Piauí, Aspectos Gerais do Estado do Piauí

Tags

Piauí, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos do Estado do Piauí  

PIAUÍ, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DO ESTADO DO PIAUÍ

Geografia – Área: 251.529,2 km². Relevo: terrenos baixos e arenosos no litoral, planaltos na maior parte e depressão a sudeste. Ponto mais elevado: serra Grande (865 m). Rios principais: Canindé, Gurguéia, Longá, Parnaíba, Piauí, Poti. Vegetação: mangue no litoral, mata de cocais a oeste e caatinga na maior parte. Clima: tropical e semi-árido no interior. Municípios mais populosos: Teresina (862.000), Parnaíba (165.100), Picos (80.700), Piripiri (69.600), Floriano (61.180), Barras (48.200), Campo Maior (47.900), União (46.600), Altos (42.080), Pedro II (41.100) (2016). Hora local: a mesma. Habitante: piauiense. 

População – 3.300.000 (2016).

Capital – Teresina. Habitante: teresinense. População: 862.000 (est. 2016).

Dos estados do Nordeste, o Piauí (PI) é o de litoral menos extenso: apenas 66 quilômetros. Trata-se, entretanto, de um trecho privilegiado, pois na divisa com o Maranhão situa-se o delta do rio Parnaíba, único em mar aberto do continente americano. O ecossistema do lado piauiense é extremamente rico, semelhante ao da Amazônia, com grande número de ilhas, lagoas, igarapés e praias de areia fina, tomadas por dunas e coqueirais. De clima tropical no litoral e semi-árido no interior, o Piauí enfrenta longos períodos de seca, e grande parte de sua área é coberta pela vegetação da caatinga.

Índices sociais – Com uma renda per capita de 8.110 reais, que não chega a um terço da média nacional, o Piauí ocupa a terceira mais baixa colocação no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil. O estado tem o segundo mais alto índice de analfabetismo do país, atrás apenas de Alagoas. Quase 35% dos domicílios de seus 221 municípios não possuem água encanada, 56% não dispõem de rede de esgoto e 47% não contam com coleta de lixo. Apenas 44% das casas estão ligadas à rede elétrica. Embora o Piauí apresente a menor taxa de mortalidade infantil do Nordeste, o índice de 22,1 mortes a cada mil nascidos vivos é considerado alto. A média nacional – também alta – é de 14,5 mortes por mil.

Bandeira do PiauíEconomia – A economia do estado é dependente da agropecuária extensiva. Os principais rebanhos são de cabra e ovelha, que se adaptam bem ao clima semi-árido. O rebanho caprino do Piauí é o segundo do Nordeste, só perdendo para o da Bahia, e o ovino, o terceiro, atrás dos da Bahia e do Ceará. Os principais produtos agrícolas são a cana-de-açúcar, a mandioca, o milho e a soja. O estado está entre os maiores produtores e beneficiadores de castanha de caju do país. No extrativismo destacam-se a carnaúba, o babaçu, o buriti e o coco. Por não necessitar de muita água, a apicultura ganha força no estado, que já é o maior produtor de mel do país. As novas plantações no cerrado piauiense anunciam grande mudança no perfil agrícola do estado. Visto como uma das novas fronteiras para a soja brasileira, a região atrai produtores do Sul, e a produção do grão cresce rapidamente. A expansão das plantações de soja, no entanto, faz aumentar o desmatamento. Os polos industriais situam-se em Teresina, Parnaíba, Picos e Floriano. Incentivos do governo estadual atraem, a partir de 1996, diversas indústrias, sobretudo químicas, de transformação, têxteis e de extração vegetal. Apesar disso, a produção industrial ainda é pequena. Os principais produtos exportados são os manufaturados da agroindústria e do extrativismo. As importações são de máquinas, material elétrico e tecidos sintéticos. O setor de serviços e comércio responde por 66,5% da economia estadual.

Turismo – Além da riqueza ambiental e da exuberância da paisagem, que mistura rio, dunas e mar no delta do Parnaíba, o turismo piauiense se apoia em importantes sítios arqueológicos, entre os quais os parques nacionais da Serra da Capivara e das Sete Cidades. O primeiro, considerado desde 1991 patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), abriga mais de 400 sítios arqueológicos. No Parque Nacional das Sete Cidades, ao norte, encontram-se formações rochosas datadas de milhões de anos, além de pinturas rupestres.

Pendência histórica – Na divisa com o estado do Ceará existe um trecho de quase 3 mil quilômetros quadrados que não faz parte, oficialmente, de nenhum dos dois estados. Tecnicamente, é uma área de litígio, mas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), não há disputa pela terra. Na área estão alguns dos piores solos da região.

Capital – Em Teresina, a capital, vivem 810 mil dos 3,1 milhões de habitantes do estado. Localizada às margens do rio Parnaíba, na divisa com o Maranhão, a quase 350 quilômetros do litoral, a cidade é a única capital nordestina que não fica à beira-mar. O motivo é o processo de colonização do estado, que, ao contrário do restante da Região Nordeste, ocorreu do interior para o litoral.

História do estado do Piauí
Teresina, Capital do Piauí
Teresina, Capital do Piauí

As autoridades portuguesas enviam várias expedições colonizadoras à região do Piauí no decorrer do século XVII, mas a ocupação efetiva do território se dá a partir de 1661, quando lá se fixam as primeiras levas de colonos procedentes da Bahia e de São Paulo. Dessa época em diante, a região é rapidamente desbravada.

Ocupação do estado – Há pelo menos três grandes correntes de ocupação na fase de desbravamento do território. Uma sai do Maranhão, pelos vales dos rios Itapicuru e Poti; outra, do Ceará, pela serra do Ibiapaba; e a principal, da Bahia, pelo sertão do Cabrobó. São colonos baianos que assumem o controle inicial do Piauí, estabelecendo-se na região que corresponde ao sudeste do estado, pois penetram pelo rio São Francisco, ao receber da Coroa portuguesa generosas doações de terra. Bandeirantes paulistas e colonos combatem ou eliminam os grupos indígenas mais hostis – como os índios tremembés – e instalam os primeiros povoados na região. Ao longo dos rios Piauí, Canindé e Parnaíba, são construídos os primeiros currais de gado.Em 1811, o Piauí separa-se do Maranhão e se torna capitania. Para garantir sua autonomia, os piauienses aderem à causa da independência e enfrentam as forças portuguesas, ao lado de maranhenses e cearenses, até 1823. Entre 1838 e 1841, a província do Piauí é novamente agitada por uma insurreição de caráter social e popular irradiada do Maranhão, a Balaiada.

Limitação econômica – Na segunda metade do século XIX, com a capital provincial já instalada em Teresina, o Piauí atravessa longo período de relativa estabilidade política, mas também de baixo crescimento econômico. O predomínio das oligarquias agrárias é facilitado pelo isolamento do estado. A implantação de uma ferrovia e de uma companhia de navegação a vapor no rio Parnaíba não chega a alterar significativamente a situação geral da economia, limitada à agropecuária extensiva e pouco produtiva e a uma pequena indústria de transformação, como a da cera de carnaúba. Essas condições se mantêm no período republicano, e o Piauí permanece como um dos estados mais pobres do país.

Fonte: http://www-geografia.blogspot.com.br/