Mostrando postagens com marcador Botânica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Botânica. Mostrar todas as postagens

Cebola (Allium cepa)

Cebola (Allium cepa)

Cebola (Allium cepa)
A Cebola (Allium cepa), também cebola-fumaça, Bolle, Zipolle, cebola, cebola de cozinha, cebola de jardim, cebola de verão, casa cebola ou cebola comum chamado, é um tipo de planta do tipo alho-poró (Allium).

O termo cebola denota tanto a espécie vegetal quanto seu órgão típico de armazenamento, que também é formado por outras espécies de plantas. Na linguagem coloquial, o significado exato é freqüentemente ignorado. Na botânica, deve ser sempre claro se a espécie Allium cepa ou um órgão vegetal é mencionado.

A cebola é uma planta herbácea perene, que geralmente é mantida em cultura, mas com apenas um ou dois anos de idade e depois colhida. Seu eixo principal permanece até a formação da flor comprimida em uma estrutura plana em forma de disco, que é chamada fatia de cebola ou Zwiebelkuchen. O disco meristema apical em cima da cebola leva, na sua periferia, alternadamente em frente, e, portanto, aparentemente duas linhas (após terminologia botânica mas basal), cerca de 10 a 15 séssil claramente articulada na parte inferior e a folha superior deixa para trás. As folhas inferiores são quase branco com veias verde, bainhas das folhas em forma semelhante, e abraçam estreitamente de modo que formam, na sua parte superior, uma sessão de alguns centímetros de comprimento conta, no carnuda parte inferior engrossa o conhecido "cebola", como um órgão de armazenamento. As folhas superiores verdes puras fundem-se a tubos com uma ponta fechada, que são ocos e aproximadamente ovais em secção transversal. Seu arranjo de células é o de uma lâmina bifacial, a parte externa do tubo corresponde ao topo.

Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)

São dados os requisitos biológicos para a formação de flor, normalmente, apenas a partir da segunda estação de crescimento, a cebola fatia esticada para um 20 a 120 cm de comprimento, não-folheamento, circular Infloreszenzschaft secção transversal Röhrig-oco que aparece abaulamento distendido na parte inferior. O meristema apical permanece na ponta e não forma mais folhas novas. A inflorescência é um Scheindolde quase esférico de 20 a mais de 100 flores individuais, que ainda são envolvidas por uma bráctea antes de florir. As flores são perseguidas de 20 a 40 mm de comprimento, suas brácteas são esbranquiçadas com nervo mediano verde.

A formação de flores pressupõe que a planta primeiro desenvolveu um certo número de folhas e também foi exposta a baixas temperaturas por algum tempo até o final do período de vegetação anterior ou durante o período de descanso. No cultivo de plantas, esses processos são chamados de vernalização. A temperatura necessária e sua duração de ação dependem da variedade e da massa seca de cada cebola. Em variedades comerciais da Europa Central espera-se que seja cerca de 6 ° C durante pelo menos duas semanas. Temperaturas relativamente altas durante o período de descanso podem destruir uma flor já iniciada. Isso é usado no cultivo de rendimento quando a floração é indesejável.

O armazenamento de nutrientes e, portanto, a formação do órgão de armazenamento é determinado pelo fotoperíodo, d. h., Ele vem apenas em uma determinada proporção de duração do dia e da noite em movimento. Em adaptação às condições correspondentes de diferentes latitudes geográficas, a reprodução levou à diferenciação nos chamados locais de longo dia e de dia curto. Estes termos não são sinónimo das chamadas plantas de dia longo e curto da terminologia biológica, que é toda sobre a formação de flores. Se os requisitos de exposição de cada variedade não forem cumpridos, a planta bulbosa pode produzir folhas, flores e sementes, mas nenhuma cebola ou apenas subdesenvolvida.

