Croácia, Aspectos Gerais da Croácia

Tags

Croácia, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos da Croácia

Croácia, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos da CroáciaGeografia: Área: 56.538 km². Hora local: +4h. Clima: temperado continental. Capital: Zagreb. Cidades: Zagreb (695.000), Split (175.000), Rijeka (145.000), Osijek (91.00) (2016).

População: 4,5 milhões (2016); nacionalidade: croata; composição: croatas 78,5%, sérvios 12,5%, húngaros, eslovenos, iugoslavos e outros 9%. Idioma: croata* (oficial). Religião: cristianismo 95,2% (católicos 88,5%, outros 6,8%, ), outras 2,4%, sem religião e ateísmo 2,4%.

Relações Exteriores: Organizações: Banco Mundial, FMI, OMC, ONU. Embaixada: Tel. (61) 248-0610, fax (61) 248-1708 – Brasília (DF); e-mail: embaixada.croacia@zaz.com.br.

Governo: República com forma mista de governo. Div. administrativa: 21 condados. Partidos: União Democrática Croata (HDZ), Social-Democrata (SPH), Liberal-Social Croata (HSLS), do Povo Croata (HNS). Legislativo: unicameral – Câmara dos Representantes, com até 151 membros. Constituição: 1990.

*Bósnio, croata e sérvio são variantes literárias e nomes oficiais de um mesmo idioma, o servo-croata

Uma das repúblicas mais prósperas da ex-Iugoslávia, a Croácia obtém a independência após guerra civil contra a minoria sérvia – apoiada pelo poder central iugoslavo. Os combates ocorreram em áreas ocupadas pelos sérvio-croatas e em cidades milenares, como Dubrovnik, declarada patrimônio da humanidade. Banhado pelo mar Adriático, o litoral é recortado por penínsulas, baías e milhares de ilhas, numa paisagem semelhante à da costa grega. O governo investe para recuperar o turismo, muito afetado desde a guerra.

Bandeira da CroáciaHistória da Croácia

Vindos da atual Ucrânia, tribos croatas chegam à região no século VII e convertem-se ao cristianismo. No século VIII reúnem-se em dois ducados, um sob domínio dos francos, outro do Império Bizantino. Unificados no século IX, dão origem ao primeiro reino croata independente. Em 1102, o país é conquistado pelos húngaros, que o dominam por oito séculos. Os turcos ocupam a Hungria e a Croácia em 1526 e permanecem até 1699, quando as duas nações passam ao domínio dos Habsburgo – a Croácia mantém relativa autonomia no seio do Reino Húngaro. Em 1868, depois de breve período de independência croata, os dois países integram o Império Austro-Húngaro.

Período iugoslavo - No fim da I Guerra Mundial, o Império Austro-Húngaro se desagrega, e a Croácia participa do Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, que em 1929 é batizado de Iugoslávia. A política centralizadora do rei Alexandre I (sérvio) estimula os nacionalistas croatas, reunidos no movimento fascista ustacha e no Partido dos Camponeses. Em 1941, na II Guerra Mundial, tropas alemãs e italianas invadem a Iugoslávia. Os nacionalistas proclamam um Estado independente na Croácia, sob o controle das potências invasoras e liderado por Ante Pavelic, chefe do ustacha, cujo regime participa do extermínio de sérvios, ciganos, judeus e oposicionistas. A oposição organiza uma rede de resistência antifascista, liderada pelo comunista croata Josip Broz Tito.

Zagreb, Capital da Croácia
Zagreb, Capital da Croácia
Comunismo - Guerrilheiros comunistas expulsam os alemães em 1945. No ano seguinte, a Croácia passa a ser uma das seis repúblicas da Federação Iugoslava, sob regime comunista, presidida por Tito. O nacionalismo ressurge nos anos 1970 e cresce com a morte de Tito, em 1980, como reação ao aumento da influência sérvia. O separatismo é defendido a partir de 1989, quando os comunistas renunciam ao monopólio do poder. Os nacionalistas vencem a primeira eleição pluripartidária, em 1990, e indicam Franjo Tudjman para presidente. Ao propor transformar a Iugoslávia em confederação, Tudjman contraria o poder central. A situação complica-se com a presença em território croata dos sérvios, que defendem o Estado federal iugoslavo ou uma Grande Sérvia.

