Mostrando postagens com marcador Acre. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Acre. Mostrar todas as postagens

Assis Brasil, História e Geografia de Assis Brasil | Acre

Assis Brasil, História e Geografia de Assis Brasil | Acre

Assis Brasil, História e Geografia de Assis Brasil | Acre

População: 6.900
Área da unidade territorial (Km²): 4.974,193
Densidade demográfica (hab/Km²): 1,22
Gentílico: assis-brasiliense


História de Assis Brasil

Assis Brasil nasceu no antigo seringal Paraguaçu, explorado em 1958 pelos irmãos Freire, do Maranhão. Em 1958 foi denominada Vila de Assis Brasil, em homenagem a Francisco de Assis Brasil, o político e diplomata que negociou juntamente com o Barão de Rio Branco, Ministro de Estado das Relações Exteriores, a compra do Acre do governo boliviano. Foi de sua responsabilidade a redação do Tratado de Petrópolis que definiu a posse desse território pelo Brasil.

Assis Brasil está localizado à margem esquerda do Rio Acre. Ao sul de Assis Brasil, do outro lado do rio, está a cidade de São Pedro de Bolpebra, pertencente ao departamento de Pando, território boliviano. A oeste da sede municipal, também ao sul do território do município, encontra-se o Rio Yaverija que desemboca na margem direita do Rio Acre. Neste local está situada a cidade peruana de Iñapari. Este ponto constitui-se no ponto tripartite Brasil-Bolívia-Peru, junção de três fronteiras.

Em 1976, Assis Brasil foi elevada à categoria de município sendo desmembrada do Município de Brasiléia.


Formação Administrativa de Assis Brasil

Elevado à categoria de município com a denominação de Assis Brasil, pela constituição estadual artigo nº 55, de 01-03-1963, alterado em seus limites pela lei estadual nº 588, de 24-05-1876, desmembrado de Brasiléia. Sede no atual distrito de Assis Brasil ex-localidade. Constituído do distrito sede. Instalado em 19-04-1977.

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Acrelândia, Geografia e História de Acrelândia | Acre

Acrelândia, Geografia e História de Acrelândia | Acre

Acrelândia, Geografia e História de Acrelândia | Acre

População:  13.700
Área da unidade territorial (Km²): 1.807,891
Densidade demográfica (hab/Km²): 6,94
Gentílico: acrelandense

História de Acrelândia

Acrelândia, situada à margem esquerda da Rodovia AC 401 km 33, Cidade Acreana cujo nome foi dado pelo Pioneiro João Bernardo Parente, iniciada no Projeto de assentamento estadual, efetuando através da COLONACRE e Companhia de Desenvolvimento Agrário e obteve sua autonomia com o Decreto nº 1025 de 28 de Abril de 1992, pelo então Governador Edmundo Pinto de Almeida Neto. Possui hoje um total de 2565 km, com 06 Projetos de Assentamento do INCRA, ultrapassando os índices do último censo, que aquela época declarou a população urbana de Acrelândia com 866 habitantes. A área urbana conta hoje com 650 habitações cadastradas com uma taxa média de ocupação de 5 habitantes por docmicílio, o que evidencia a população urbana em 3250 habitantes, faixa esta que utilizaremos no decorrer do plano. Tendo como limites municipais as localidades de Califórnia, Plácido de Castro, Senador Guiomard, Amazonas e com a República da Bolívia. Distante 33 km de Plácido de Castro, através da Rodovia AC- 401 que interliga o Município de Plácido de Castro à BR 364, altura do Novo Acordo.

ACRELÂNDIA, GEOGRAFIA E HISTÓRIA DE ACRELÂNDIA

Formação Administrativa de Acrelândia

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Acrelândia, pela lei estadual nº 1025, de 28-04-1992, alterado em seus limites pela lei estadual nº 1060, de 09-12-1992, desmembrado dos municípios de Plácido de Castro e Senador Guiomard. Sede no atual distrito de Acrelândia ex-localidade. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1993.

Em divisão territorial datada 2003, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Plácido de Castro, História e Geografia de Plácido de Castro | Acre

Plácido de Castro, História e Geografia de Plácido de Castro | Acre

Plácido de Castro, História e Geografia de Plácido de Castro | Acre

População 2012: 17.340
Área da unidade territorial (Km²): 1.943,249
Densidade demográfica (hab/Km²): 8,86
Gentílico: placidiano

História de Plácido de Castro

Inicialmente o local era uma colocação de seringueiro, passando posteriormente a depósito de seringal São Gabriel, com o nome de Pacatuba. Em 1922 com o crescimento do povoado, surgiu a Vila Pacatuba que logo depois recebeu o nome de Plácido de Castro, em homenagem ao herói da Revolução Acreana.

