Iatismo | História do Iatismo

Tags

Iatismo | História do Iatismo

Iatismo | História do IatismoEsporte organizado pela Federação Internacional de Iatismo (Isaf), no mundo, e pela Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM), no Brasil, o iatismo faz parte dos Jogos Olímpicos desde 1900. Para a disputa das categorias, os barcos são divididos em classes, segundo o formato, as especificações técnicas e o número de tripulantes. As classes que participam das Olimpíadas são: Finn, 470, 49er, Soling, Tornado, Europa, Mistral (prancha a vela), Star e Laser. A Europa é disputada só por mulheres; a 470, por duplas masculinas e femininas; e a Mistral, por homens e mulheres. As provas variam de regatas de pequena distância a travessias oceânicas. As regatas mais famosas são as de Newport (EUA) às Bermudas; de San Francisco (Califórnia) a Honolulu (Havaí); de Buenos Aires ao Rio de Janeiro; de Sydney (Austrália) a Hobart (Tasmânia); e a The Volvo Ocean Race (antes conhecida como Whitbread), disputada em várias etapas ao redor do mundo. Cada classe concorre em sete provas, e o pior resultado é desprezado. O primeiro colocado fica com 0 ponto. Vence quem somar menos pontos.

No Brasil - O Brasil tem tradição em duas classes do esporte: Laser e Star.

História - A primeira competição de iatismo acontece em 1661, na Inglaterra, mas só é reconhecido como esporte a partir do século XVIII. Em 1932 passa a integrar as Olimpíadas. A entidade que controla o iatismo no mundo é a Federação Internacional de Iatismo (ISAF). No Brasil, ela é organizada pela Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM).

O Brasil tem tradição em duas classes do esporte: Laser e Star. O velejador Robert Scheidt conquista em setembro de 2002, na cidade de Cape Cod, em Massachusetts, nos Estados Unidos (EUA), o inédito hexacampeonato mundial da classe Laser. O atleta é o primeiro brasileiro a conquistar seis títulos mundiais em esportes olímpicos. Este é o terceiro título seguido de Scheidt, campeão em 2000, 2001 e, anteriormente, em 1995, 1996 e 1997. O paulista também já conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas de Atlanta, em 1996, e a de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000.

Regras – Os barcos são divididos em classes, segundo o formato, as especificações técnicas e o número de tripulantes. As classes que participam das Olimpíadas de Sydney, em 2000 são: Finn, 470, 49er, Soling, Tornado, Europa, Mistral (prancha a vela), Star e Laser. A Europa é disputada só por mulheres; a 470, por duplas masculinas e femininas; e a Mistral, por homens e mulheres. O percurso das regatas olímpicas combina retas e triângulos, a favor do vento e contra ele.

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org
lumepa.blogspot.com

Arquivo