Objeto voador não-identificado (OVNI)

Objeto voador não-identificado (OVNI)

Objeto voador não-identificado (OVNI)Objeto voador não-identificado é todo objeto ou fenômeno óptico visto no céu sem que haja uma causa imediata conhecida. O fenômeno é conhecido também pelas siglas OVNI ou UFO (unidentified flying object), ou pelo nome popular "disco voador", devido à forma mais comum que lhes é atribuída.

Prova do interesse despertado por objetos voadores não-identificados a partir de meados do século XX é ter o psicanalista Carl Gustav Jung dedicado ao assunto uma de suas últimas obras.

A primeira pesquisa oficial sobre OVNIs foi o projeto Livro Azul, iniciado em 1948 pela Força Aérea Americana. Em 1952, vários relatos de ocorrências, acompanhados de detecções por radar nas imediações do aeroporto de Washington, levaram o governo americano a convocar um debate com engenheiros, meteorologistas, físicos e um astrônomo. O encontro foi organizado pela Central Intelligence Agency (CIA), e o relatório final foi classificado como secreto. Divulgado mais tarde, o relatório revelou que noventa por cento das observações estudadas foram logo explicadas por fenômenos astronômicos ou meteorológicos (planetas, meteoros, auroras, nuvens iônicas) ou como aeronaves, pássaros, balões, ar quente, fachos de holofotes e outros fenômenos muitas vezes associados a condições meteorológicas especiais.

A publicidade dada ao tema na imprensa estimulou a imaginação e multiplicou o número de relatos de ocorrências em todo o mundo. Em 1966, um novo encontro chegou a conclusões semelhantes e também deixou alguns relatos sem explicação. Um grupo de cientistas admitiu que alguns depoimentos levavam a crer na presença de visitantes extraterrestres. Essa hipótese, tratada de forma sensacionalista pelos meios de comunicação, encontrou forte resistência de outros cientistas. A polêmica levou a Força Aérea Americana a organizar, em 1968, um estudo na Universidade do Colorado, sob a direção do físico Edward Condon. Depois da análise minuciosa de 59 relatos por um grupo de 37 cientistas, o relatório Condon rejeitou a hipótese de origem extraterrestre e declarou que não havia necessidade de estender as pesquisas sobre o assunto.

A conclusão não evitou, porém, que grande parcela da população e alguns cientistas continuassem a crer na hipótese extraterrestre. Para outros cientistas, a possibilidade de visitas de habitantes de outros planetas, embora remota, deveria continuar em estudo. Alguns sustentavam que a investigação seria útil, no mínimo, para estudos psicossociais. Em 1973, cientistas americanos organizaram o Centro para Estudos dos OVNIs. O mesmo fizeram outros países, como Canadá, que estudou 750 casos, Reino Unido, Suécia, Dinamarca, Grécia e Austrália.

Os depoimentos dos que afirmam ter visto OVNIs variam muito em função do grau de confiabilidade, do número de observadores independentes e das condições de observação. Sabe-se que é comum, sobretudo a olho nu, falsas visões de objetos na atmosfera. As hipóteses de engano vão desde alucinações até ilusões de óptica por reflexo de vidros ou óculos, luzes brilhantes ou balões. Também os radares podem ser "enganados" por interferência eletrônica, meteoros, nuvens, chuva etc.

www.klimanaturali.org