Mostrando postagens com marcador Serra Leoa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Serra Leoa. Mostrar todas as postagens

Serra Leoa | Mapas Geográficos da Serra Leoa

Serra Leoa | Mapas Geográficos da Serra Leoa

Serra Leoa, oficialmente a República da Serra Leoa, é um país da África Ocidental. Faz fronteira com a Guiné, a norte e a leste, a Libéria a sudeste e o Oceano Atlântico a sudoeste e a oeste. Serra Leoa ocupa uma área total de 71.740 km2 (27.699 sq mi) e tem um clima tropical, com um ambiente diversificado que vai de savana a floresta tropical. Freetown é a capital, sede do governo e maior cidade.
Serra Leoa está localizada na costa oeste da África, ao norte do equador. Com uma área de terra de 71.740 quilômetros quadrados (27.699 milhas quadradas). Serra Leoa faz fronteira com a Guiné ao norte e nordeste, Libéria ao sul e sudeste, e o Oceano Atlântico a oeste.


www.geografiatotal.com.br
www.klimanaturali.org

Serra Leoa | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos de Serra Leoa

Serra Leoa | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos de Serra Leoa


Geografia – Área: 71.740 km². Hora local: +3h. Clima: equatorial chuvoso. Capital: Freetown. Cidades: Freetown (914.000) (aglomeração urbana), Koidu-Sefadu (110.000), Bo (75.000), Kenema (70.000).

População – 6,5 milhões; nacionalidade: leonesa; composição: mendes 34,6%, temnes 31,7%, limbas 8,4%, conos 5,2%, bulones 3,7%, peules 3,7%, corancos 3,5%, ialuncas 3,5%, quisis 2,3%, outros 3,4%. Idiomas: inglês (oficial), crioulo, mende, limba, temne. Religião: islamismo 45,9%, crenças tradicionais 40,4%, cristianismo 11,5%, sem religião 2%, outras 0,3%. Moeda: leone.

Relações Exteriores – Organizações: Banco Mundial, Comunidade Britânica, FMI, OMC, ONU, UA. Embaixada: 1701, 19th Street NW, Washington D.C. 20009, EUA.

Governo – República presidencialista. Div. administrativa: 4 regiões. Partidos: do Povo de Serra Leoa (SLPP), Congresso de Todo o Povo (APC), da Paz e da Libertação (PLP) e da Frente Revolucionária Unida (RUFP). Legislativo: unicameral – Parlamento com 112 membros. Constituição: 1991.

Situada na costa oeste africana, Serra Leoa possui montanhas no norte e no leste, onde ficam as áreas de extração de diamante, a principal atividade econômica do país. O turismo – cujo atrativo são as reservas de animais selvagens – sofre os efeitos negativos dos recentes conflitos internos. A maioria da população pertence a duas etnias: os temnes, seguidores do islamismo, e os mendes, em geral animistas. Serra Leoa é uma das nações mais pobres do mundo e tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano. Na década de 1990, o país mergulhou na guerra civil entre o governo e a Frente Revolucionária Unida (RUF), que obtinha recursos para comprar armas explorando as minas de diamante sob seu controle. Em 2001, governo e guerrilheiros chegam a acordo de paz, com a presença no país de tropas da Organização das Nações Unidas (ONU).

SERRA LEOA - ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIAIS DE SERRA LEOA

História de Serra Leoa

Bandeira  de Serra LeoaEm meados do século XV, os portugueses chegam à região, então habitada pelos temnes, com os quais passam a comerciar escravos. O território é ocupado pela Inglaterra no século XVII. Em 1786, uma companhia comercial britânica funda a cidade de Freetown (cidade livre), que recebe ex-escravos refugiados do Canadá e do Reino Unido. No início do século XIX, a Coroa Britânica adquire parte do território, transformando-o em colônia. Após a proibição do tráfico de escravos, em 1807, milhares de africanos interceptados em navios negreiros são levados a Serra Leoa, onde passam a enfrentar os temnes, numa luta que se prolonga até o fim do século XIX. Apoiados pelos ingleses na luta contra os nativos, os ex-escravos compõem a elite do país. Em 1960, sir Nilton Margai, secretário do Partido do Povo de Serra Leoa (SLPP), que lutava pela independência, torna-se o primeiro-ministro, mas mantém os laços com o Reino Unido. A independência, obtida em 1961, não traz grandes alterações à política da nação. A situação se transforma em 1967, quando Siaka Stevens, do Congresso de Todo o Povo (APC), torna-se primeiro-ministro. No mesmo ano, ele é derrubado por um golpe militar, mas um contragolpe em 1968 o reconduz ao poder. Em 1971, Stevens rompe definitivamente os laços com os britânicos, proclamando a República e tornando-se presidente.

