Holocausto na Segunda Guerra Mundial

Holocausto na Segunda Guerra Mundial

Holocausto na Segunda Guerra MundialChama-se Holocausto a perseguição movida pelos nazistas aos judeus e outras minorias nos territórios dominados pelos alemães. Marcado pela violência e pelo terror, o período compreendido entre 1933 e 1945 chegou ao auge com a "solução final" ("die Endlösung", em alemão): a deliberação de exterminar os judeus da Europa.

O massacre a que os nazistas submeteram os judeus antes e durante a segunda guerra mundial na Europa ficou conhecido como Holocausto. Depois disso, as esperanças do povo judeu se concentraram na criação e preservação do Estado de Israel, e no julgamento dos criminosos de guerra nazistas.

A primeira medida voltada para perseguir os judeus na Alemanha foi tomada um mês depois que Adolf Hitler tornou-se chanceler (primeiro-ministro) em 30 de janeiro de 1933. Os judeus foram demitidos de postos administrativos, tribunais e universidades, e suas lojas, boicotadas num primeiro momento, passaram a ser saqueadas. Com uma série de leis, confiscos e pogroms (ataques organizados), entre 1933 e 1938, Hitler conseguiu minar as bases econômicas e políticas dos judeus e cristãos alemães de origem judaica. Pelas leis de Nuremberg de 1935, os judeus perderam a cidadania e foram proibidos de contrair matrimônio com alemães não judeus. Após a "noite das vidraças quebradas" (Kristallnacht), de 9 para 10 de novembro de 1938, quando praticamente todas as sinagogas e instituições judaicas da Alemanha foram destruídas, milhares de judeus tiveram seus bens confiscados e foram presos em campos de concentração.

Em 1938 já existiam leis anti-semitas na Itália fascista e na Hungria, e a anexação da Áustria e da Tchecoslováquia (atuais República Tcheca e Eslováquia) à Alemanha deu início à perseguição dos judeus nesses países. Quando irrompeu a segunda guerra mundial, em 1939, os judeus alemães já não eram mais cidadãos. Impedidos de frequentar escolas públicas, exercer atividades profissionais, possuir terras ou lojas, ir a parques, bibliotecas e museus, também eram obrigados a viver em guetos. Em 1941 estavam proibidos de usar telefones e transportes públicos, e os judeus acima de seis anos traziam nas roupas, obrigatoriamente, a etiqueta amarela com a estrela-de-davi.

Holocausto na II Guerra Mundial

As vitórias alemãs nos primeiros anos da segunda guerra mundial permitiram maior opressão dos judeus europeus na Alemanha e em outros países dominados pelo nazismo. Com o deslocamento dos exércitos alemães para oeste -- Polônia, União Soviética e países bálticos -- a solução da "questão judaica" ("die Jundenfrage") foi deixada aos esquadrões da morte SS, conhecidos como forças-tarefas especiais (Einsatzgruppen). Populações inteiras de judeus, ciganos e eslavos não judeus de cidades conquistadas eram presas, executadas e enterradas em valas comuns. Outro método de extermínio consistia no confinamento em caminhões fechados, cuja fumaça tóxica era dirigida ao compartimento de carga e asfixiava os ocupantes no trajeto para os locais onde eram enterrados em massa.

Na Conferência de Wannsee, realizada em Berlim em 20 de janeiro de 1942, líderes nazistas decidiram que a "solução final da questão judaica" seria evacuar os judeus da Europa para campos de concentração nos países do leste, onde receberiam "tratamento adequado". Muitos foram imediatamente executados e outros se destinaram a frentes de trabalho, nas quais morriam por não resistirem ao esforço e à má alimentação. Outro método de extermínio em massa eram as câmaras de gás disfarçadas em chuveiros, de onde os corpos eram removidos para fornos crematórios. Calcula-se que quatro milhões de judeus morreram nos campos de Auschwitz, Majdanek, Treblinka, Chelmno, Sobibor e Belzec. O número total de judeus mortos pelos nazistas é estimado em seis milhões, cerca de 13% dos 46 milhões de militares e civis mortos durante a segunda guerra mundial.

Na Dinamarca, França, Itália e Bulgária, muitos judeus foram salvos com apoio da população, que os ajudava a se esconder ou a fugir para países neutros, como Suécia, Suíça, Espanha e Portugal. Houve ainda movimentos judeus de resistência na França, Itália, Polônia, União Soviética e Iugoslávia, mas foi sobretudo nos maiores guetos da Polônia -- Varsóvia, Bialystok e Vilna -- que a resistência ocorreu. Em Varsóvia, onde se concentravam 400.000 judeus, os últimos sessenta mil, quase desarmados, resistiram às ordens de deportação alemãs e às tropas armadas de lança-chamas, carros blindados e tanques. No aniversário da revolta do gueto de Varsóvia, ocorrida em 19 (ou 20) de abril de 1943, comemora-se o dia do Holocausto. Em Israel, é festejado no dia 27 Nisan.

http://www-storia.blogspot.com.br/