O órgão de armazenamento é classificado pela botânica como um bulbo de concha, porque é composto de partes de folhas normais, em contraste com bulbos quadrados, que emergem de Niederblättern. Além das folhas totalmente treinadas, no entanto, vem a cebola da cozinha também aquelas que consistem apenas na folha inferior. Como resultado, o número de conchas encontradas em uma cebola é geralmente maior que o das folhas anteriormente prontamente visíveis. Entre as abordagens de folha ou casca, d. h. axilarmente, na superfície do disco de cebola, também são criados um ou mais botões, que continuam a crescer na próxima estação de crescimento, usando os nutrientes armazenados nas tigelas do ano anterior. As cascas cortadas secam em peles finas como papel, que duram muito tempo e formam uma casca protetora em volta da nova cebola.

A criação também adotou esse recurso e o orientou para o fato de que a cebola "comum" da cozinha forma o máximo possível apenas um botão de renovação e, portanto, uma simples cebola. Nas variedades chamadas chalotas, no entanto, vários botões e, portanto, cebolas filhas são desejáveis ​​porque são necessários para a propagação vegetativa.

A cebola é uma das culturas mais antigas da humanidade e é cultivada há mais de 5000 anos como planta medicinal, de especiarias e vegetais. Nos antigos egípcios, as cebolas eram oferecidas aos deuses como oferendas, eram uma espécie de meio de pagamento para os trabalhadores empregados no edifício da pirâmide e eram os mortos como forma de acabar com a comida para a jornada até a vida após a morte. Os restos de cebolas encontrados no túmulo de Tutancâmon testemunham isso. Um cuneiforme sumério com mais de 4.000 anos de idade contém campos de pepino e cebola, e o Codex de Hammurapi define pão e cebola para os pobres.

Entre as cebolas romanas havia um dos alimentos básicos, especialmente os menos abastados. Foram também os legionários romanos que espalharam a "cepula" (da qual, através do alemão médio alto "zwibolle", em última análise, a palavra alemã "cebola") na Europa Central. Aqui eles se tornaram um dos tipos mais comuns de vegetais, foram permitidos em todas as mesas e servidos na Idade Média como um amuleto contra a peste. A partir do século XV, os Países Baixos começaram a cultivar variedades de diferentes formas, cores e sabores.

A cebola é uma cultura muito varietal. entre outras, as variedades Red Brunswick '(rotfleischig),' Stuttgarter Riesen '(branco polpa) e são conhecidos em língua alemã' Zittau Amarelo Gigante "(branco polpa).

Na Alemanha, a cebola é cultivada especialmente na sombra da chuva do Harz, perto de Frankenthal (Pfalz), Bamberg e Erfurt. Prefere solos leves ou arenosos, bem como solo loess em um local ensolarado e quente. O solo deve ser assentado e bem esfarelado, razão pela qual o preparo do solo (por exemplo, escavação ou aragem) já no outono anterior deve ocorrer. Além disso, o solo não deve conter estrume sem esmagamento e deve ser fertilizado com nitrogênio apenas moderadamente, pois as cebolas, caso contrário, ficarão sujas e desenvolverão muita folhagem, em detrimento da formação de cebola. No cultivo comercial de cebola, portanto, uma fertilização nitrogenada excessiva já é dispensada para o Vorfrucht.

De acordo com o método de cultivo, é feita uma distinção entre "cebolas de verão" e "cebolas de inverno". lâmpadas de verão (as cebolas cozinhar reais) são semeadas no início da primavera ou em Cultura conjuntos cebola, ligado e colhida de agosto a outubro, em particular variedades posteriores de consistência sólida são até março do ano seguinte armazenável. As cebolas de inverno um pouco mais suculentos e mais leves - disse melhor invernada cebola cultivados - são semeadas em agosto, madura na próxima primavera e pode ser colhida a partir de junho, mas são apenas um curto período de tempo armazenável.

O também referido como cebola de inverno Allium fistulosum é outra planta que difere da cebola cozinha em muitas propriedades, u. a. por seus órgãos de armazenamento muito mais discretos. No entanto, ambos os tipos podem ser processados ​​em "cebolas de prata".

