Noruega, Aspectos Gerais da Noruega

Tags

Noruega, Aspectos Geográficos e Socioeconômicos da Noruega

NORUEGA, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS DA NORUEGAGeografia – Área: 323.877 km². Hora local: +4h. Clima: temperado oceânico (litoral), temperado continental (interior), frio (N). Capital: Oslo. Cidades: Oslo (800.000), Bergen (218.000), Stavanger (170.700), Trondheim (145.000) (2016).

População – 4,8 milhões (2016); nacionalidade: norueguesa; composição: noruegueses 96,3%, dinamarqueses 0,4%, suecos 0,3%, ingleses 0,3%, paquistaneses 0,2%, norte-americanos 0,2%, iugoslavos 0,2%, iranianos 0,2%, outros 1,9% . Idiomas: norueguês (oficial), lapão. Religião: cristianismo 94,3% (protestantes 94,2%, outros 4,8% - dupla filiação 4,7%), outras 3,2%, sem religião e ateísmo 2,5%. Moeda: coroa norueguesa.

Relações Exteriores – Organizações: Banco Mundial, FMI, OCDE, OMC, ONU, Otan. Embaixada: Tel. (61) 443-8720, fax (61) 443-2942 – Brasília (DF); e-mail: embno@terra.com.br, site na internet: www.brasilia.mfa.no.

Governo – Monarquia parlamentarista. Div. administrativa: 19 condados subdivididos em municipalidades. Chefe de Estado: rei Harald V (desde 1991). Partidos: Trabalhista Norueguês (DNA), Conservador (H), do Progresso (FrP), Democrata-Cristão (KrF), Socialista de Esquerda (SV), do Centro (Sp), Liberal (V). Legislativo: unicameral – Parlamento, com 165 membros. Constituição: 1814. Territórios administrados: Jan Mayen e Svalbard.

Um terço do território norueguês está situado ao norte do Círculo Polar Ártico. No extremo norte, o Sol permanece visível no céu durante 24 horas no verão. Por isso, o país é conhecido como a Terra do Sol da Meia-Noite. Localizada no oeste da península Escandinava, a Noruega conta com extensa costa no oceano Atlântico, recortada por fiordes – golfos estreitos cercados por montanhas. No centro e no sul, onde estão as principais cidades e a capital, Oslo, a corrente quente do golfo ameniza a temperatura e mantém o litoral acessível o ano todo. A população desfruta excelente qualidade de vida – a Noruega ostenta, desde 2001, o mais alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo. A economia apóia-se na extração de petróleo, responsável por quase 50% dos rendimentos de exportação, e de gás natural. O país dispõe de enormes reservas desses produtos no mar do Norte. Outra importante fonte de riqueza é a produção pesqueira.

Bandeira da NoruegaHistória da Noruega

Por cerca de mil anos, os povos da Escandinávia (atuais Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia) permanecem ligados histórica e culturalmente. Entre 800 e 1050, os vikings conquistam e colonizam a região. Um importante código de leis norueguês é criado no século XIII por Magnus VI, o Legislador. A Noruega, a Dinamarca e a Islândia formam um único país de 1380 até o início do século XIX. Em 1814, a Dinamarca, aliada da França nas guerras napoleônicas, perde a Noruega para a Suécia. O sentimento nacionalista, acompanhado do renascimento cultural no fim do século XIX, traz reivindicações de independência. O fim da união com a Suécia, decidido num plebiscito em 1905, é aceito pelos suecos. O príncipe Carl, da Dinamarca, torna-se o rei Haakon VII e permanece à frente do país até sua morte, em 1957. Seu filho, Olav V, o sucede.

Oslo, Capital da Noruega
Oslo, Capital da Noruega
Guerras mundiais – A Noruega permanece neutra na I Guerra Mundial e na II Guerra é ocupada pelos nazistas, em 1940. Um governo fantoche liderado por Vidkun Quisling é formado em Oslo. O rei, no exílio, organiza um governo no Reino Unido. A Noruega é libertada em 1945, e Quisling, fuzilado por traição. Após a guerra, o país abandona a neutralidade e se filia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Em 1965, o Partido Trabalhista Norueguês (DNA), no poder desde 1935, perde a maioria no Parlamento.

