Burguesia | Conceitos de Burguesia

Burguesia | Conceitos de Burguesia

Surgida como um corpo estranho e de difícil integração na estrutura jurídica do feudalismo, a burguesia assumiu no correr dos séculos uma crescente importância histórica, cuja consequência foi o desmoronamento do sistema feudal e uma profunda transformação da atividade e do pensamento humanos.
Origens históricas. O termo burguês designava na Idade Média quem, nas velhas cidades europeias, burgos, se dedicava ao artesanato e, sobretudo, às atividades comerciais. Do ponto de vista das relações jurídicas da sociedade medieval, o termo se aplicava a pessoas cuja condição não dependia de sua relação com a terra, isto é, que não integravam o grupo dos senhores nem o dos servos. Com o tempo, o setor mais rico e poderoso desse grupo social atingiu relativa independência e passou a ocupar uma posição intermediária entre a nobreza e o povo.

Burguesia | Conceitos de Burguesia

Os capitais acumulados em um comércio cada vez mais desenvolvido reforçaram a autonomia dessa classe diante dos reis e senhores feudais, dando lugar às primeiras formas de capitalismo urbano e consolidando a autonomia das cidades, cujos governos já se encontravam nas mãos dos burgueses mais poderosos. Esse processo ocorreu em toda a Europa, porém com maior intensidade na Alemanha, França, Itália e Países Baixos.

A partir do Renascimento, a burguesia enriqueceu a ponto de conceder aos reis e à alta nobreza créditos substanciais que lhes asseguraram o êxito de suas ambições bélicas e políticas. Assim, foi uma célebre família de banqueiros alemães, os Fugger, que financiou a campanha de Carlos I da Espanha pelos votos dos príncipes eleitores alemães que o elegeram monarca do Sacro Império Romano-Germânico, com o nome de Carlos V.

Com os grandes descobrimentos e a abertura das rotas comerciais para o Oriente e para o Ocidente nos séculos XV e XVI, a burguesia viu crescer seu poder e suas riquezas. As rígidas estruturas feudais que continuavam mantendo o arcabouço jurídico do absolutismo, eram, porém, um obstáculo à realização de seus interesses básicos. Assim, a burguesia assumiu a liderança na luta contra o chamado antigo regime e, com o triunfo da revolução francesa, pôs termo à ordem feudal.

Triunfo da burguesia. A revolução industrial, iniciada na Grã-Bretanha no século XVIII, associou os interesses da burguesia ao desenvolvimento industrial, identificando burguesia com capitalismo. A progressiva necessidade de mão-de-obra para as novas indústrias redundou na proletarização crescente dos camponeses e artesãos. A sociedade dividiu-se em burgueses - donos dos meios de produção - e proletários, que possuíam apenas sua força de trabalho.

Em oposição à sociedade feudal cujos membros, em função do nascimento, se achavam divididos entre privilegiados e não privilegiados, a nova sociedade pretendia ser igualitária, sendo a posição de seus integrantes determinada pelo mérito pessoal. Mas esse princípio não prevaleceu. A riqueza substituiu os privilégios feudais como principal meio de galgar posições na nova sociedade. Concretizados seus objetivos, a burguesia abandonou a liderança da luta em prol dos ideais revolucionários -- liberdade, igualdade, fraternidade -- dedicando-se basicamente à defesa de seus interesses. Surgiram, assim, as novas ideologias e os movimentos socialistas, e o termo burguesia adquiriu um sentido pejorativo que se conservou até os nossos dias.
Oposição burguesia-proletariado. Desde seu aparecimento em meados do século XIX, o pensamento marxista baseou-se na radical oposição social, econômica e ideológica entre a burguesia e o proletariado, e viu nessa oposição o estágio histórico preparatório do desaparecimento da primeira e o advento de uma sociedade sem classes. Todavia o século XX iria presenciar o desenvolvimento de uma poderosa classe média que não apresentava as características atribuídas pelo marxismo ao proletariado - paupérrimo e indefeso - e à burguesia - exploradora e acumuladora de capital. Essa evolução deu lugar a novas teorias que levam em conta a progressiva complexidade das sociedades modernas.