O cultivo da cebola como uma cebola de verão para fins alimentícios pode ser feito tanto em um processo de um ano por semeadura direta quanto em um processo de dois anos por plantio ("entupimento") de cebola. As cebolas são pequenas, cerca de cebola do tamanho de avelã, que foram obtidas por semeadura particularmente próxima no ano anterior. Para que as plantas de cebola cultivadas a partir de bulbos de cebola não tendem a atirar (floração), elas são submetidas após a colheita a um armazenamento quente de três a quatro semanas (Darre) a temperaturas de 30 a 40 ° C. Como regra, as cebolas são compradas através do comércio de sementes.

A semeadura da cebola é realizada com uma profundidade de semeadura de aproximadamente 1 a 2 cm e distâncias de cerca de 25 a 40 cm em solo seco de março a início de abril. O tamanho das cebolas maduras pode ser decisivamente influenciado pela densidade populacional. Por exemplo, um espaçamento de plantas na gama de cerca de 4 a 5 cm é desejado, de modo a que cerca de 80 a 120 plantas podem desenvolver por metro quadrado para a produção de bolbos de médias na semeadura com espaçamentos de 25 cm. As cebolas da porca estão prontas para a colheita entre agosto e outubro, dependendo da data de semeadura, variedade e região de cultivo.

O ajuste da cebola é feito em intervalos semelhantes a uma profundidade de cerca de 4 cm, de modo que o topo ainda é apenas para ver, também em março ou abril. Cebolas cultivadas a partir de cebolas estão prontas para colheita mais cedo, a partir de julho. O clima seco e ensolarado do final do verão na época da colheita é crucial para a vida útil e o prazo de validade das cebolas colhidas. O armazenamento deve ocorrer em condições secas, frescas e arejadas. Cebolas cultivadas na cebola são menos duráveis ​​do que cebolas semeadas.

Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)
Cebola (Allium cepa)

Timbó (Derris negrensis)

Timbó (Derris negrensis)

#Timbó (Derris negrensis)O sumo do timbó era de uso corrente entre os indígenas brasileiros, misturado à lama em lugares de pouca correnteza, para aturdir ou matar os peixes sem, no entanto, tornar sua carne tóxica para seres humanos.

Timbó é o nome que se dá a numerosas plantas, na maioria leguminosas e sapindáceas, todas ictiotóxicas em maior ou menor grau, em virtude do alcalóide timboína. A pesca com o timbó tem o inconveniente de dizimar os cardumes, pois o veneno que atordoa os peixes maiores mata os miúdos ou filhotes.

Dentre os timbós da família das leguminosas são mais conhecidas as espécies amazônicas timbó-açu (Derris negrensis), grande cipó; o timbó-de-caiena (Tephrosia toxicaria), erva que cresce às margens dos rios; o timbó-macaquinho (Lonchocarpus nicou), cipó encontrado em capoeiras e cultivável; e o timbó-catinga ou timbó-venenoso (Lonchocarpus floribundus). De algumas espécies de timbós dos gêneros Derris e Lonchocarpus, chamados genericamente timbós-urucus, extrai-se a rotenona, substância tóxica extremamente ativa sobre animais poiquilotermos e empregada como inseticida.

A família das sapindáceas inclui inúmeros cipós, principalmente aos gêneros Paullinia e Serjania. À mesma família pertence também a Magonia pubescens, grande árvore do Centro-Oeste e Nordeste conhecida como tingui-açu, assa-peixe, tingui e timbó-do-cerrado, cujas sementes envenenam a água ao cair.

www.klimanaturali.org

Buganvília (Bougainvillea spectabilis)

Buganvília (Bougainvillea spectabilis)

#Buganvília (Bougainvillea spectabilis)

Trepadeira da família das nictagináceas, não raro de porte arborescente, a buganvília (Bougainvillea spectabilis) é nativa do Brasil. Em condições naturais, a tendência da planta é alastrar-se, mas a forma de árvore, com galhos eretos e tronco de até meio metro de grossura, pode ser induzida por meio de podas repetidas, enquanto o crescimento se perfaz.   Chamada também de três-marias, primavera, ceboleiro, sempre-lustrosa e rosa-do-mato, a buganvília recebeu esse nome em homenagem ao francês Louis-Antoine de Bougainville. Em suas viagens de exploração pela América do Sul, ele esteve no Rio de Janeiro em 1763 e teria levado a planta para a Europa.