Seu surgimento deu-se em razão da posição comercialmente estratégica para compra de borracha (hevea brasiliensis) e castanha (bertholletia excelsa) e fornecimento de mercadorias, função de entreposto que concentrava toda produção da rica e vasta região boliviana.

Ultimamente, com o asfaltamento dos 95 quilômetros da AC-40, a população de Rio Branco passou a utilizá-la para passeios. O fluxo de pessoas levou os vizinhos bolivianos a trazerem mercadorias da zona Franca de Cobija para vender aos brasileiros.

O comércio se desenvolveu, dando origem a um povoado estritamente comercial, no território boliviano, margem oposta do rio Abunã. Tal fato refletiu-se no lado brasileiro, estimulando várias atividades comerciais e de serviços, para atender as necessidades dos comerciantes bolivianos e dos turistas brasileiros.

Hoje Plácido de Castro é uma grande atração para turismo de compra.

Formação Administrativa Plácido de Castro

Em divisões territoriais datada de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, figura no município de Rio Branco o distrito de Plácido de Castro.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Plácido de Castro, pela lei constituição estadual de 01-03-1963, desmembrado de Rio Branco. Sede no antigo distrito de Plácido de Castro. Constituído do distrito sede. Instalado em 29-03-1977.

Em divisão territorial datada de I-I-1979, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Marechal Thaumaturgo, História e Geografia de Marechal Thaumaturgo | Acre

Marechal Thaumaturgo, História e Geografia de Marechal Thaumaturgo | Acre

Marechal Thaumaturgo, História e Geografia de Marechal Thaumaturgo | Acre

População: 15.500
Área da unidade territorial (Km²): 8.191,728
Densidade demográfica (hab/Km²): 1,74
Gentílico: thaumaturguense

História de Marechal Thaumaturgo

Marechal Thaumaturgo (1896-1979), que dá nome à cidade é pernambucano, nascido no que é hoje o Município de Igarassú (Região Metropolitana de Pernambuco), que chegou àquela região em 1929 como representante das Forças Armadas, tendo iniciado a criação da primeira comunidade naquelas terras, originando-se, assim, o agora Município de Marechal Thaumaturgo. Seu nome original é João Thaumaturgo de Albuquerque, filho de Epítácio Figueiredo Albuquerque (1867/1932), português e Maria Taumaturgo de Albuquerque (1880/1918), portuguesa, filha de João Fidélis

Taumaturgo e Maria Estelina Silva. O nome de sua mãe é grafado Taumaturgo, mas seu registro foi efetivado como Thaumaturgo, inserindo-se a letra "h". Ele nasceu em 1896 e tinha apenas um irmão que tornou-se padre e também deixou o interior do pernambuco, radicando-se, primeiro em São Paulo e depois no Rio de Janeiro. Seu irmão era o padre Joaquim Taumaturgo de Albuquerque, nascido em 1902 e falecido em 1979. Marechal Thaumaturgo faleceu no mesmo ano do irmão, apesar de nunca mais terem se encontrado.

Formação administrativa de Marechal Thaumaturgo

Distrito criado com a denominação de Thaumaturgo ex-localidade de Zos do Amônia, em 1905, confirmada pelo decreto do Prefeito nº 39, de 11-07-1906, subordinado ao Departamento do Alto Juruá.

Em divisão adminstrativa referente ao ano de 1911, distrito de Thaumaturgo, permanece no Departamento de Juruá.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 43, de 29-03-1938, o distrito de Thaumaturgo deixa de pertencer ao Departamento de Juruá para ser anexado ao município de Cruzeiro do Sul.

Pelo decreto-lei estadual nº 6163, de 31-12-1943, o distrito de Thaumaturgo adquiriu parte do distrito de Foz do Jordão do município Tarauacá ex-Seabra.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o distrito de Thaumaturgo permanece no município de Cruzeiro do Sul.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Marechal Thaumaturgo, pela Constituição estadual de 01-03-1963, desmembrado de Cruzeiro do Sul. Sede no atual distrito Marechal Thaumaturgo ex-Thamauturgo. Constituído do distrito sede.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1968, Thaumaturgo ex-Marechal Thaumaturgo aparece como distrio de município de Cruzeiro do Sul, pois o mesmo fora criado e não instalado.

Pelo decreto estadual nº 73, de 11-06-1976, o distrito de Thaumaturgo passou a denominar-se Marechal Thaumaturgo.

Em divisão territorial datada de 1-1-1979, o distrito de Thaumaturgo, figura no município de Cruzeito do Sul.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1988.

