Finlândia, Aspectos Gerais da Finlândia

Finlândia, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos da Finlândia

FINLÂNDIA, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DA FINLÂNDIAGeografia: Área: 338.145 km². Hora local: +5h. Clima: temperado continental. Capital: Helsinque. Cidades: Helsinque (565.00), Espoo (221.900), Tampere (199.823), Vantaa (181.800), Turku (174.600) (2016).

População: 5,2 milhões (2016); nacionalidade: finlandesa; composição: finlandeses 98%, outros europeus 1,3%, somalis, vietnamitas, iugoslavos, lapões e outros 0,7% . Idiomas: finlandês, sueco (oficiais), lapão. Religião: cristianismo 92,8% (protestantes 89,6%, outros 7,7% - dupla filiação 4,5%), sem religião 5,4%, ateísmo 1,4%, outras 0,3%.

Relações Exteriores: Organizações: Banco Mundial, FMI, OCDE, OMC, ONU, UE. Embaixada: Tel. (61) 443-7151, fax (61) 443-3315 – Brasília (DF); e-mail: finlandia@terra.com.br, site na internet: www.finlandia.org.br.

Governo: República com forma mista de governo. Div. administrativa: 452 municipalidades. Partidos: Social-Democrata Finlandês (SDP), do Centro (Kesk), de Coalizão Nacional (Kok). Legislativo: unicameral – Parlamento, com 200 membros. Constituição: 2000. Território administrado: Ilhas Aland.

A Finlândia é uma nação escandinava que partilha com a Federação Russa uma extensa fronteira e séculos de história comum. O norte do território abrange parte da Lapônia, região montanhosa e semidesértica habitada por pastores de renas. Localizada além do Círculo Polar Ártico, a terra dos lapões apresenta a aurora boreal e dias inteiros de escuridão (no inverno) ou de luz (no verão). Uma planície pontilhada por 180 mil lagos predomina no restante do país, motivo pelo qual a população chama sua pátria de Suomi, que significa terra dos mil lagos em finlandês. Esse idioma, que não faz parte das línguas indo-europeias, tem parentesco com o estoniano e o húngaro. As florestas de coníferas cobrem dois terços da superfície da Finlândia, sustentando uma das mais desenvolvidas indústrias de madeira e papel do mundo. Fortemente abalado pelo fim da União Soviética (URSS), em 1991, o país se recupera após a adesão à União Europeia (UE), em 1995. É um dos líderes mundiais na produção de celulares e no uso de internet.

Bandeira da FinlândiaHistória da Finlândia

Tribos escandinavas chegam à região no século VIII e empurram os lapões, primitivos habitantes, para o norte. No século XII, russos e suecos disputam o território. Apoiados pelo papa, os suecos passam a ocupar e a cristianizar o país. Quatro séculos depois, torna-se grão-ducado sueco. O czar Alexandre I invade a Finlândia em 1809. No ano seguinte, o país é anexado ao Império Russo.

Conflitos com a URSS - A independência é declarada em dezembro de 1917, em seguida à Revolução Russa. Os socialistas finlandeses tentam tomar o poder, e, depois de uma guerra civil, a República é proclamada em 1919. Em 1939, a URSS invade a Finlândia, e, em 1940, o país é obrigado a ceder um décimo do território aos soviéticos. No contexto da II Guerra Mundial, a Finlândia alia-se em 1941 à Alemanha nazista contra a URSS. Derrotada em 1944, a nação sai devastada do conflito. Juho Paasikivi, primeiro-ministro de 1944 a 1946 e presidente de 1946 a 1956, estabelece relações cordiais com a URSS. O país paga pesadas indenizações aos soviéticos e lhes cede o istmo da Carélia e a região de Petsamo, perdendo o acesso ao mar de Barents, no norte. Firma, em 1948, pacto de defesa mútua com a URSS, mas, paralelamente, fortalece os laços com o Ocidente. A Finlândia sofre duramente com a dissolução do bloco comunista, em 1991. O Produto Interno Bruto (PIB) diminui 15% em três anos e as vendas para o vizinho caem de 25% do total exportado no fim dos anos 1980 para menos de 3% em 2000.
Helsinque, Capital da Finlândia
Helsinque, Capital da Finlândia

União Europeia - Em fevereiro de 1994, é eleito presidente Martti Ahtisaari, do Partido Social-Democrata Finlandês (SDP), favorável à UE. Seis meses depois, um referendo aprova a entrada do país no bloco econômico europeu, que se transforma no maior parceiro econômico da Finlândia. O país se destaca na produção de celulares, graças principalmente ao sucesso da Nokia, grande fabricante do ramo. O PIB cresce 4% em 1999 e 5,7% no ano seguinte. A prosperidade econômica finlandesa leva à vitória da coalizão de apoio ao primeiro-ministro social-democrata Paavo Lipponen, nas eleições legislativas de 1999. Em 2000, as eleições presidenciais são vencidas por Tarja Halonen (SDP), primeira mulher a ocupar o cargo no país.