Vermelhas, roxas, cor de tijolo ou brancas, as brácteas da buganvília -- folhas modificadas que, em grupos de três, crescem ao redor de suas flores discretas -- tornaram-na estimada em todo o mundo como planta ornamental.

A buganvília se multiplica por estacas, processo que em geral se leva à prática na época da brotação anual (agosto-setembro). Quando encontra condições ideais, um solo com bom teor de umidade e rico em matérias orgânicas decompostas, essa trepadeira cresce com rapidez e já por volta do terceiro ano é capaz de florir e emitir suas brácteas.

www.klimanaturali.org

Gerânio, Planta do Gênero Pelargonium

Gerânio, Planta do Gênero Pelargonium


De cultivo tradicional em jardineiras ou vasos, o gerânio se distingue pela floração abundante e pelo odor intenso, concentrado nas folhas, que se utiliza na produção de perfumes, sabonetes e cremes.

Planta do gênero Pelargonium, da família das geraniáceas, nativa da África, o gerânio cultivado em jardinagem pertence, na quase totalidade, a variedades híbridas. A designação Geranium aplica-se a um gênero aparentado, que inclui cerca de 300 espécies silvestres, conhecidas como bicos-de-grou.

Herbáceos ou, mais raramente, lenhosos, os gerânios do gênero Pelargonium crescem até um metro de altura, com folhas grossas, arredondadas ou com recortes profundos. As flores, brancas, vermelhas, cor-de-rosa ou violeta, se agrupam em cachos vistosos. São comuns híbridos de cores mistas, bem como os de flores dobradas, franjadas ou franzidas.

A propagação, viável por sementes, é feita quase sempre a partir de estacas de galho que enraízam entre 15 e 30 dias e devem ser transferidos para a terra na época de vegetação ativa que antecede a primavera. Bem adubados e expostos a algumas horas de sol, de preferência de manhã para que as folhas não se queimem, podem florir em três ou quatro meses.

www.klimanaturali.org

Urtiga (Urtica dioica)

Urtiga (Urtica dioica)

#Urtiga (Urtica dioica)

Quando penetram na pele, os pêlos pontiagudos que revestem as folhas e os ramos da urtiga facilmente se quebram, liberando uma substância ácida que provoca fortes coceiras. A intensidade dos efeitos varia, conforme a quantidade de substância injetada e a susceptibilidade da pessoa atingida. Não são raros os casos de grave empolamento da pele.

Urtiga é o nome que se dá especialmente a duas espécies do gênero Urtica, plantas da família das urticáceas originárias da Europa mas dispersas por todo o mundo, inclusive no Brasil. A urtiga-maior (Urtica dioica) atinge cerca de um metro. Suas folhas são grandes, opostas, afiladas na ponta e com as bordas bem denteadas. As flores masculinas e femininas dão em pés diferentes: esta é a principal característica a distingui-la da urtiga-menor (Urtica urens), de menos de meio metro de altura e com folhas menores, na qual as flores dos dois sexos se agrupam em um mesmo pé e nos mesmos cachos.

Ricas em cálcio, potássio e ferro, essas duas urtigas figuram desde a antiguidade entre as plantas medicinais. A urtiga-menor, em especial, é usada em homeopatia contra a urticária e outras afecções da pele. O nome aplica-se ainda a outras plantas urticantes, sejam ou não da mesma família, como a urtiga-branca (Lamium album), a urtiga-brava ou urtigão (Urera baccifera) e a urtiga-cansanção (Jatropha vitifolia).

www.klimanaturali.org

Tundra, Vegetação Típica das Regiões Polares

Tundra, Vegetação Típica das Regiões Polares

#Tundra, Vegetação Típica das Regiões Polares
Tundra em Nunavut - Groenlândia
Nas regiões polares, onde os dias e noites são extremamente longos, o ritmo biológico tende a acompanhar mais as variações de temperatura do que a quantidade de luz solar aproveitável no processo de fotossíntese. A tundra é o organismo vegetal mais adaptado a essas condições.

