Economia Açucareira no Brasil Colônia

Economia Açucareira no Brasil Colônia

Economia Açucareira no Brasil Colônia
Após o descobrimento do Brasil, Portugal naturalmente se viu obrigado a proteger o novo território das ameaças externas. A partir de 1530, os portugueses procuraram proporcionar uma colonização que, além de garantir seu domínio sobre a colônia, fosse algo lucrativo. Assim, percebendo que não tinham tantos recursos, resolveram incentivar o cultivo da cana-de-açúcar, algo relativamente simples, aparentemente lucrativo e favorável, uma vez que o clima do Brasil era bastante propício.

O sistema agrícola utilizado no Brasil foi o chamado “plantation”, o qual tinha três características fundamentais: a monocultura, o uso da mão-de-obra e a política de exportação. A necessidade de lucro rápido resultou na criação de uma monocultura, ou seja, praticamente não havia nenhuma outra atividade econômica desenvolvida na colônia. A questão da mão-de-obra foi resolvida por meio da exploração do negro africano, uma vez que os índios não aceitaram aquela rotina de trabalho. Além disso, o tráfico de escravos foi se tornando outro negócio rentável para Portugal.

Economia Açucareira

Praticamente todo o açúcar produzido no Brasil era exportado para a Europa, uma vez que o produto tinha uma grande demanda no continente europeu. Entre outras consequências, a economia açucareira resultou na formação de grandes latifúndios.

Economia AçucareiraEconomia Açucareira

Com o aumento das exportações de açúcar de cana para a Europa, em virtude de seu preço baixo e do consumo crescente no Velho Mundo, a agricultura canavieira torna-se, desde o século XVI, o setor mais importante da economia colonial. As plantações e os engenhos da Zona da Mata nordestina e do Recôncavo Baiano constituem o maior polo açucareiro da colônia, seguido por áreas do Maranhão, do Rio de Janeiro e de São Paulo. Grande volume de capital é investido na preparação das terras, no plantio e na compra de equipamentos e de escravos. Produzidos e encaixotados pelos engenhos, os "pães de açúcar" são embarcados para Portugal e Holanda, onde são refinados. O produto final é comercializado na Europa por mercadores portugueses e flamengos.

Economia Açucareira

Após a expulsão dos holandeses do Nordeste, em meados do século XVII, o setor passa a enfrentar maior concorrência externa com o surgimento de novos centros produtores nas Antilhas e nas Guianas. As companhias de comércio portuguesas, monopolistas, criadas para financiar a produção colonial e garantir a comercialização do produto na Europa, não dispõem de recursos para mais investimentos. O tabaco e o algodão, também cultivados e exportados desde o início da colonização brasileira, tornam-se alternativas complementares ao açúcar. Esses produtos têm um mercado mais reduzido e, salvo em breves períodos, não chegam a ter a mesma importância econômica da cana-de-açúcar.

www.klimanaturali.org
www.geografiatotal.com.br