Laos | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos do Laos

Tags

Laos | Aspectos Geográficos e Socioeconômicos do Laos


Geografia: Área: 236.800 km². Hora local: +10h. Clima: tropical com chuvas de monções. Capital: Vientiane. Cidades: Vientiane (710.000) (aglomeração urbana), Savannakhét (62.500), Pakxé (50.000), Xam Nua (36.500).

População: 6,8 milhões; nacionalidade: laosiana; composição: laosianos 50%, tais 20%, futeus 15%, miaos, mongues, iaos e outros 15%. Idiomas: laosiano (oficial), francês, línguas regionais (principal: meo). Religião: budismo 48,8%, crenças tradicionais 41,7%, sem religião 4,3 %, outras 4,3%, ateísmo 1,1% - dupla filiação 0,2%. Moeda: quipe.

Relações Exteriores: Organizações: Asean, Banco Mundial, FMI, ONU. Embaixada: 2222, S Street NW, Washington D.C. 20008, EUA; site na internet: www.laoembassy.com.

Governo: Regime de partido único. Div. administrativa: 16 províncias, 1 municipalidade e 1 zona especial. Partido: Revolucionário do Povo do Laos (PPPL) (único legal). Legislativo: unicameral – Assembleia Nacional, com 109 membros. Constituição: 1991.

Montanhoso e sem saída para o mar, o Laos é uma ex-colônia francesa localizada no Sudeste Asiático. As florestas cobrem a maior parte do território e somente pequena parte das terras é adequada à agricultura. Mesmo assim, mais de 75% da população economicamente ativa trabalha no campo. O produto agrícola mais importante é o arroz, cultivado no fértil vale do rio Mekong, a principal via de transporte do país. Também são produzidas, ilegalmente, grandes quantidades de ópio e de heroína. Pouco povoado, o Laos abriga muitos grupos étnicos, o que dificulta a integração nacional. Sucessivos conflitos contribuíram para manter o país como uma das nações mais pobres da Ásia. Governado por um regime comunista, o Laos promove atualmente lenta abertura na economia.

LAOS, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DO LAOS

História do Laos

A região onde fica o Laos é ocupada por povos de língua khmer a partir do século IV. Os diversos reinos que florescem começam a ser suplantados pelo povo lao, cuja penetração na península da Indochina se intensifica a partir do século XIII, em virtude das invasões mongóis na China. Desde então são integrados ao Império Khmer, com sede no Camboja. Em 1574, a área é tomada por forças da Birmânia (atual Mianmar). No século XVIII cai sob o domínio do Reino do Sião (atual Tailândia) e, no fim do século XIX, é incorporada à Indochina francesa. Na II Guerra Mundial, os japoneses invadem a região, que é retomada pelos franceses após o conflito. Em 1949, o Laos consegue uma independência limitada, e o príncipe Souvanna Phouma passa a ser primeiro-ministro. Seu governo, porém, sofre oposição do Pathet Lao, braço armado da Frente Patriótica do Laos, que tem como principais integrantes os comunistas. O líder do Pathet Lao é o príncipe Souphanouvong, meio-irmão do primeiro-ministro.

Bandeira do LaosGuerra civil - A França reconhece a independência do país em outubro de 1953. Um governo de união nacional, formado em 1954, é dissolvido em 1958 com a prisão de Souphanouvong. Ele escapa no ano seguinte, e a insurreição comunista recomeça. O governo de Phouma é derrubado em 1960 por oficiais direitistas liderados pelo general Phoumi Nosovan e apoiados pelos Estados Unidos (EUA). É formada, então, uma aliança rebelde entre Phouma e os comunistas. Os militares deixam o poder em 1962, quando uma conferência em Genebra, na Suíça, decide pela formação de um governo de coalizão – neutro em relação à guerra nos países vizinhos – que tem à frente Souvanna Phouma e do qual fazem parte Phoumi Nosovan e Souphanouvong. A guerra civil recomeça em 1964, quando o Pathet Lao se retira do governo e passa a controlar várias regiões do nordeste do país. Com a escalada da Guerra do Vietnã, o território laosiano é usado como rota para suprimento das forças norte-vietnamitas que combatem no Vietnã do Sul. Essas áreas são fortemente bombardeadas pelos EUA.

Vientiane, Capital do Laos
Vientiane, Capital do Laos
Regime comunista - A saída das tropas norte-americanas do Vietnã do Sul, em 1973, leva à formação de novo governo de coalizão no Laos, o que não interrompe a luta entre direitistas, neutralistas e comunistas. O destino do país é definido pela vitória comunista no Vietnã do Sul e no Camboja, em abril de 1975. Em dezembro desse ano, é instaurado no Laos um regime comunista sob a presidência de Kaysone Phomvihan. O Vietnã torna-se o principal aliado do país, que passa a um relativo isolamento.

Abertura - As mudanças só começam a ocorrer no fim da década de 1980. Em 1989, o Laos elege uma Assembleia Constituinte e, no ano seguinte, assina acordos econômicos com o Japão. A abertura, que inclui a privatização de estatais, é apenas econômica. Manifestações contra o governo continuam proibidas e permanece o regime de partido único, o Partido Revolucionário do Povo do Laos (PPPL). Em 1993, o governo colabora na busca de soldados norte-americanos desaparecidos no país durante a Guerra do Vietnã. Em 1995, os EUA anunciam o fim de 20 anos de embargo ao Laos. Em 1998, a Assembleia Nacional, dominada pelo PPPL, elege o general Khamtay Siphandone para a Presidência. A crise econômica iniciada nos países do Sudeste Asiático em 1997 abala a economia laosiana, e a inflação chega a 167% no ano. No fim de 1999, o presidente Siphandone anuncia um plano de austeridade com cortes drásticos nos gastos públicos.

O então ministro das Finanças, Boungnang Volachit, assume o cargo de primeiro-ministro em 2001. No mesmo ano, a Assembleia Nacional aprova lei que estabelece pena de morte para quem for pego com mais de 300 gramas de ópio. Nas eleições para o Parlamento, em 2002, o PPPL fica com 108 das 109 cadeiras. Em junho de 2003, dois jornalistas europeus e um tradutor de nacionalidade norte-americana são condenados sumariamente a 15 anos de prisão, depois de ser detidos quando faziam reportagem sobre conflito entre guerrilheiros da minoria mongue e policiais. Após pressões diplomáticas, os três são libertados em julho. Em março de 2004, o governo anuncia a rendição de aproximadamente 700 rebeldes mongues.

http://www.klimanaturali.org
http://www.geografiatotal.com.br