Nauru, Aspectos Gerais de Nauru

Tags

Nauru, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos de Nauru

NAURU, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DE NAURUGeografia – Área: 21,2 km². Hora local: +14h30. Clima: tropical. Capital: Yaren (administrativa). Cidades: Yaren (820) (distrito), Aiwo (680), Anetan (470), Anabar (330), Anibare (200) (2016).

População – 13,4 mil (2016); nacionalidade: nauruana; composição: nauruenses 58%, melanésios, micronésios e polinésios 26%, chineses 8%, europeus 8%. Idiomas: inglês, nauruense (oficial). Religião: cristianismo 75% (protestantes 50,8%, católicos 25,4%, outros 9% - dupla filiação 10,2%), crenças populares chinesas 10,5%, bahaísmo 9,4%, sem religião 3,5%, budismo 1,4%. Moeda: dólar australiano.

Relações Exteriores – Organizações: Comunidade Britânica, ONU. Embaixada: Missão Permanente de Nauru junto às Nações Unidas. 800, Second Avenue, suite 400D, New York, NY 10017, EUA.

Governo – República parlamentarista. Div. administrativa: 14 distritos. Presidente: Ludwig Scotty (desde 2004). Partidos: Primeiro de Nauru, Democrático de Nauru. Legislativo: unicameral – Parlamento, com 18 membros. Constituição: 1968.

Nauru é uma pequena ilha localizada no oceano Pacífico, no centro-norte da Oceania. Menor república do planeta, a extensão de todo seu perímetro é de apenas 19 quilômetros. Após décadas de exploração predatória de fosfato, na área central da ilha, 80% do território está inabitável e incultivável, com enormes crateras. Os nauruanos se concentram numa estreita faixa costeira. Nauru pode ter suas jazidas de fosfato esgotadas em poucos anos e busca alternativas econômicas, como tornar-se um centro financeiro. O país importa alimentos e até água potável.

Bandeira de NauruHistória de Nauru

O inglês John Fearn chega à ilha em 1798. Em meados do século XIX, os alemães encontram ali grandes depósitos de fosfato. Durante a I Guerra Mundial, em 1914, a Austrália ocupa o território e mantém seu domínio após o fim do conflito, por mandato da Liga das Nações, que também indica Reino Unido e Nova Zelândia como co-administradores. Os três países exploram de forma conjunta as reservas de fosfato a partir de 1919. Em 1942, durante a II Guerra Mundial, os japoneses invadem Nauru e levam 1,2 mil do total de 1,8 mil nativos do país para trabalhar nas ilhas Carolinas (atual Micronésia). Após a guerra, torna-se um território sob tutela da Organização das Nações Unidas (ONU), administrado pela Austrália, com o auxílio do Reino Unido e da Nova Zelândia. A independência é conquistada em 1968. Em 1993, a Austrália concorda em pagar uma compensação Nauru pela exploração predatória de fosfato. Nova Zelândia e Reino Unido também contribuem.

 Yaren, Capital de Nauru
 Yaren, Capital de Nauru
Paraíso fiscal – Em 1995, o Parlamento elege Lagumot Harris para presidente. A partir de novembro de 1996, Nauru troca de presidente três vezes em quatro meses, em meio a uma luta política entre Harris e o ex-presidente Bernard Dowiyogo. Em 1997, Kinza Clodumar, aliado de Dowiyogo, é eleito para o cargo. No ano seguinte é substituído pelo próprio Dowiyogo. Rene Harris sucede-o em 1999, mas renuncia em 2000, e Dowiyogo é empossado mais uma vez. Nesse ano, um relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) inclui Nauru na relação de países classificados como paraísos fiscais, em virtude das facilidades concedidas a investimentos estrangeiros.

Rene Harris torna-se presidente em 2001. O governo acolhe temporariamente 1,2 mil refugiados que a Austrália se recusa a abrigar. Recebe, em troca, 30 milhões de dólares australianos. Em dezembro de 2003, a OCDE retira o país da lista de paraísos fiscais. A grave situação financeira leva Nauru a pedir ajuda à Austrália, em abril de 2004. Em junho, o Parlamento derruba o governo de Harris, substituindo-o por Ludwig Scotty. No mês seguinte, a Austrália envia uma delegação à ilha encarregada de propor reformas econômicas. Em outubro, Scotty dissolve o Parlamento. Nas eleições gerais realizadas no mesmo mês obtém maioria parlamentar e é reeleito presidente.

Fonte: http://www-geografia.blogspot.com.br/