Elevado à categoria de município com a denominação de Marechal Thaumaturgo pela lei estadual nº 1029, de 28-04-1992, alterado em seus limites pela lei estadual nº 1064, de 09-12-1992, desmembrado de Cruzeiro do Sul. Sede no atual distrito de Marechal Thaumaturgo ex-Thaumaturgo. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1993.

Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica distrital

Thamaturgo para Marechal Thaumaturgo, alterado pelo decreto estadual nº 73, de 11-06-1976.

Mâncio Lima, História e Geografia de Mâncio Lima | Acre

Mâncio Lima, História e Geografia de Mâncio Lima | Acre

Mâncio Lima, História e Geografia de Mâncio Lima | Acre

População:16.300
Área da unidade territorial (Km²): 5.453,042
Densidade demográfica (hab/Km²): 2,79
Gentílico: mancio-limense

História de Mâncio Lima

Foram os nordestinos, notadamente os cearenses, os responsáveis pelo desbravamento, povoamento e pelo maior desenvolvimento econômico da Amazônia Ocidental.

Acossados pelo flagelo das secas e embalados pelo sonho de enriquecer facilmente com o extrativismo da borracha, produto fabricado do leite da árvore milagrosa, eles vinham aos milhares. E mesmo ao defrontando com a realidade do mundo hostil e selvagem da floresta amazônica, totalmente diferente do que conheciam, embrenharam-se nas matas semeando a civilização; abrindo clareiras e povoados que mais tarde se transformaram colônias agrícolas, vilas e cidades.

Seringueiros ou agricultores foram eles os heroicos e anônimos pioneiros que com o sacrifício da própria vida, desbravaram e conquistaram a Amazônia, ligando-a às gerações futuras com todo o seu imenso potencial de riquezas naturais.

Mâncio Lima não foi diferente. Numa imensa região banhada pelo Rio Moa e afluentes, cortada por paranás, igarapés e igapós, fixou-se um grande número de nordestinos predominando entre eles os cearenses.

Formação Administrativa de Mâncio Lima

Mâncio Lima nasceu de um povoado denominado "Vila Japiim", elevada em 1913 pelo Capitão Regos Barros. Também foi o nome do povoado que deu origem ao município de Mâncio Lima

Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, figura no município de Juruá o distrito de Mâncio Lima.

Pelo decreto territorial nº 43, de 29-03-1938, transfere o distrito de Mancio Lima do município de Juruá para o de Cruzeiro do Sul.

Pelo decreto-lei Federal nº 968, de 21-12-1938, o distrito de Mâncio Lima passou a denominar-se Japuim.

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o distrito de Japuim, figura no município de Cruzeiro do Sul.

Pelo decreto territorial nº 147, de 17-03-1944, o distrito de Japuim passa a ser grafado Japiim.

Em divisão territorial datada de I-VII-1950, o distrito de Japiim, figura no município de Cruzeiro do Sul.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1960.

Elevado à categoria de município com a denominação Mancio de Lima, pela Constituição estadual de 01-03-1963, desmembrado de Cruzeiro do Sul. Sede no antigo distrito de Japiim, atual Mancio Lima .

Em 14 de maio de 1976 foi assinada a Lei nº 588, que elevou oficialmente Mâncio Lima à categoria de Município. Apenas em 30 de Maio de 1977 Mâncio Lima conquistou sua autonomia e emancipação com a posse do primeiro Prefeito.

Constituído do distrito sede. Instalado em 30-05-1977.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1968, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alterações toponímicas distritais

Mâncio Lima para Japuim alterado, pelo decreto-lei Federal nº 968, de 21-12-1938.

Japuim para Japiim, teve sua grafia alterado, pelo decreto territorial nº 147, de 17-03-1944.

Japiim para Mâncio Lima alterado, pela Constituição estadual de 01-03-1963.

Transferência distrital

Pelo decreto territorial nº 43, de 29-03-1938, transfere o distrito de Mancio Lima do município de Juruá para o de Cruzeiro do Sul.

Tarauacá, História e Geografia de Tauaracá | Acre

Tarauacá, História e Geografia de Tauaracá | Acre

Tarauacá, História e Geografia de Tauaracá | Acre

População: 38.500
Área da unidade territorial (Km²): 20.171,019
Densidade demográfica (hab/Km²): 1,76
Gentílico: Tarauacaense

História de Tarauacá

A região era habitada por índios Cachinauás e Jaminauas, às margens dos Rios Tarauacá e Murú. Tarauacá é nome indígena e significa "rios dos paus ou das tronqueiras".

