Abóbora Moranga, Cultura da Abóbora Moranga

Tags

Abóbora Moranga, Cultura da Abóbora Moranga

Abóbora Moranga, Cultura da Abóbora Moranga
Aspectos Gerais - Originária da América do Sul a abóbora-moranga já era produzida por civilizações pré-colombianas; em Teixeira de Freitas, Bahia planta-se a moranga híbrida Tetsukabuto.

Botânica/Descrição/Variedades/Composição
- A moranga é conhecida cientificamente como Cucurbita máxima, Duschene, Dicotyledonae, Cucurbitaceae; essa abóbora também é conhecida como abóbora - jerimum ou jerimum.

- Planta rasteira com folhas arredondadas verdes, sem manchas; o pedúnculo do fruto é esponjoso, cilíndrico e não se abre ao atingir o fruto.

As folhas são semelhantes às da abóbora rasteira.

- Variedades caboclas ou regionais de boa qualidade devem ser plantadas; moranga exportação (fruto com casca alaranjada e polpa amarela); moranga Coroa IAC (fruto com casca cinzenta e polpa amarela) são variedades comerciais. Do cruzamento da abóbora rasteira com a moranga surgiram os híbridos Tetsukabuto, Lavras I, Lavras II; as híbridas - Tetsukabuto a mais plantada - polarizam-se rapidamente, são bem aceitas e importantes economicamente em algumas regiões.

Tetsukabuto: frutos com peso médio de 2kg., ligeiramente achatado, com gomos suaves, casca verde escura; é resistente a longos períodos de armazenamento. Polpa alaranjada, espessa tem excelente sabor; o fruto é colhido com 100 dias de vida. Cada grama de semente contem 7 a 8 sementes e produção de 2Kg/m2. Necessita-se 500-700g. de sementes para plantar-se 1 hectare.

Composição por 100g. de polpa: 50 calorias, 1,5g. de proteína, 15mg. de cálcio, 27mg. de fósforo, 0,7mg. de ferro, 350mmg. de Vit. A, 0,05mg. de Vit. B1, 0,04mmg. de Vit. B2, 42mg. de Vit. C.

Polinização das híbridas: as morangas possuem poucas flores masculinas e não produzem pólen; para assegurar a fecundação das flores femininas e frutificação planta-se 15 a 20% da área com variedades polinizadoras como a menima brasileira, coroa IAC, entre outras. Planta-se 5 covas com híbrida e 1 cova com polinizadora.

Usos das Morangas
Polpa do fruto - rica em vitaminas e sais minerais de fácil digestão é usada no preparo de doces, sopas, refogados, suflês, nhoques, pão, bolos, purês, sorvetes; compõe, bem, cozidos, feijoadas, assados. Crua, ralada, constitui saladas leves e saborosas.

Brotos: refogados são boa fonte de ferro (bom para sangue, músculos, ossos e cérebro).

Folhas: (cambuquira): parte mais rica da abobobeira; refogadas são colocadas em sopas e caldos.

Sementes: riquíssimas em ferro podem ser consumidas tostadinhas - ao forno e temperada com sal - como aperitivo.

Flores: podem ser servidas à milanesa ou rechear omeletes.

Na medicina caseira: usa-se sementes sem pele misturadas a mel para combate a vermes, sopa ou purê da polpa para curar desarranjos intestinais, e chá do pedúnculo do fruto para cólicas intestinais. A jerimum é parte integrante do desjejum no Nordeste.

Necessidades da Planta
Clima: planta própria de climas quentes, requer temperaturas entre 20ºC e 27ºC (24ºC); é sensível ao frio (abaixo de 10ºC) e à geadas.

Solos: bem drenados, não fofos, não sujeitos a encharcamentos, com boa fertilidade, pH 5,5 a 6,5, areno-argilosos a argilo-arenosos.

Plantio
Sementes: Devem ser colocadas em recipiente com água; as que forem ao fundo do recipiente devem ser utilizadas.

Época/Local: sem concurso da irrigação planta-se no início da estação chuvosa. O local deve ser de fácil acesso, topografia plana a levemente ondulada e se possível em sucessão a outras culturas (para aproveitamento de resíduos de adubos).

Preparo do solo: amostras de solo devem ser feitas 150 dias antes do plantio e enviadas a laboratório (para recomendações para adubos e calcário).