Tundra é a vegetação herbácea encontrada nas regiões polares (tundra ártica) e em montanhas muito altas (tundra alpina), na qual predominam gramíneas, ciperáceas e vários subarbustos, sob os quais uma série de musgos e liquens revestem o solo. O conjunto atinge 15 a 30cm de altura, em média. Os raros arbustos não ultrapassam um metro de altura. A variedade de tundra alpina coloniza as altas montanhas da zona temperada, acima do nível atingido pelas árvores. O clima da tundra é mais rigoroso nas regiões polares, onde as temperaturas variam de 4o C, no verão, a -32o C, nos meses de inverno. O clima de tundra alpina é mais ameno, com invernos moderados em que as mínimas não ultrapassam os -18o C.

A tundra ártica se estende pelo extremo setentrional da América, Europa e Ásia. O solo está sempre congelado (permafrost) até centenas de metros de profundidade. Somente uma fina camada superficial degela durante o verão ártico, período em que a vegetação se desenvolve. O clima de tundra ocorre também nas terras polares da América do Sul, Terra do Fogo e regiões da Antártica que não estão permanentemente cobertas de gelo.

Os animais característicos da tundra ártica são o urso polar e a raposa, o lobo, a lebre e a doninha do Ártico. Muitos desses animais desenvolvem uma pelagem branca durante os meses de inverno como camuflagem. Também estão adaptados a esse ecossistema grandes herbívoros como o caribu, o boi-almiscareiro e a rena.

A tundra alpina forma-se nas regiões em que a altitude excessiva impede o crescimento de árvores. Embora as temperaturas médias costumem ser muito baixas, o subsolo não fica congelado o ano inteiro. Predominam pequenos arbustos e plantas herbáceas, exceto nos cumes mais altos, onde se desenvolvem somente musgos e liquens. A variedade de espécies animais é limitada e apenas parcialmente adaptada ao ambiente invernal. Carneiros e cabritos monteses, camurças, gatos selvagens e diversas aves descem para áreas mais quentes em busca de alimento no inverno. Marmotas e esquilos consomem grande quantidade de vegetação no verão e no início do outono, para depois hibernarem.

www.klimanaturali.org

Tulipa (Tulipa gesneriana)

Tulipa (Tulipa gesneriana)

#Tulipa (Tulipa gesneriana)

Tulipa é a designação comum a diversas plantas bulbosas pertencentes à família das liliáceas, do gênero Tulipa, que conta com cerca de cem espécies. A planta tem raiz em forma de bulbo, da qual se ergue um talo, em geral único, terminado em flor com aspecto de campânula. Suas folhas lanceoladas, duas ou três, despontam na base do caule. A fruta da tulipa é uma cápsula com muitas sementes.

Nativa da Europa e da Ásia, a tulipa deve sua denominação ao termo turco que significa turbante, com o qual foi identificada por jardineiros otomanos.

A planta é apreciada em horticultura pelo colorido atraente e variado e pela facilidade de cruzamento entre suas variedades. Dentre as quatro mil variedades de tulipa desenvolvidas destacam-se a vermelha (Tulipa gesneriana), a mais comum; a perfumada, vermelha e amarela (Tulipa suaveolens), típica do sul da Europa; e a silvestre (Tulipa clusiana).

O início da indústria da tulipa na Europa deu-se em 1562, quando um navio oriundo de Constantinopla, atual Istambul, chegou a Antuérpia com uma carga de bulbos da espécie. Entre 1633 e 1637, período conhecido por tulpenwoede (tulipomania), o preço do bulbo nos Países Baixos foi motivo de tamanha especulação que acabou em desastre econômico para muitas famílias holandesas. A planta garantiu, porém, a sobrevivência de milhares de holandeses durante a ocupação alemã na segunda guerra mundial. Embora embeleze os jardins de muitos países do mundo, a tulipa é especialmente abundante nos Países Baixos (Holanda), onde se tornou um dos principais produtos de exportação e foi elevada à honra de símbolo nacional.

www.klimanaturali.org