Eslovênia, Aspectos Gerais da Eslovênia

Eslovênia, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos da Eslovênia

ESLOVÊNIA, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DA ESLOVÊNIAGeografia: Área: 20.251 km². Hora local: +4h. Clima: temperado continental. Capital: Liubliana. Cidades: Liubliana (265.881), Maribor (110.668), Kranj (51.225), Celje (48.081) (2016).

População: 2 milhões (2016); nacionalidade: eslovena; composição: eslovenos 91%, croatas 3,5%, sérvios 2,5%, outros 3%. Idiomas: esloveno (oficial), húngaro, italiano. Religião: cristianismo 92,1% (católicos 83,5%, sem filiação 4,7%, outros 3,9%), sem religião 5,2%, ateísmo 2,6%, islamismo 0,1%.

Relações Exteriores: Organizações: Banco Mundial, FMI, OMC, ONU, Otan, UE. Consulado Honorário: Telefax (11) 5093-9029 – São Paulo (SP).

Governo: República com forma mista de governo. Div. administrativa: 193 municipalidades. Partidos: Democrático Esloveno (SDS), Democracia Liberal da Eslovênia (LDS), Lista Unitária dos Social-Democratas (ZLSD). Legislativo: bicameral – Assembleia Nacional, com 90 membros; Conselho Nacional, com 40 membros. Constituição: 1991.

A Eslovênia tem um litoral de apenas 45 quilômetros no mar Adriático, no centro-sul da Europa, o país  permanece à margem dos conflitos na península balcânica. É a mais ocidental e, etnicamente, a mais homogênea das repúblicas da ex-Iugoslávia, formada por 91% de eslovenos. Isso favorece a emancipação do país, o primeiro a se separar da antiga Federação Iugoslava. A paisagem diversificada inclui florestas, picos nevados, cavernas e formações calcárias. Uma parte delas, na região de Skocjan, é considerada patrimônio da humanidade. Com avançado parque industrial, a Eslovênia apresenta a melhor qualidade de vida das ex-nações comunistas do Leste Europeu.

Bandeira da EslovêniaHistória da Eslovênia

Os eslovenos instalam-se na região entre o século VI e o VIII. No século IX passam a ser governados pelos alemães da Baviera. Entre o século XIII e o XX, ficam sob domínio da dinastia dos Habsburgo. Com a dissolução do Império Austro-Húngaro, no fim da I Guerra Mundial, o país integra-se ao Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, que em 1929 passa a se chamar Iugoslávia. Durante a II Guerra Mundial, a Eslovênia é repartida entre os invasores alemães e os italianos. Depois do conflito, torna-se uma das seis repúblicas da Federação Iugoslava, dirigida pelo comunista croata Josip Broz Tito. Independência No fim dos anos 1980, a dissolução do bloco socialista e a escalada dos nacionalismos na Iugoslávia estimulam a independência da Eslovênia, declarada em 25 de junho de 1991. Tropas federais iugoslavas invadem o país, mas logo há um acordo de cessar-fogo patrocinado pela União Europeia (UE). O país se reconstrói sob o governo do ex-comunista Milan Kucan, eleito em 1990 e reeleito em 1993 e 1997. A Democracia Liberal da Eslovênia (LDS), de centro-esquerda, sai vitoriosa nas eleições legislativas de outubro de 2000, e o líder do partido, Janez Drnovsek, volta a ser primeiro-ministro, cargo que havia ocupado, por oito anos, até maio. Sua prioridade é o ingresso na UE e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), além da privatização de estatais.

Liubliana, Capital da Eslovênia
Liubliana, Capital da Eslovênia
O primeiro-ministro Drnovsek é eleito presidente em 2002, e Antor Rop (LDS) passa a ser o novo premiê. Um referendo realizado em março de 2003 aprova a entrada do país na Otan e na UE – o que se concretiza em março e em maio de 2004, respectivamente. Nas eleições parlamentares de outubro, o vencedor é o Partido Democrático Esloveno (SDS), de centro-direita, que conquista 29 das 90 cadeiras em disputa e indica Janez Jansa para primeiro-ministro. O LDS elege 23 parlamentares.

Fonte: http://www-geografia.blogspot.com.br/