Myanmar | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos de Myanmar

Tags

Myanmar | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos de Myanmar

Geografia – Área: 678.033 km². Hora local: +8h. Clima: tropical com chuvas de monções. Capital: Naypyidaw. Cidades: Yangun (4.800.000) (aglomeração urbana), Mandaly (560.000), Mawlamyine (245.000).

População – 55 milhões; nacionalidade: birmanesa; composição: birmaneses 69%, chans 9%, karens 6%, raquines 5%, outros 11%. Idiomas: birmanês (oficial), dialetos regionais. Religião: budismo 72,7%, crenças tradicionais 12,6%, cristianismo 8,3% (protestantes 5,5%, outros 2,8%), islamismo 2,4%, outras 4%, sem religião e ateísmo 0,6% - dupla filiação 0,6%. Moeda: quiate.

Relações Exteriores – Organizações: Asean, Banco Mundial, FMI, OMC, ONU. Embaixada: Tel. (61) 248-3747, fax (61) 364-2747 – Brasília (DF); e-mail: mebrsl@brnet.com.br.

Governo – Ditadura militar desde 1988. Div. administrativa: 7 divisões e 7 estados. Chefe de Estado: general Than Shwe (desde 1992). Primeiro-ministro: general Soe Win (desde 2004). Partidos: Liga Nacional pela Democracia, Liga Chan de Nacionalidades pela Democracia. Legislativo: suspenso desde 1988. Constituição: suspensa em 1988.

Myanmar, antiga Birmânia, fica às margens do golfo de Bengala, no Sudeste Asiático. O país abriga densas florestas e tem cerca de 70% da população trabalhando na agricultura. Vales férteis estimulam as plantações, com destaque para o cultivo do arroz e da papoula – da qual se fabrica a heroína. A nação é uma das maiores produtoras mundiais dessa droga. Governado desde 1988 por uma junta militar acusada de violação de direitos humanos, Myanmar é alvo de sanções internacionais.

Myanmar, Aspectos Gerais de Myanmar

História de Myanmar

Existem indícios de ocupação humana na região que remontam pelo menos 10 mil anos. A população atual descende de tribos mongóis, que criam um Estado unificado em 1044, com a fundação da dinastia Pagan por Anawrahta, introdutor do budismo no país. A dinastia dura até 1287, quando a Birmânia é invadida pelos mongóis de Kublai Khan. Fragmentado em pequenos Estados, o país só se reunifica em 1752, sob a liderança de Alangpaya. No século XIX, a Birmânia é dominada pelos britânicos e torna-se uma colônia à parte, separada da Índia, em 1937.

Regime militar – Durante a II Guerra Mundial, a Birmânia é ocupada pelos japoneses. O fim do conflito dá alento a um forte movimento nacionalista, liderado pelo general Aung San, assassinado em 1947. O país torna-se uma república independente em 1948. Um golpe militar em 1962 leva ao poder o general U Ne Win, que renuncia em 1988, pressionado por protestos populares. Chefiada pelo general Saw Maung, uma junta militar toma o poder e reprime protestos, provocando mais de mil mortes. No mesmo ano, a oposicionista Aung San Suu Kyi – filha de Aung San – volta do exílio na Inglaterra. O nome do país é mudado para Myanmar em junho de 1989. No mês seguinte, Suu Kyi é posta em prisão domiciliar. O governo assina o cessar-fogo com algumas guerrilhas. Em 1990, a oposição vence as eleições, mas a junta ignora o resultado.

Bandeira de Myanmar

Naypyidaw, a Nova Capital 

Naypyidaw ou Nay Pyi Taw passou a ser a capital do Myanmar a partir de 2005, por Razões estratégicas da junta militar que governava o país, que na época motivaram a escolha de uma nova capital que substituísse a antiga capital, Yangon.

Naypyidaw, a Nova Capital

Nobel da Paz – Suu Kyi ganha o Prêmio Nobel da Paz em 1991. Nesse ano e em 1992, os combates e a repressão às guerrilhas étnicas resultam no êxodo de milhares de pessoas. O general Saw Maung é substituído na chefia do Estado pelo general Than Shwe. Cedendo à pressão internacional, os militares relaxam a prisão domiciliar de Suu Kyi em 1995. Ela se torna secretária-geral da Liga Nacional pela Democracia, o principal grupo de oposição. Em 1997, os Estados Unidos (EUA) decretam embargo contra Myanmar por causa do desrespeito aos direitos humanos, e a União Europeia (UE) suspende os benefícios comerciais concedidos ao país. Em 2000, Suu Kyi volta a ser confinada em casa.

Em 2001, a OIT afirma que, apesar de novas leis contra o trabalho forçado em Myanmar, a situação continua preocupante. Suu Kyi é libertada em maio de 2002, mas novamente detida em 2003. Em julho, os EUA aprovam novas sanções econômicas contra o país. Em setembro, Suu Kyi é mais uma vez colocada sob prisão domiciliar. Em agosto de 2003, o general Khin Nyunt passa a ser primeiro-ministro, cargo até então acumulado pelo general Shwe. Nyunt se afasta do governo em outubro de 2004 alegando problemas de saúde, mas é acusado de corrupção. O general Soe Win, aliado do general Than Shwe, passa a ser o primeiro-ministro. Em novembro, 4 mil prisioneiros políticos são libertados. No mês seguinte, o país é um dos atingidos pelo tsunami. Dados do governo indicam um total de 59 mortos, mas analistas afirmam que o número pode estar subestimado.

Bandeira de Myanmar até 21 de outubro de 2010
Bandeira de Myanmar até 21 de outubro de 2010

O Triângulo da heroína

Uma área de acesso difícil, pobre, habitada por etnias em permanente estado de rebelião. Juntem-se a isso a falta de controle governamental e o clima propício ao cultivo da papoula. Esses ingredientes explicam por que o Triângulo Dourado – região montanhosa que inclui territórios da Tailândia, do Laos e de Myanmar – é responsável por boa parte da heroína consumida no mundo. A atividade ganha impulso em Myanmar a partir dos anos 1960, quando minorias étnicas, em luta contra o poder central, encontram no cultivo de ópio um ganho fácil para a compra de armamentos.

Afeganistão – Myanmar perde a condição de o maior produtor de ópio na década de 1990. O Afeganistão assume a liderança e, sob o regime do Taliban, responde em 2000 por 70% da produção mundial. Em 2001, Myanmar volta a ser o principal produtor mundial, após o banimento das plantações decidido pelo Taliban. Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) indica que, em 2003, o Afeganistão lidera novamente, tendo aumentado em 6% sua produção desde 2002.

Nova Bandeira de Myanmar

A nova bandeira de Myanmar foi adotada em 21 de outubro de 2010, em substituição da antiga bandeira socialista do país (que também mudou seu hino nacional e seu nome oficial para República da União de Myanmar) apresentados em uma nova Constituição, antes das eleições gerais de novembro de 2010, a bandeira irá simbolizar à transição do país de um regime militar para uma democracia civil eletiva.

Yangon, Maior cidade de Myanmar

Yangon, Maior cidade de Myanmar

Yangon, Maior cidade de Myanmar

Rangum (Yangon em birmanês) é a ex-capital e a maior cidade de Myanmar (a atual capital de Myanmar é Naypyidaw, desde 2005). Tem cerca de 4.8 milhões de habitantes. Foi fundada provavelmente no século VI tornando-se a capital do país de 1753 a 2005. Foi ocupada pelos britânicos de 1824 a 1826 e de 1852 a 1948.

http://www.klimanaturali.org
http://www.geografiatotal.com.br