Por volta de 1877, ocorreu a emigração de nordestinos para formação e exploração de Seringais Nativos. Em 1899 um grupo de emigrantes chega na confluência dos rios Murú com o Tarauacá, fundando o Seringal Foz do Murú, sendo a partir daí, ponto de partida para exploração nos altos rios. Dentre os nordestinos que ali aportaram, destacam-se: José João e Antonio Marques de Albuquerque, Patronilo de Albuquerque, Joaquim Gonçalves de Freitas, Manoel Pereira Cidade, Francisco de Oliveira, João Lopes Ibiapina, Joaquim, Antonio e Alexandre Teixeira de Souza, Antonio Ferreira Lima Manoel Paixão de Albuquerque, Ernesto Nunes Serra e Francisco Caetano de Lima.

Com o Tratado de Petrópolis em 17 de novembro de 1903, as terras da região passaram para a União. Já em 1904 com a primeira divisão territorial-administrativa do Acre, as terras passam para o Departamento do Alto Juruá. Em 1º de janeiro de 1907, a Foz do Murú é elevada a categoria de Vila, com a denominação de Seabra. Em 1912 desmembra-se, sendo constituído o Departamento do Tarauacá, criado pelo Decreto nº 9831, e instalado em 19 de abril de 1913. Seu primeiro Prefeito foi o Coronel Antonio Nunes de Alencar. No mesmo Decreto foi criado o Município do mesmo nome, o qual foi instalado em 24 de abril de 1913.

Formação administrativa de Tarauacá

Elevado à categoria de vila com denominação de Seabra. Pelo decreto municipal de 01-01-1907, desmembrado de Alto Juruá. Sede na localidade de Foz do Muru. Instalado em 24-04-1913.

Pelo decreto federal nº 9831, de 23-10-1912, a sede da vila passa ter a denominação de Seabra.

Pela Resolução nº 15, de 14-05-1913, o prefeito do Departamento do Taraucá dividiu este departamento em 15 distritos: Vila Seabra, Seringal Itaparico (transferido para o Seringal ocidente, pela Resolução 39, de 15-05-1914) e Foz do Salvador. Com sede respectivamente, em Foz do Juruparai, Vila Feijó, Seringal Riachuelo (transferido para o Seringal de Bom Sucesso. Pela Resolução nº 38, de 15-05-1914), Seringal Porongaba, Porto Rubim, Bom Princípio e Seringal Cruzeiro.

Pelo decreto federal nº 14.383, de 01-10-1920, manteve o município com a denominação Taruacá e elevou a sede Seabra à categoria de cidade. Com sua denominação de Tarauacá.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município se denomina Tarauacá.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1936, o município aparece constituído de 16 distritos: Tarauacá, Universno, Foz do Janinavá, Foz do Jordão, Vitória, Paraíso, Ocidente, Foz Salvador, Santa Fé vila Feijó, Foz do Juruá Peri, Bom Sucesso, Porancaba, Porto Jobim Liberdade e Cruzeiro.

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município aparece constituído de 7 distritos: Tarauacá, Bom Futuro, Nalare, Ouro Preto, São Salvador, Universo e Foz do Jordão.

Senador Guiomard, História e Geografia de Senador Guiomard | Acre

Senador Guiomard, História e Geografia de Senador Guiomard

Senador Guiomard, História e Geografia de Senador Guiomard | Acre

População: 21.300
Área da unidade territorial (Km²): 2.321,452
Densidade demográfica (hab/Km²): 8,69
Gentílico: Guiomaense

História de Senador Guiomard

A história da região que hoje forma o município de Senador Guiomard, tem origem na localidade que se constituía de dois seringais, o Quinari e o Grande Quinari, na época explorada pelo seringueiro Raimundo Câmara.

Em 1950, quando então era governador do território do Acre, o general Guimard dos Santos e Secretário-Geral do governo, o coronel Manoel Fontanelle de Castro, efetuaram a compra de uma grande extensão de terras, que compreendiam parte dos seringais Santa Maria, Nilcióy e Missão.

A aquisição da área de terra se destinava ao assentamento de famílias oriundas do nordeste brasileiro, de família japonesas vindas do oriente, e mais cinquentas famílias de nipônicos (japoneses que se deslocaram de São Paulo para a nova terra).

Toda esta estrutura montada na ocasião, tinha como objetivo criar e implantar o núcleo de Quinari, o que de fato aconteceu. Em meados do ano de 1950 para 1951, o núcleo foi transformado em vila, pertencendo à capital Rio Branco.

Formação administrativa de Senador Guiomard

Elevado à categoria de município com a denominação de Senador Guiomard, pela constituição estadual de 01-03-1963, desmembrado de Rio Branco. Sede no atual distrito de Senador Guiomard. Constituído do distrito sede. Instalado em

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.