Bucha (Luffa spp), Planta Herbácea Trepadeira

Tags

Bucha (Luffa spp), Planta Herbácea Trepadeira

Bucha (Luffa spp), Planta Herbácea TrepadeiraAspectos Gerais - A bucha - Luffa spp, Dicotyledonae, Cucurbitaceae - é uma planta herbácea trepadeira, tem espécies originárias na Ásia, na África e na América. Crê-se ter sido trazida ao Brasil pelos portugueses sendo cultivada desde o norte do país a São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso.

Entre as espécies mais encontradiças e utilizadas encontram-se
- Bucha-de-metro: (variedade da Luffa cylindrica): Fruto com 0,8-1,6m. de comprimento, dotado de fibras finas, resistentes, elásticas e macias ( de "boa lã" ); é o tipo mais importante comercialmente. Inteiro ou em pedaços com 10-15cm. é utilizado como esponja-de-banho (atua circulação do sangue) na fabricação de luvas forradas com pano (também para banho), como esponja para limpeza e em peças de artesanato.

- Bucha-de-purga: (Luffa acutangula, Roxb): produz frutos comestíveis quando pequenos e verdes e utilizados na medicina caseira quando grandes. A polpa tem efeitos purgativos e diuréticos; folhas, raízes e ramos normalizam ciclo menstrual e eliminam distúrbios do fígado. A fibra do fruto é usada em massagens; serve também como esponja e para a confecção de chapéus, palmilhas de sapato, cestos, chinelos e correias. As sementes fornecem óleo de boa qualidade e funcionam como vomitivos e purgantes (medicina homeopática). Usada também em avicultura.

- Buchinha: (Luffa operculata Cogn): com frutos pequenos, ásperos, que contem a substância buchinina (de uso medicinal), é também conhecida como cabacinha, abobrinha-do-norte, bucha-dos-caçadores. Suco da polpa usado como vermífugo, frutos secos são purgativos, vomitivos e diuréticos e usados no tratamento de oftalmias e herpes. É purgativo para aves e utilizado como bucha para armas.

Ainda existem a bucha-comum, a japonesa, a paulista.

Usos Gerais dos Frutos das Buchas - Em medicina como vomitivos, diuréticos, purgativos, ativador da circulação periférica dos humanos, vermífugos.

- Na higiene pessoal do homem.

- No setor industrial automotivo (estofamento de bancos).

- Na produção de artefatos artesanais(chinelos, cestos, tapetes, chapéus, palmilhas para sapatos, correias).

- Em pecuária como purgativo para aves.

O valor comercial da bucha depende do tamanho dos frutos e textura das fibras para outra linha.

Clima - Planta de clima tropical com bom desenvolvimento em regiões mais quentes. Suporta temperaturas até 35ºC (faixa entre 22 e 35ºC) com ótimo em 28ºC. Exige luminosidade (não cultivar em local sombreado) e umidade para desenvolver-se. Chuvas devem estar acima de 1.200 mm/anuais bem distribuídos.

A bucha-de-metro adapta-se a regiões com altitude de 900 a 1200m. e temperaturas entre 22ºC e 25ºC.

Solo - O solo deve ser permeável bem drenado, com pH em torno de 6,0, areno-argiloso a argilo-arenoso, com bom teor de matéria orgânica e não sujeito a encharcamento.

Plantio - Sementes: devem ser extraídas de frutos bem desenvolvidos, sadios, das plantas mais produtivas da safra anterior; retiradas do fruto devem ser lavadas e postas a secar na sombra e sobre jornal. Próximo ao semeio colocar sementes em recipientes com água. Utilizar as sementes que vão ao fundo do recipiente.

- Em caso - raro - de grandes plantios deve-se aplicar 30 toneladas de esterco de curral bem curtido por hectare (8t de esterco de aves) e máximo de 1t de calcário dolomitico (metade antes, metade depois da aração). Em plantios pequenos (de ordinário ao longo de cercas) aplica-se 1Kg. de esterco de curral e 200g. de calcário dolomitico por cova, na sua abertura.