Não à UE – O DNA e o Partido Conservador (H) se revezam em governos com frágil apoio no Parlamento, entre 1980 e 1990. Em 1991, o rei Olav V morre e é sucedido por seu filho, Harald V. Em 1994, os noruegueses reprovam em referendo a adesão à União Européia (UE). A rejeição parte de agricultores e pescadores, que temem a competição dos países vizinhos. Em 1998, o país vê seus problemas econômicos agravados com a queda no preço do petróleo. Em 2000, o Parlamento retira o apoio ao primeiro-ministro, o democrata-cristão Kjell Magne Bondevik, que se recusa a aprovar a construção de duas centrais elétricas movidas a gás por temer a poluição ambiental. Ele é substituído pelo trabalhista Jens Stoltenberg. A alta dos preços do petróleo recupera a economia.

Nas eleições de 2001, os trabalhistas têm o pior desempenho em 90 anos, conquistando somente 43 dos 165 assentos do Parlamento. A derrota é atribuída à política de aumento de impostos. Os partidos Conservador (H), Democrata-Cristão (KrF) e Liberal (V), que somam 62 cadeiras, formam novo governo, com o apoio do Partido do Progresso (FrP), de extrema direita, contrário à imigração. O democrata-cristão Bondevik volta a ser o premiê. Em junho de 2004, os petroleiros entram em greve para reivindicar melhorias nas aposentadorias e mais segurança no trabalho. Após oito dias de paralisação, o governo intervém para pôr fim ao movimento, que coloca em risco as metas de exportação do país.

Atentados e massacre em 2011 - Os atentados de 22 de julho de 2011 na Noruega consistiram numa explosão na zona de edifícios governamentais da capital, Oslo, e num tiroteio ocorrido poucas horas depois, na ilha de Utøya (no lago Tyrifjorden, Buskerud). Os atentados resultaram em pelo menos 76 mortos (68 em Utoya e 8 em Oslo). Na ilha de Utøya, ao norte da capital, um homem armado abriu fogo contra os participantes de um acampamento de jovens («universidade de verão»), organizado pela juventude do Arbeiderpartiet (Partido Trabalhista Norueguês), que atualmente está no governo do país. Entre 400 e 600 pessoas participavam do evento e pelo menos 68 foram mortas no atentado. O atirador, vestido com um uniforme de policial, justificou a sua entrada no campo como «verificação de rotina após o atentado em Oslo» e começou a disparar contra os jovens. Era prevista uma visita do primeiro-ministro Jens Stoltenberg ao acampamento.

Jan Mayen

Jan Mayen

Área - 377 km².
População - 15 a 25 habitantes, substituídos a cada ano.
Idioma - norueguês.

Pequena ilha vulcânica situada no mar Glacial Ártico, pertencente à Noruega. Desde a metade do século XIX é uma importante área de caça de focas. Jan Mayen abriga apenas funcionários da estação meteorológica, da central de rádio costeira e da rede de navegação de longa distância. A pesca é abundante o ano todo. Não há acomodações nem transporte público no território e visitas em geral só são permitidas com propósitos científicos.

Svalbard

Longyearbyen
Longyearbyen
Área - 61.229 km².
População – 2.400 (2016).
Idioma - norueguês.
Capital: Longyearbyen

Svalbard

O arquipélago ocupa a parte mais setentrional do reino da Noruega, no mar Glacial Ártico. Abriga um centro de pesquisas da Polônia e uma estação de radar móvel, além de uma pista de helicópteros e minas de carvão da Federação Russa e da Noruega. Aproximadamente metade do território é uma reserva ambiental.
Roald Amundsen

Roald Amundsen

Nascido em Borge em 16 de julho de 1872, filho de um armador, Roald Amundsen abandonou aos 21 anos os estudos de medicina para embarcar pela primeira vez. Em 1897 fez parte da expedição belga ao círculo polar antártico e, entre 1903 e 1906, com um barco de sua propriedade, o Gjöa, e uma tripulação de seis homens, atravessou os mares gelados do norte do continente americano, da baía de Baffin até o estreito de Bering. Durante os dois anos que durou essa aventura, Amundsen realizou estudos sobre o deslocamento do pólo magnético.

