Rio Volta na África

Rio Volta na África

Rio Volta na África

O Rio Volta nasce da união dos rios Volta Branco e Volta Negro, que nascidos em Burkina Faso (antes Alto Volta), cruzam no sentido geral norte-sul a parte norte de Gana, antes de sua confluência, a cerca de 500km da foz, no golfo da Guiné. Seus maiores tributários são o Afram e o Oti. A extensão máxima do sistema é de aproximadamente 1.600km e a bacia soma cerca de 400.000km2, com vazão média de 1.210m3 por segundo.

O aproveitamento das águas do rio Volta motivou a construção de uma grande obra hidráulica que abastece de energia elétrica as principais cidades de três países africanos: Gana, Togo e Benin.

O Projeto Rio Volta, iniciado por Gana na década de 1960, viabilizou a construção de uma represa em Kpong e da gigantesca represa de Akosombo, que, com a formação do lago Volta, permitiu a regularização das águas e tornou o rio navegável numa extensão de cerca de 320km. O lago Volta, um dos maiores lagos artificiais do mundo, cobre uma área de cerca de 8.500km2. A produção de energia elétrica possibilitou a instalação de indústrias de alto consumo energético nas imediações.

A parte inferior do rio foi percorrida no século XV por portugueses que lhe deram o nome atual. Somente no fim do século XIX, no entanto, o rio passou a constar integralmente de mapas cartográficos.