Guerra civil - A Croácia e a Eslovênia declaram independência da Iugoslávia em junho de 1991. Com o apoio do Exército iugoslavo, milícias sérvias conquistam um terço da Croácia. Em Krajina, ao sul, os sérvios estabelecem uma república independente. O governo croata luta pelo território, e começa a guerra civil. Em 1992, as Forças de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU) põem fim às hostilidades, mas as milícias sérvias ficam em Krajina e na Eslavônia Oriental.

Guerra da Bósnia - A guerra na vizinha Bósnia-Herzegóvina, em 1992, aprofunda a crise. Tudjman ataca os enclaves sérvios na Croácia e luta pela anexação da Herzegóvina, no sul da Bósnia, habitada por croatas. Em 1995 recupera Krajina. A paz é assinada no Acordo de Dayton, que destina 49% do território da Bósnia-Herzegóvina a bósnios-sérvios e 51% a bósnios muçulmanos e bósnios-croatas. A Croácia retoma a soberania sobre a Eslavônia Oriental em 1998. O governo anula decretos que ferem direitos dos habitantes de origem sérvia na região. Tudjman morre em 1999. Aproximação do Ocidente A coligação oposicionista entre o Partido Social-Democrata (SPH) e o Partido Liberal-Social Croata (HSLS) vence as eleições parlamentares em 2000. O líder do SPH, Ivica Racan, é nomeado primeiro-ministro. Stipe Mesic vence a eleição presidencial. Os eleitos defendem reformas liberais e rejeitam o nacionalismo, com uma política de aproximação da Europa. Em maio de 2000, a Croácia entra na Parceria pela Paz, grupo dos países candidatos a integrar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Criminosos de guerra - Em março de 2000 cria-se um conselho de cooperação com o Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPI), em Haia, na Holanda, que julga os acusados de crimes durante a guerra da ex-Iugoslávia. Os nacionalistas croatas protestam, mas a Croácia extradita para o TPI o bósnio-croata Mladen Naletilic, acusado de atrocidades contra bósnios muçulmanos. A questão dos criminosos de guerra é polêmica, pois parte da sociedade os vê como heróis da independência.

Em 2001, a Croácia assina pacto de associação com a União Européia (UE). No ano seguinte, o governo faz um acordo com o TPI pelo qual os criminosos de guerra de menor importância serão julgados na Croácia. Em setembro de 2003, Mesic faz a primeira visita de um presidente croata a Belgrado (capital de Sérvia e Montenegro) desde a guerra de 1991. Mesic e seu colega Svetozar Marovic pedem desculpa, em nome de seu país, pelas agressões mútuas. Depois de derrotar, sem obter maioria, a coalizão SPH-HSLS nas eleições parlamentares de novembro, a União Democrática de Direita (HDZ) alia-se a pequenos partidos para formar o governo. Em dezembro, Ivo Sanader, líder do HDZ, passa a ser o primeiro-ministro.Em junho de 2004, a Croácia é aceita como candidata ao ingresso na UE (assim como Romênia e Bulgária), desde que cumpra as exigências econômicas, políticas e sociais necessárias à entrada. No mesmo mês, o ex-líder sérvio-croata Milan Babic é condenado pelo TPI a 13 anos de prisão por crimes de guerra. Em janeiro de 2005, Stipe Mesic vence o segundo turno das eleições presidenciais.

Turismo impulsiona a economia do país

A guerra civil interrompeu a vocação histórica da Croácia de destino turístico. Nos últimos anos, porém, o governo resgata o potencial daquela que já foi uma das indústrias mais dinâmicas do país. De acordo com dados do Ministério do Turismo, 7,8 milhões de pessoas visitaram a Croácia em 2002, o que gerou 7,4 bilhões de dólares, quase 40% do Produto Interno Bruto.

Mil ilhas - O país tem 1.135 ilhas e um litoral de 5.789 quilômetros, onde o azul do mar contrasta com planícies e os Alpes Dináricos. A República da Croácia possui rotas de vinhedos, culinária típica, ruínas gregas e romanas, bosques, praias – e as temperaturas agradáveis do Mediterrâneo. Cidades como Zagreb, a capital, e Dubrovnik abrigam cultura e tradições mais que milenares. O mesmo se pode dizer de Split, coração econômico da Dalmácia, onde está o Palácio de Diocleciano, construído no fim do século III para ser o retiro do imperador romano após sua abdicação.
Andrija Mohorovicic

Andrija Mohorovicic

Andrija Mohorovicic nasceu em 23 de janeiro de 1857, em Volosko, Croácia, então integrante do império austro-húngaro. Foi excelente aluno na escola primária e, aos 15 anos falava, além da língua croata, inglês, francês e italiano. Mais tarde aprendeu grego, latim, tcheco e alemão. 