Um dos últimos grandes exploradores, o norueguês Roald Amundsen foi o primeiro a vencer as geleiras da Antártica, conquistando o pólo sul. Mas seu espírito corajoso e a solidariedade com o amigo e companheiro Umberto Nobile fizeram-no encontrar a morte nas águas geladas do Ártico.

Em 1909 propôs-se conquistar o pólo norte mas, como Robert Peary se antecipou, dirigiu sua expedição para a Antártica. Partindo de um acampamento-base situado nas bordas da península de Eduardo VII, alcançou o pólo sul, junto com quatro companheiros, em 14 de dezembro de 1911, apenas 34 dias antes que a expedição de Robert Falcon Scott alcançasse o mesmo objetivo. Mais tarde, Amundsen prosseguiu com suas explorações e, depois de várias tentativas fracassadas, em 11 de maio de 1926 sobrevoou o pólo norte, de Spitsbergen - posteriormente Svalbard -, ao norte da Noruega, até o Alasca, a bordo do dirigível Norge. Com ele estavam o explorador americano Lincoln Ellsworth e o engenheiro aeronáutico italiano Umberto Nobile. Dois anos depois, por volta de 18 de junho de 1928, ao tentar resgatar Nobile de um acidente, o avião em que Amundsen viajava, o Latham, desapareceu no oceano Glacial Ártico.

Niels Henrik AbelNiels Henrik Abel

Niels Henrik Abel nasceu na ilha norueguesa de Finnöy, em 5 de agosto de 1802. Aos 13 anos foi enviado a Christiania (Oslo) com o irmão mais velho para estudar. Seu professor, futuro organizador de suas obras, Bert Michael Holmboe, descobriu imediatamente a capacidade intelectual do novo aluno e sua aptidão para a matemática. Após a morte do pai, em 1920, com a família reduzida à extrema pobreza, recebeu a ajuda de professores para ingressar na Universidade de Oslo. Seu primeiro trabalho foi publicado em 1923.

"Chegou, para os matemáticos, algo que poderá mantê-los ocupados nos próximos 500 anos." Com esse comentário, um respeitado especialista da época recebeu as teses de Abel sobre questões algébricas e cálculo integral.

Uma bolsa de estudos levou-o a Berlim em 1925, onde seus trabalhos foram publicados no primeiro número da única revista da época dedicada exclusivamente à matemática, Journal für die Reine und Angewandte Mathematik. Visitou Praga, Viena, Itália e Paris, onde apresentou uma dissertação sobre integrais de funções algébricas, só publicada 12 anos após sua morte.

Junto com seu contemporâneo Évariste Galois, Abel  estabeleceu um marco na história da matemática ao substituir a resolução de questões particulares pela elaboração de teorias amplas e métodos gerais aplicáveis a grande número de casos. A ele se deve o estudo sistemático das funções algébricas e a demonstração do teorema de Abel, que versa sobre a classe de integrais chamadas abelianas. Demonstrou também a impossibilidade de resolver por meios algébricos a equação de quinto grau.

Durante sua permanência em Paris, Abel soube que sofria de tuberculose. De volta à Noruega, sobreviveu dando aulas e prosseguiu com suas pesquisas até a morte em Froland, em 6 de abril de 1829. Sua teoria foi publicada pela Academia Francesa de Ciências.
Øystein Aarseth

Øystein Aarseth

Øystein Aarseth (1968-1993) conhecido pelo nome artístico de "Euronymous", foi um guitarrista do grupo norueguês de black metal Mayhem. Foi também o fundador da Deathlike Silence, a sua própria editora discográfica dedicada à divulgação de grupos de black metal. Euronymous foi assassinado por Kristian "Varg" Vikernes em 1993 com 23 facadas, duas facadas na cabeça, cinco no pescoço e dezesseis nas costas.

Fonte: http://www-geografia.blogspot.com.br/