Freetown, a Capital de Serra Leoa
Freetown, a Capital de Serra Leoa
Redemocratização – Um regime de partido único é aprovado em plebiscito em 1978. Em 1985, Joseph Saidu Momoh, ministro de Stevens, toma o poder em meio à grave crise política e econômica. Uma nova Constituição, aprovada em plebiscito, marca a redemocratização em 1991. No ano seguinte, porém, novo golpe leva o capitão Valentine Strasser ao poder. Começa, no sudeste do país, a guerrilha da Frente Revolucionária Unida (RUF), que assume o controle de parte do território. Strasser é deposto em janeiro de 1996 pelo chefe das Forças Armadas, Julius Maada Bio. Eleições e guerra civil Eleições realizadas em 1996 dão vitória ao SLPP, que havia dominado a vida política entre 1961 e 1967. Seu líder, Ahmed Tejan Kabbah, torna-se presidente. O primeiro governo civil em quase duas décadas inicia diálogo com a guerrilha. Em maio de 1997, um golpe militar liderado pelo major Jonny Paul Koroma – aliado da RUF – depõe Kabbah. Forças de paz da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas) intervêm no país e conseguem derrubar Koroma em fevereiro de 1998. Kabbah volta a Serra Leoa e reassume o governo, mas no fim do ano as tropas rebeldes tomam a capital. A RUF lança campanha de terror contra a população civil, promovendo amputações em massa. Um acordo de paz assinado em 1999 leva o novo líder dos rebeldes, Foday Sankoh, à Vice-Presidência. A ONU anuncia, em outubro, o envio de 6 mil soldados de uma força internacional (Unamsil) para garantir a pacificação. Em 2000, contudo, reiniciam-se os combates, com o seqüestro de 500 integrantes da Unamsil pela RUF. A ONU decide dobrar o contingente da força de paz. O Exército de Serra Leoa parte para a ofensiva, e Sankoh é preso na capital. Issa Sesay assume a liderança dos rebeldes, e os combates se intensificam.

Em março de 2001, os ministros da RUF são presos. A ONU decide ampliar a Unamsil para até 17,5 mil homens, tornando-se a maior força de paz do mundo. Em maio, o governo e os rebeldes chegam a um acordo de paz. Nos meses seguintes, a Unamsil vai desarmar 70 mil combatentes das forças pró e contra o governo. Em dez anos, a guerra civil matou 50 mil pessoas.

Pós-guerra – No começo de 2002, Kabbah anuncia, com a ONU, a instalação de um tribunal de crimes de guerra. O Fundo Monetário Internacional (FMI) anula 80% da dívida externa (950 milhões de dólares) e reescalona o pagamento do resto. Kabbah é reeleito presidente, com 70% dos votos. Em 2003, o tribunal da ONU anuncia o indiciamento de 13 líderes dos dois lados em conflito por crimes de guerra. Entre eles, um ministro de Estado e o líder da RUF, Foday Sankoh, que morre em julho, de causa natural. O presidente Kabbah declara em agosto que não sabia das atrocidades das milícias pró-governo. A nação realiza, em maio de 2004, suas primeiras eleições locais em mais de três décadas. No mês seguinte, o tribunal de guerra inicia os julgamentos, mas, até o fim do ano, não chega a nenhum veredicto. A ONU reduz progressivamente seu contigente no país, passando a segurança de Freetown para as mãos das forças do governo, em setembro, e mantendo 5 mil soldados no país em dezembro de 2004.


www.geografiatotal.com.br
www.klimanaturali.org