Deve-se às observações do sismólogo croata Andrija Mohorovicic a descoberta de que a massa da Terra não é compacta e que as ondas sísmicas produzidas por terremotos são desviadas em razão de uma descontinuidade na camada exterior do planeta.

Graduou-se, em 1875, em física e matemática na Universidade de Praga, sob a direção do grande físico e filósofo Ernst Mach. Lecionou em escolas secundárias até ingressar como professor de oceanografia e meteorologia na Escola Náutica Real de Bakar, perto de Rijeka (ou Fiume), onde fundou, em 1887, uma estação meteorológica. Em 1891 transferiu-se para a Escola Técnica Principal de Zagreb e prosseguiu com suas pesquisas. No ano seguinte, foi nomeado diretor do observatório meteorológico da cidade e em 1897 doutorou-se na universidade local. Nessa época começou a coletar os dados que o conduziriam a importantes descobertas geológicas e, com a aquisição de instrumentos sismográficos mais novos e sensíveis, tornou o observatório de Zagreb um dos mais avançados da Europa. Em 1909, a estação captou as ondas de um terremoto que abalou o vale de Kulpa. Na comparação com outras leituras, Mohorovicic deduziu que o terremoto se centrava numa camada mais externa da Terra -- desde então denominada crosta terrestre -- e que ondas mais rápidas se propagavam através de uma camada mais interior -- o manto. Entre a crosta e o manto situa-se o que mais tarde chamou-se descontinuidade de Mohorovicic, a uma profundidade média de trinta quilômetros. Muito tempo depois, instrumentos mais avançados confirmaram sua descoberta. Mohorovicic morreu em Zagreb, Croácia, em 18 de dezembro de 1936.

Nikola TeslaNikola Tesla

Engenheiro eletricista e físico croata nascido em Smiljan, Croácia, então parte da Áustria-Hungria, naturalizado norte-americano (1889), famoso por suas descobertas no campo da eletrotécnica e da radioeletricidade, como os princípios da corrente alternada (1881). Filho de um sacerdote ortodoxo sérvio, foi um brilhante estudante e dotado de uma memória fotográfica.

Cursou a escola politécnica de Graz, na Áustria, onde estudou principalmente física e matemática e fez sua graduação na Universidade de Praga (1880). Trabalhou como engenheiro eletricista na telefônica de Budapeste, Hungria, onde passou a se interessar por motores e correntes elétricas (1882). Depois de passar um período em Paris, onde trabalhou na Companhia Continental Edison, foi para os EEUU (1884), estabelecendo-se em Nova York, onde se tornou assistente de Thomas Edison.

Atritado com o patrão perdeu este emprego (1886), mas no ano seguinte (1887) ganhou bastante dinheiro de patrocinadores para construir um laboratório próprio em New York City, onde deu início independentemente a sua genialidade. Criou a corrente alternada e vendeu a patente para George Westinghouse, que iniciou a campanha junto ao governo dos EEUU pela adoção da nova modalidade de corrente. Iniciou viagens (1891) pelos Estados Unidos e Europa, durante as quais apresentou relatórios detalhados sobre aplicações da corrente alternada de alta freqüência e outras descobertas.

Ainda desenvolveu numerosos inventos de produção ou movidos a eletricidade como o motor elétrico e registrou mais de 100 patentes, entre eles o acoplamento de dois circuitos por indução mútua, que seria utilizado nos primeiros geradores industriais de ondas hertzianas, o princípio do campo magnético rotativo como meio de criar energia por meio da corrente alternada e projetou o primeiro motor assíncrono de campo giratório.

Também inventou as correntes polifásicas, dos comutadores e da ligação em estrela, novos tipos de geradores e transformadores e sistemas de comunicação sem fios e de transmissão de energia e faleceu em New York. O Museu Tesla, em Belgrado, Iugoslávia, foi criado e dedicado ao inventor. A tesla, uma unidade de densidade de fluxo magnético do sistema MKS, foi criada (1956) em sua honra.

Fonte: Geografia Total