Cultura Tolteca | México

Tags

Cultura Tolteca | México

Cultura Tolteca

O nome Tolteca - que significa "canavieiro" e assumiu mais tarde o sentido de "urbano" ou "civilizado" - foi dado pelos astecas ao povo que, entre os séculos X e XII, teve seu centro político-religioso em Tollan ("canavial"), próximo à posterior cidade de Tula. Durante certo período, a palavra tolteca designou genericamente artesão e foi aplicada  a povos distintos, até ser associada ao grupo étnico centrado em Tula.

O primeiro estado político-militar pré-colombiano foi o império tolteca, entre os séculos X e XII da era cristã. Comprovadamente, os toltecas introduziram na Meso-América o calendário, a escrita e o trabalho em metal, o que marca o início do período pós-clássico.

História. Após a conquista espanhola, a tradição escrita dos toltecas foi reunida em crônicas como A história geral das coisas da Nova Espanha, de frei Bernardino de Sahagún, e a História tolteca-chichimeca. Segundo essas fontes, já no século VII ondas migratórias seguiam para o vale do México. Uma grande e repentina invasão, porém, teria acontecido no ano 900, quando grupos nômades de língua náuatle, procedentes do noroeste do México, conquistaram a decadente Teotihuacan, que fora um dia a maior cidade da América pré-colombiana. A civilização tolteca foi o resultado da fusão desses povos.

O chefe militar Mixcóatl fundou a primeira dinastia tolteca. Após combater durante anos outras tribos de língua náuatle, foi assassinado por um usurpador, em meados do século X. Seu filho Ce Acatl, ainda criança, não pôde herdar o poder. Já adulto, vingou a morte do pai e fundou a cidade de Tula. Adotou então o nome Topiltzin ("senhor") e restaurou o culto ao deus pacífico Quetzalcóatl, do qual tornou-se sacerdote, com o nome de Ce Acatl Topiltzin Quetzalcóatl.

Durante seu reinado, desenvolveram-se a economia, a religião, as artes e a organização sociopolítica. Não foi possível, no entanto, erradicar o culto a Tezcatlipoca, deus ao qual eram oferecidos sacrifícios humanos. Seus seguidores, em permanente choque com os representantes do culto oficial, acabaram por se impor e, no final do século X, expulsaram Ce Acatl da cidade. Os vencidos seguiram para Yucatán e se estabeleceram em Chichén Itzá e Mayapán, centros da florescente cultura maia-tolteca.

Instalou-se em Tula, definitivamente, um governo militarista, em substituição ao antigo poder sacerdotal. As inúmeras representações de guerreiros paramentados como deuses atestam seu papel como grupo social dominante. Iniciara-se, no entanto, a fase de declínio e, por volta de 1160, a cidade estava quase completamente despovoada, devido a secas, guerras e conflitos internos. A chegada dos povos bárbaros conhecidos como chichimecas -- grupo que absorveu as principais características da cultura tolteca e, mais tarde, originou o império asteca -- precipitou a queda do império. Em 1168, os toltecas abandonaram Tula, que foi tomada pelos chichimecas e acabou destruída, em guerras e conflitos políticos. Alguns grupos toltecas emigraram para as zonas lacustres do vale do México e fundaram Culhuacan, enquanto outros avançaram para o sul e ocuparam Cholula, por volta de 1290. Esses povos permaneceram na região até meados do século XIV.

A unidade cultural de Teotihuacan e Tula deu lugar à desagregação e a rivalidades entre as tribos. Enfraquecidos, os toltecas foram combatidos mesmo em Tula, e até pelos astecas, herdeiros de sua cultura e que os mencionavam como ancestrais.

Organização sociopolítica e cultural. O traço mais característico da organização sociopolítica tolteca foi a formação de um novo sistema teocrático, no qual as funções guerreiras se confundiam com as religiosas e as prerrogativas da casta sacerdotal passavam às mãos dos dirigentes militares, agrupados em ordens totêmicas como as do Jaguar, do Coiote e da Águia. Esta circunstância não só permitiu a criação de um poderoso exército e a consequente expansão do império, como marcou também o começo do militarismo na América Central.

A cultura tolteca era muito avançada e, além de incorporar elementos da civilização de Teotihuacan, como o calendário e os sinais gráficos, dispunha de notáveis conhecimentos em astronomia e medicina. A metalurgia e a ourivesaria também se desenvolveram. Para administrar suas amplas possessões, os toltecas criaram uma eficiente burocracia e o primeiro sistema de correios da região, empregando mensageiros. As ruínas de Tula atestam a magnificência da metrópole, sendo notáveis os túmulos e os estádios para jogos com bola, de função ritual. Na estatuária, destacam-se figuras de guerreiros (entre os quais os célebres atlantes de Tula), serpentes emplumadas (que simbolizavam Quetzalcóatl), animais totêmicos e singulares figuras recostadas do deus Chac Mool.

Cultura Tolteca