Antes da aração efetua-se limpeza do terreno (retirada de tocos, raízes, pedras e roçagem 90-60 dias antes do plantio); efetua-se a aração a 25cm. de profundidade (terrenos recem-desbravados) seguida de 1 gradagem 30 dias antes do plantio abrir covas com 40cm. x 40cm. x 30cm. separando-se a terra dos primeiros 15cm. Misturar 8 litros de esterco de curral e 250g. da fórmula NPK 4-16-8 à terra separada e encher a cova.

O plantio é feito lançando-se 3 - 4 sementes por cova a 2 - 3 cm de profundidade. 750g de sementes dão para plantar 1 hectare.

O espaçamento para as morangas é de 4m x 3m e para as híbridas 3m x 2m.

Obs.: pode-se preparar mudas em copinhos de papel-jornal com 10 cm de altura e 5 cm de comprimento, cheios até 2 cm da borda com mistura solo: esterco (3:1). Lança-se 2 sementes/copinho, cobre-se com 1 cm de terra.

Muda com 2 folhas definitivas pode ser plantada.

Tratos Culturais
- Capinas devem ser feitas até que as ramas cubram o solo: a amontoa deve completar a capina (chegar a terra ao pé da planta).

- Irrigar diariamente a cova, sem encharcar, até 30 dias pós semeio; daí em diante irrigar de 4 em 4 dias até início da maturação dos frutos.

- Desbasta-se plantinhas com 3 folhas definitivas (15-20 dias pós emergência na Bahia) deixando as 2 mais vigorosas por cova.

- Trinta dias após a emergência aplica-se 50 g de sulfato de amônio/planta entre as ramas da moranga ( ou 25 g de ureia ou 2 litros de esterco de curral líquido). 

- Evitar contato do fruto com solo úmido.

- Evitar consórcio com outras aboboreiras, pepinos, melão, melancia, tomate, pimentão, etc.

Pragas
- Brocas de Frutos: Lagartas enverdeadas com 20 mm de comprimento que atacam folhas, brotos, ramos e frutos.

Controle: pulverização preventiva com produtos químicos a base de metomil (Lannate), triclorfom (Dipterex).

- Moscas-das-Frutas: Moscas amarelas (10-11 mm de comprimento) que põem ovos dentro dos frutos; lagartinhas brancas, afiladas e sem patas alimentam-se da polpa dos frutos fazendo-a apodrecer.

Controle: pulverização periódica em cobertura dos frutos verdes com fentiom (Lebaycid), triclorfom (Dipterex).

- Lagarta-Rosca: Adulto é mariposa marrom que ovipõe nas folhas; lagartas pardo-acinzentadas, de hábitos noturnos cortam plantinhas recém-emergidas (de 10 cm) destruindo-as. 

Controle: pulverizar o solo em torno da plantinha e base da planta com produtos a base de deltametrina (Decis) ou triclofom (Dipterex).

- Outras Pragas
Patriota: besourinho verde-amarelo que se alimenta das folhas; besourinho marrom - consome folhas. Podem ser controlados com Decis ou Lebaycid. 

Pulgão: amarelo-claro suga brotos, folhas novas e ramos; controla-se com Decis ou triazofos (Hosthation).

Doenças
- Antracnose - Doença por fungo, que ataca órgãos aéreos ,produz lesões com tecido morto recoberto por massa pulverulenta rosada (frutificação do fungo). Temperatura entre 21 e 27°C. e ambiente úmido favorecem a doença.

Controle: rotação de cultura por 2 a 3 anos, destruição de melão - São Caetano e restos de lavouras, pulverização da planta com benomyl (Benlate) ou oxicloreto de cobre (Cupravit).

- Oídio (cinza) - Doença por fungo, freqüente, favorecida por alta umidade relativa e temperatura elevada.

Há crescimento branco - pulverulento na superfície inferior da folha - e amarelecimento da área afetada na outra face.

Controle: pulverização da face inferior da folha com produtos à base de enxofre (Kumulus, Thiovit) com repetições quinzenais.

Colheita/Cuidados
Os frutos devem ser colhidos bem maduros mantendo-se pedúnculo (cabinho) com 2 cm de comprimento preso ao fruto.

A moranga híbrida é colhida com 100-120 dias de vida (Tetsukabuto 100 dias produz 20 t/ha), Moranga Coroa-IAC (90-120) dias e Moranga Exposição (150 dias). A moranga produz em torno de 12 t/ha.

- Frutos não devem sofrer ferimentos ou machucaduras e armazenados em locais protegidos, arejados e secos. Depositados sobre estrados de madeira sem empilhamento.

www.klimanaturali.org