Impressionismo | Movimento das Artes Plásticas Surgido na França

Tags

Impressionismo | Movimento das Artes Plásticas  Surgido na França


Movimento das artes plásticas desenvolvido na pintura, no final do século XIX, na França, e que influencia a música. Constitui-se no marco da arte moderna por ser o início do caminho rumo à dissolução do figurativismo. Embora mantenha alguns temas pictóricos do realismo, não se propõe a revestir a obra dos aspectos voltados para a denúncia social. Retrata paisagens urbanas e suburbanas, como o naturalismo, mas a diferença consiste no tratamento formal dado às imagens: os impressionistas buscam apreender o instante em que a ação acontece ao criar novas maneiras de captar a luz e as cores, decompondo-as. Nessa tendência em compor a imagem apenas na retina do espectador, demonstram um diálogo com conceitos da fotografia, nascida em 1827.

A primeira exposição pública impressionista realiza-se em 1874 em Paris. Entre os expositores está Claude Monet, autor de Impressão: o Nascer do Sol (1872), tela que dá nome ao movimento. Outros expoentes são os franceses Édouard Manet, Auguste Renoir, Alfred Sisley (1839-1899), Edgar Degas e Camille Pissarro (1830-1903). Para inovar a forma de pintar a luminosidade e as cores, os artistas dão enorme importância à luz natural. Nos quadros são comuns cenas passadas à beira do rio Sena, em jardins, cafés, teatros e festas. O que está pintado é um instante de algo em permanente mutação.

Com a dispersão do grupo, alguns artistas tentam superar as propostas básicas do movimento desenvolvendo diferentes tendências, agrupadas sob o nome de pós-impressionismo. Nessa linha se incluem os franceses Paul Cézanne e Paul Gauguin, o holandês Vincent van Gogh e o francês Georges Seurat (1859-1891).

Impressionismo, Movimento das Artes Plásticas  Surgido na FrançaPós-impressionismo – Influenciados pelos conhecimentos científicos sobre a refração da luz, os neo-impressionistas criam o pontilhismo, ou divisionismo. Os tons são divididos em semitons e lançados na tela em pequeninos pontos visíveis de perto, que se fundem na visão do espectador conforme a distância em que ele se coloca da obra. A preocupação em captar um instante dá lugar ao interesse pela fixação das cenas obtida da subdivisão das cores. Como resultado, elas tendem a exibir um caráter estático. Um exemplo é Uma Tarde de Domingo na Ilha da Grande-Jatte, de Seurat.

Embora inicialmente ligado ao impressionismo, Cézanne desenvolve uma pintura precursora do cubismo. Van Gogh alia-se ao expressionismo, enquanto Gauguin dá ao impressionismo uma dimensão simbólica que inspira o simbolismo e o expressionismo.

Música – As ideias do impressionismo são adotadas pela música por volta de 1890 na França. As obras se propõem a descrever imagens e várias peças têm nomes ligados a paisagens, como Reflexos na Água, do compositor francês Claude Debussy, pioneiro do movimento.

O impressionismo abandona a música tonal – estruturada com base na eleição de uma das 12 notas da escala (as sete básicas e os semitons) – como principal. Sustenta-se nas escalas modais (definidas pela recombinação de um conjunto de notas eleito como básico para as melodias de uma cultura) vindas do Oriente, da música popular européia e da Idade Média.

A obra de Debussy é marcada pela proximidade com poetas do simbolismo. Prelúdio à Tarde de um Fauno, considerado marco do impressionismo musical, ilustra um poema do simbolista Stéphane Mallarmé. Na ópera, Debussy rejeita o formalismo e a linearidade, como em Pelléas et Mélisande. Outro grande nome é o francês Maurice Ravel, autor de A Valsa e de Bolero.

Impressionismo no Brasil – Nas artes plásticas há tendências impressionistas em algumas obras de Eliseu Visconti, Georgina de Albuquerque (1885-1962) e Lucílio de Albuquerque (1877-1939). Uma das telas de Visconti em que se evidencia essa influência é Esperança (Carrinho de Criança), de 1916. Características pós-impressionistas encontram-se em obras de Eliseu Visconti, João Timóteo da Costa (1879-1930) e nas primeiras telas de Anita Malfatti, como O Farol (1915).

A música nacionalista, como a desenvolvida no Brasil por Heitor Villa-Lobos, retira muito de sua base do impressionismo.

http://www.klimanaturali.org
http://www.geografiatotal.com.br