Em março de 2003, o Partido do Centro (Kesk) vence as eleições parlamentares e se alia ao SPD, o segundo partido mais votado, para indicar Anneli Jäätteenmäki ao cargo de primeira-ministra. Uma denúncia contra Anneli leva a sua renúncia, apenas 63 dias depois. Ela é acusada de ter incitado o vazamento, durante a campanha eleitoral, de documentos secretos do governo de Lipponen sobre a Guerra do Iraque. Matti Vanhanen (Kesk) passa a ser o primeiro-ministro. Em março de 2004, Anneli Jäätteenmäki é absolvida da acusação. Em outubro, o Fórum Econômico Mundial aponta a Finlândia como o país de economia mais competitiva do mundo, pelo segundo ano consecutivo.

Ilhas AlandIlhas Aland

Área - 6.784 km².
População – 27,2 Mil (2011).
Idiomas - sueco.
Capital - Mariehamn.

Um arquipélago de 6.554 ilhas, das quais 60 habitadas, forma o território, situado no mar Báltico, entre a Finlândia e a Suécia. Embora pertença à Finlândia, a maior parte da população tem origem sueca, e a língua oficial é o sueco. Com grande autonomia, a região acompanha a decisão da Finlândia de ingressar na União Europeia (UE), em 1995, depois de realizar plebiscito próprio. A economia da ilha é baseada principalmente no transporte marítimo, em função da ligação Suécia-Finlândia, e no turismo.

Bandeira das Ilhas AlandAlvar Aalto

Hugo Alvar Henrick Aalto nasceu em 3 de fevereiro de 1898 em Kuortane, Finlândia. Considerado um dos mestres da arquitetura do século XX. Um ano após formar-se, em 1921, projetou um pavilhão para a Exposição Industrial de Tampere, no qual usou apenas materiais naturais da região, sem alterar sua aparência. O respeito pela integridade e pureza dos materiais evidenciou-se em seu primeiro sucesso internacional, o pavilhão finlandês na Exposição Internacional de Paris em 1937, chamado de "um poema à madeira".

Alvar Aalto
Aalto casou-se em 1923 com a arquiteta Aino Marsio, que até morrer, em 1949, colaborou em todos os seus projetos. Entre 1923 e 1927, projetou para a cidade de Jyväskylä uma série de prédios. Com uma visão cada vez mais pessoal e uma atividade incessante, revolucionou os conceitos arquitetônicos vigentes na Escandinávia, com obras como o Teatro Finlandês de Turku, a Biblioteca Municipal de Viipuri, mais tarde Viborg, o Sanatório de Tuberculosos de Paimio, a sede do jornal Turun-Sanomat de Turku e o complexo industrial e vila operária de uma fábrica de celulose em Sumila, que ampliou e remodelou mais tarde.

Após 1939, consagrado com uma exposição sobre seu trabalho no Museu de Arte Moderna de Nova York, ensinou arquitetura no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (1940-1947). São da década seguinte algumas de suas obras-primas, como a prefeitura de Säynatsälo, o Centro Cultural da Volkswagen em Wolfsburg, Alemanha, a igreja de Vuoksenniska e os museus de Aalborg, Dinamarca, e de Bagdá, Iraque.

As criações e lições plásticas de Aalto foram também essenciais ao desenvolvimento do desenho industrial no século XX, gerando novas idéias para móveis, luminárias e muitos outros objetos utilitários ou decorativos. A fase final de sua vida foi marcada pela colaboração com a também arquiteta Elissa Mäkiniemi, com quem se casou em 1952. Sua última grande obra foi o palácio Finlândia (1971), centro de atividades culturais e políticas em Helsinki. Aalto morreu nessa cidade em 11 de maio de 1976.

Sua obra caracterizou-se pelo empenho de conferir um caráter mais humano às estruturas geométricas próprias da arquitetura moderna, para o que ele buscou inspiração nas formas tradicionais de sua pátria.