies de madeiras tropicais duras figuram: mogno, angelim, aroeira, cedro, cerejeira, freijó, gonçalo-alves, imbuia, jacarandá e louro.

Essa classificação indica mais os tipos de estrutura do que as qualidades mecânicas, pois certas madeiras ditas brandas podem apresentar dureza superior a de madeiras do grupo das duras. Examinadas ao microscópio, nota-se que as madeiras brandas são formadas por elementos alongados, fusiformes, chamados "fibras" (do ponto de vista anatômico não são fibras e sim traqueides, com funções ao mesmo tempo de suporte e condução), cujos eixos são paralelos ao eixo vertical do tronco ou ramo. Suas paredes exibem uma série de acidentes denominados pontuações, através dos quais a seiva caminha de fibra a fibra. Certas madeiras brandas, como a dos pinheiros, têm canais ou dutos resinosos, que correm paralelamente às fibras.

A principal diferença entre as madeiras duras e as brandas está em que as primeiras possuem vãos condutores resultantes da fusão, pelo desaparecimento dos septos intermediários, de séries longitudinais de elementos vasculares. Assim se formam longos tubos contínuos, cujo comprimento pode alcançar vários metros. Oferecem uma resistência muito menor à circulação da seiva e no corte transversal são descritos como poros, frequentemente visíveis a olho nu. Além dos vasos, as madeiras duras contêm outros elementos, entre eles fibras de várias formas. Ambos os tipos de madeira mostram ainda os chamados raios medulares, que são estruturas orientadas em ângulo reto com a direção das fibras, em forma de fita ou de cordão, que se dirigem de fora para dentro, em direção à medula. Esses raios, nas madeiras brandas, são muito menos notáveis do que nas duras.

Indústria da madeira - A indústria da madeira abrange três grandes tipos de operações: beneficiamento, processamento e incorporação da madeira para diversos fins. No beneficiamento, realizam-se os processos de falquejamento (em que as toras são desbastadas), desdobramento (divisão em tábuas) e compensação (em que finas camadas -- lâminas -- são superpostas e coladas). No processamento, a madeira é usada química ou físico-quimicamente como matéria-prima; na incorporação,  fabricam-se peças e estruturas, material de embalagem ou de enchimento e mobiliário.

Durante as três etapas do beneficiamento, variados fins são contemplados: o falquejamento pode ter em vista a preparação de lenha ou de peças lavradas e serradas (para dormentes, postes, pranchões, componentes de caixotes, engradados e congêneres); o desdobramento destina-se, em geral, à construção civil (tábuas, barrotes, caibros, sarrafos, ripas, tacos para assoalho), enquanto a compensação da madeira -- que também pode ser folheada, aglutinada ou concrecionada por prensagem -- pode ser voltada para a marcenaria ou para a indústria de mobiliário.

No processamento, a madeira é empregada como matéria-prima na produção de celulose e de diversas pastas (hidráulicas, mecânicas, físico-químicas e químicas), corantes, vários tipos de látex, carvões vegetais, gases combustíveis e outros produtos.

É nas operações de incorporação que se criam bens ou artefatos que utilizam as propriedades essencialmente mecânicas da madeira (dureza e maciez, densidade e leveza, elasticidade e rigidez, plasticidade): cabos de ferramentas, carretéis, roldanas, fôrmas trabalhadas, embalagens comuns e especiais, artigos de palha e cortiça, móveis de todo tipo com predomínio ou participação da madeira, composições arquitetônicas e decorativas, armações e outros sistemas de utilização composta.

Madeiras no Brasil - Cerca de metade do território nacional é coberta de florestas. A área florestada, apesar do contínuo desmatamento nos últimos dois séculos, compreende mais de um quarto da área de florestas tropicais no mundo.

O Brasil é grande produtor de madeiras úteis, originárias das chamadas árvores euxilóforas e nem sempre, necessariamente, madeiras de lei (madeiras duras e rijas, próprias para construção e exposição às intempéries). São mais de 200 essas árvores nativas cuja madeira é utilizável na indústria. A indústria madeireira é regulada e controlada pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Para esse instituto confluem as reclamações e trabalhos dos meios conservacionistas, a que deve atender sem deixar de levar em conta a importância da produção e aproveitamento da madeira, mediante uma política racional de reflorestamento -- sobretudo em função da demanda por parte das indústrias de construção civil, ferroviária, de mobiliário, embalagem e decoração.

www.klimanaturali.org