Literatura da Austrália e Nova Zelândia

Literatura da Austrália e Nova Zelândia

Literatura da Austrália e Nova ZelândiaEmbora procedam da tradição literária inglesa, de onde receberam influências de estilo e convenções, desde o princípio as literaturas australiana e neozelandesa desenvolveram características e personalidades próprias.

Literatura australiana Os primeiros colonos se estabeleceram na Austrália em 1788. A maioria era constituída por delinquentes deportados, soldados e administradores, logo seguidos por colonos livres. O encontro com um novo mundo e as peculiaridades da sociedade que ali se desenvolveu foram fatores determinantes para que os primeiros escritos fossem de natureza descritiva.

Século XIX A literatura australiana do século XIX, marcada pela falta de estilo próprio e maturidade, evoluiu continuamente para os temas locais. Cronologicamente, a poesia precedeu ao romance e este ao teatro. Em 1819 surgiu em Sidney a primeira obra impressa na colônia, The First Fruits of Australian Poetry (Os primeiros frutos da poesia australiana), escrita por Barron Field.

O romance apareceu por volta de 1850. Os primeiros textos faziam descrições pitorescas das condições de vida na colônia, do banditismo à febre do ouro. O teatro constituiu-se num entretenimento habitual desde essa época. Durante o século XIX predominaram dois tipos de obras, de qualidade duvidosa: os dramas em verso e as adaptações de obras europeias famosas.

Século XX A partir do século XX o sucesso dos prosadores superou o dos poetas. Victor Daley compôs poemas românticos e algumas sátiras mordazes; Christopher Brennan trabalhou uma lírica simbolista de inspiração europeia; C. J. Dennis foi o continuador da tradição da balada e Kenneth Slessor escreveu vigorosos poemas dramáticos.

Literatura australiana

Os temas nacionalistas foram aos poucos perdendo força e a atenção se voltou para a vida urbana. A vida dos aborígines e suas relações com os colonos foram descritas por Aeneas Gunn. Com a trilogia The Fortunes of Richard Mahony (1917, 1925, 1929; A sorte de Richard Mahony), de Henry Handel Richardson (pseudônimo de Ethel F. L. Robertson), que exibia notável profundidade psicológica, o romance australiano conquistou maioridade.

A figura dominante da segunda metade do século XX foi Patrick White, que em 1973 ganhou o Prêmio Nobel de literatura, com obras de feição existencialista. Romancistas importantes do período foram também Martin Boyd, que em suas obras analisou a vida na Inglaterra e na Austrália; Randolph Stow, autor de narrativas de caráter simbólico, e Thomas Keneally.

A literatura dramática da Austrália, ainda que pouco numerosa, cresceu ao longo do século XX. Louis Esson pretendeu criar um teatro nacional semelhante ao que existia na Irlanda; todavia, as diferentes circunstâncias sociais e políticas dos dois países impediram que atingisse seu objetivo.

Literatura neozelandesaO fato de que os primeiros povoadores a se fixarem na Nova Zelândia foram comerciantes e livres colonizadores, ao invés de degredados, marcou notáveis diferenças entre a literatura australiana e a neozelandesa.

Século XIXAté o final do século XIX não existiu uma verdadeira literatura neozelandesa. Durante esse período, a prosa se caracterizou pelo realismo, vinculado aos acontecimentos do cotidiano. Os primeiros escritos foram crônicas e relatos autobiográficos, entre eles Old New Zealand (1863; Velha Nova Zelândia), de F. E. Maning, e First Year in Canterbury Settlement (1863; Primeiro ano na colônia de Canterbury), de Samuel Butler.

Literatura neozelandesa

As primeiras incursões na poesia foram de John Barr, autor de origem escocesa. Em 1898 apareceu The Long White Cloud (A grande nuvem branca), romance escrito por William Pember Reeves, o mais notável prosador da época.

Século XXNo início do século XX surgiu a figura mais relevante da literatura neozelandesa, a contista Katherine Mansfield, que, embora radicada na Inglaterra, desenvolveu temas neozelandeses nas obras At the Bay (1922; Na baía) e The Garden Party (1922; Festa no jardim), com as quais alcançou renome internacional. À mesma época pertencem Jane Mander, autora de The Story of a New Zealand River (1922; História de um rio da Nova Zelândia), e William Satchell.

Durante as décadas de 1920 e 1930 apareceram alguns poetas e prosadores notáveis. Entre os primeiros se destacam A. R. D. Fairburn, R. A. K. Mason e Denis Glover. Na prosa, quem mais se sobressaiu foi Frank Sargeson, autor de numerosos contos. O sucesso de todos eles deveu-se ao fato de terem utilizado em suas obras elementos locais, atendendo assim ao gosto de seus leitores, que, em sua maioria, eram camponeses. Os romancistas mais famosos desse período foram John A. Lee e John Mulgan, cujo Man Alone (1939; Homem solitário) é um dos mais notáveis romances neozelandeses. A história e o ensaio tiveram também representantes, entre eles, o célebre poeta Keith Sinclair.

Literatura Total