Copo-de-Leite ou Lírio do Nilo (Zantedeschia Aethiopica)

Copo-de-Leite ou Lírio do Nilo (Zantedeschia Aethiopica)

Copo-de-Leite ou Lírio do Nilo (Zantedeschia Aethiopica)

O Copo de Leite é de origem africana, mais especificamente do sudoeste africano. O nome científico desta planta da família das Araceae, é Zantedeschia aethiopica Spreng. Além dos nomes já citados, esta planta também é conhecida pelos nomes de Lírio do nilo, Cala branca e Jarra.

A planta pode chegar a ter 1,5 metro de altura, e toda a planta é tóxica, devido ao oxalato de cálcio (o mesmo que forma os cálculos renais), que também está presente em outras plantas, em quantidades diferentes e às vezes não nocivas (como no espinafre). Pode provocar irritabilidade na pele e mucosas, caso entre em contato com elas. Apesar de ser uma planta tóxica, o rizoma (o bulbo) pode servir de alimento aos humanos, desde que muito bem cozido.

A parte branca da planta que normalmente achamos que é a flor não passa de uma folha modificada. As verdadeiras flores do Copo-de-Leite estão reunidas, formando uma estrutura que lembra uma espiga (a espádice). Esta coloração diferenciada da folha modificada serve para atrair os insetos polinizadores. As flores surgem após 60 a 90 dias após o plantio. Podem durar de 30 a 40 dias. No Brasil a floração é de agosto a janeiro (primavera e verão), e aqui em Portugal também é na primavera e verão (abril a julho). Mas dependendo das condições do clima e solo onde se encontra a planta, pode florir o ano todo.

Como é uma planta rústica não necessita de grandes cuidados para ser cultivada. É recomendado o cultivo desta flor em grupos, pois valoriza o efeito paisagístico, sendo ideal para margens de lagos por exemplo. Em seu habitat natural é encontrada mesmo junto a rios e lagos. Se sua cultura não for controlada, e adaptar-se bem ao meio, pode tornar-se uma praga.

Para a reprodução da planta deve-se separar os bulbos que ficam abaixo da terra, ou esperar que a planta produza sementes. Para que os Copos de Leite produzam sementes deve-se deixar que a planta produza seu fruto, mas até que a planta dê um fruto, acaba por consumir muita energia, diminuindo a quantidade de flores que a planta pode vir a dar. O espaçamento dos bulbos da planta deve ser de 20 cm entre elas, se plantadas em canteiros. Se cultivada em vaso, deve-se manter também um espaçamento de cerca de 20 cm, sendo que recomenda-se uma mistura de 1 parte de terra de jardim, 1 de terra vegetal e 2 partes de composto orgânico, para um equilíbrio do solo onde ficará o Copo de Leite.

O cultivo do Copo de Leite precisa de solo rico, úmido e adubado, com boa luminosidade. Esta planta também pode ser cultivada à meia sombra, desde que receba luz solar ao menos 4 horas diárias, ela estará feliz. Quanto à rega, precisa ser regada ao menos um dia sim e um dia não, pois gosta de solo úmido. Mas atenção para que o solo não fique excessivamente úmido. O excesso de umidade pode ser prejudicial à planta, contribuindo para o aparecimento de bactérias e fungos. A bactéria Erwinea, que gosta do mesmo ambiente do Copo de Leite, pode provocar o murchamento do bulbo. Outro inimigo do Copo de Leite são os moluscos, que podem afetar o desenvolvimento da planta. Além disso, há um detalhe sobre a temperatura ideal para esta planta. Como são de clima quente adaptaram-se bem a locais de clima quente, mas durante a noite, gostam de temperaturas baixas, entre 3 e 4 ºC.

Além do tradicional e mais conhecido Copo de Leite branco, existem outras variedades. A seleção e cruzamento com outras espécies deram origem a Copos de Leite coloridos, como o amarelo, laranja, rosa, vermelho, entre outras. Estas cores não são naturais, não se encontra Copos de Leite selvagens destas cores. São uma bela obra de arte humana.

Fique aqui com algumas das cores que o Copo de Leite adquiriu graças à ação humana. Reparem que além das novas cores, as folhas também podem ser diferentes, devido às espécies com as quais o Copo de Leite original (Zantedeschia aethiopica) foi cruzado. Clique nas imagens para ampliá-las.

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org