Calabar, o Elogio da Traição | Chico Buarque e Ruy Guerra

Calabar, o Elogio da Traição | Chico Buarque e Ruy Guerra

Calabar, o Elogio da Traição | Chico Buarque e Ruy Guerra
" Mathias (falando com emoção, permanecendo o fundo musical de melosas guitarras) Sabe, no fundo eu sou um sentimental. Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo. Além da sífilis, é claro. Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar, meu coração fecha os olhos e, sinceramente, chora.

Mathias (cantando)
Com avencas na caatinga,
Alecrins no canavial
Licores na moringa,
Um vinho tropical} .
E a linda mulata,
Com rendas do Alentejo,
De quem, numa bravata,
Arrebato um beijo.
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal.}

Mathias (declamando, sempre acompanhado de guitarras)
Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto.
De tal maneira que, depois de feito,
Desencontrado eu mesmo me contesto.

Se trago as mãos distantes do meu peito,
É que há distância entre intenção e gesto.
E se meu coração nas mãos estreito,
Me assombra a súbita impressão de incesto.

Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadura à proa,
Mas o meu peito se desabotoa.

E se a sentença se anuncia bruta,
Mais que depressa a mão cega executa
Pois que senão o coração perdoa.

No decorrer do soneto, Mathias foi desabotoando as calças e arreando-as. Agora, para a última parte do fado, ele vai-se sentando na latrina ao lado do Holandês, que permanece na penumbra."

www.megatimes.com.br

www.klimanaturali.org