- Segundo a natureza de terreno as covas devem ter dimensões entre 20cm. x 20cm. x 20cm. e 40cm. x 40cm. x 40cm. e serem abertas 30 dias antes do plantio; o espaçamento pode ser 2,5m. x 2,5m., 3m. x 3m. e 3,5m. x 3,5m.

Plantio(Semeio) - É feito no início da estação chuvosa, em terrenos planos a levemente ondulados.

- Necessita-se 500g. a 1.000g. de sementes para semeio de 1 hectare; lança-se quatro a cinco sementes por cova a 2-3cm. de profundidade.

- Para condução da planta utiliza-se de carramanchões (plantios comerciais) ou cercas (plantio caseiro). Para o carramanchão usa-se postes grossos com 3m. de altura, fincados em torno da área com distância de 3m. entre eles; arame farpado e fixado entre mourões. No sentido da largura menor do terreno coloca-se fios de arame liso n.º 12, a 2m. de altura, passando por cima da linha das covas. Cruzando com o arame grosso vai arame fino (n.º 18) com espaçamento de 40cm..

Por fim coloca-se bambu de 2,2m. de altura a 10cm. da cova (servindo para 2 pés). A planta sobe pelo bambu (amarrada a ele em 4 pontos) até o carramanchão.

Tratos Culturais - Manter as plantas livres da concorrência de ervas. Chegar terra na base da planta.

- Efetuar desbaste das plantinhas com 10cm. de altura (2-3 folhas verdadeiras) deixando as 2 mais vigorosas.

- Efetuar desbrota, nas plantas em crescimento, deixando só a haste principal até que a planta alcance o carramanchão ou a cerca.

- Diariamente colocar brotações sobre o arame.

- Ao começar a se formar a buchinhas eliminar 30% das flores.

- Adubar em cobertura ,com solo úmido, 1 vez por mês a cova com mistura de 20g. de uréia, 50g. de superfosfato simples e 10g. de cloreto de potássio.

Pragas
Broca-das-cucurbitáceas (Diaphania spp, Lepidoptera) - Adulta é mariposa marron- violacea, asas com área central amarela; a forma jovem -larva ou lagarta - tem corpo esverdeado. Alimenta-se de qualquer órgão da planta principalmente do fruto. Destrói a polpa resultando em apodrecimento do fruto.

Controle: instalação de armadilhas luminosas e pulverização da planta com produtos defensivos químicos agrícolas à base de carbaryl (Carvin, Sevin) ou triclorfom (Dipterex).

Vaquinha verde-amarela: (Diabrótica speciosa, Coleoptera) - Adulto é besourinho verde amarelado com cabeça e abdome castanhos que se alimenta das folhas; a fase jovem é uma lagarta afilada, branca, sem patas, que vive no solo e alimenta-se de raízes.

Controle: Pulverização das folhas com produtos a base de deltametrina (Decis), fentiom (Lebaycid) ou triclorfom (Dipterex).

Outras Pragas: lagarta-rosca, percevejo, pulgão.

Doenças - Podridão estilar: Doença fisiológica causada por deficiência de nutrição (destruição de raízes na capina, insuficiência de cálcio no solo, excesso de adubos nitrogenados).

Colheita - A bucha-de-metro é colhida quando a planta alcança 5 a 6 meses de vida. Para uso comercial/exportação o fruto deve ser colhido quando maduro (coloração amarelada e casca mais aderida). A colheita pode durar 4 meses. Casca e sementes são retiradas batendo-se o fruto, contra superfície dura; em seguida as fibras lavadas em água corrente e postas a secar. Só para fornecer sementes colhe-se o fruto seco. 

Cada cova pode produzir 8 a 12 buchas-de-metro; o hectare pode produzir, com 1.100 covas, 8.000 unidades de bucha.

As buchas-de-metro são vendidas em pacotes de 1 dúzia e pacotes com várias dúzias.

Bibliografia Consultada

Guia Rural Plantar pg. 55
São Paulo - 1992
Editora Agronômica Ceres
Manual de Entomologia
São Paulo - 1978

www.klimanaturali.org